Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

A QUESTÃO DE OLIVENÇA

UMA VISÃO PORTUGUESA (2)
   por Carlos Luna

 


Há responsáveis que dizem que Olivença não tinha importância nos  tempos portugueses. Isto é uma falsidade histórica pois Olivença  era a décima terceira cidade portuguesa no século XVI. Basta ver o  Património Monumental Português em Olivença para se compreender que  tal afirmação não pode ser verdadeira. E, como diz a História de Extremadura da Bibl. Pop. Extr. de 1993, "Em 1801, o território extremenho ver-se-ia repentinamente aumentado com a importante cidade de Olivença - então tão grande e povoada como Badajoz – conquistada a Portugal (...)". (trad. do espanhol).


Ouve-se também o argumento de que Olivença já tinha sido espanhola antes de ser portuguesa em definitivo em 1297. Ora, esta  povoação e o seu termo (que incluía mais ou menos Táliga) tinham então pouca importância, como aliás outras povoações castelhanas e portuguesas, em virtude da indefinição de fronteiras. Só depois de  1297 as povoações então tornadas de vez portuguesas e castelhanas foram de facto verdadeiramente povoadas e organizadas.

 

Este argumento dá a entender que a anexação espanhola de 1801 foi  uma "recuperação de território". Ora, e dentro da legalidade, a Olivença de então era totalmente diferente da de 1297, quando seria  uma aldeia, talvez fortificada em tempos, com quiçá duzentos  habitantes. Após quinhentos anos de vivência legal portuguesa, falar  em recuperação é um contra-senso. Aliás, os apelidos oliventinos,   mesmo nos nossos dias, são esmagadoramente portugueses... mesmo após  a espanholização administrativa geral que sofreram.
   

Aprofundemos um pouco este aspecto.

 

Imaginemos que Portugal ocupava Valência de Alcântara, que foi sua antes de 1297 e que, apesar de por um qualquer tratado ter de a devolver a Espanha,  mantinha a localidade sob o seu domínio dizendo que tinha sido portuguesa até 1297! Como toda a vida organizada de Valência, bem  como o seu povoamento, foram leoneses/castelhanos/espanhóis, mesmo  porque em 1297 houve troca de populações, este argumento pecaria por  ridículo! Legalmente espanhola desde 1297, Valência de Alcântara  não podia ser alvo de uma tal argumentação, por ser absurda!


Também se diz que Olivença foi fundada, não por Templários portugueses, mas sim por Templários leoneses (o mesmo se aplicando a  Táliga). Aqui, de facto, há mais dúvidas que certezas. Um excelente  livro ("Oliveza y el Tratado de Alcañices", de Manuel Martínez Martínez, Ayuntamiento de Olivenza, 1997) equaciona as origens possíveis dos Templários que fundaram Olivença e Táliga, e, em minha  opinião, conclui que, mais do que portugueses ou leoneses, eram mais  simplesmente Templários, fazendo um pouco o seu próprio e quase  exclusivo jogo. Contudo, após alguns problemas em Castela-Leão, os  Templários começaram a ser vistos como servindo os interesses dos Reis de Portugal. Afastados da região oliventina, terão influenciado  o Rei Português (D. Dinis) a incluir o território dentro das fronteiras lusas já que tinham sido eles os seus primitivos  "reconquistadores" aos muçulmanos. Uma vingança.

 Templário português, templário espanhol ou apenas templário?

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D