Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

VICE-REINADO DO PRATA – DOMÍNIO INGLÊS NO PRATA - PARTE 5

              A ANARQUIA E O CAUDILHISMO – A ÉPOCA DE ROSAS

 

 

Final da parte 4: Uma única força sobrevivia organizada no território argentino, embora dispersa – a dos caudilhos – dominando por onde passavam, surgiam e viviam as suas milícias levando o terror e a espoliação a quem não lhes prestasse obediência ou lhes negasse o fornecimento de meios. Reinado da anarquia absoluta, despótica e irrefreável.  Os indícios apontavam para o fracasso da consolidação. Restava o domínio da força e esta encontrou o campo aberto a todos os desmandos.

 

 

                  A ÉPOCA DE ROSAS

 

Desde 1810 e por um decénio, Buenos Aires superou as maiores dificuldades e lutou contra a oposição de quase todas as províncias; conseguiu manter sua posição de domínio no conjunto das Províncias Unidas do Rio da Prata, entidade política substituta do Vice-Reinado após a autonomia. Seus governos  sem autoridade integral nem continuidade sucedem ao sabor das conspirações e das rebeldias. A elaboração de constituições unitárias não conseguem articular e dar estrutura ao território em que os interesses eram contraditórios;  ao contrário,  provocavam a repulsa e a vontade de autonomia por parte das demais províncias. O movimento de independência em curso a partir de 1810 até 1816, encontra obstáculos sérios desde este último ano em consequência do retorno ao trono espanhol de Fernando VII e da intensa actividade metropolitana no sentido de assegurar para si, novamente, a posse de seus domínios coloniais. Para isto contou com o apoio da Santa Aliança ao mesmo tempo em que a política inglesa, particularmente quando orientada por Canning, procurava apoiar a autonomia dos povos americanos. O apoio inglês visava evitar a volta do antigo sistema de clausura e de monopólio comercial, em contradição com o crescente expansionismo de sua indústria e de seu comércio.

 

Entre 1810 e 1820, apenas o governo de Pueyrredón consegue manter-se no poder durante o prazo normal. Os demais foram depostos pela força. Em 1815, a rebelião federalista de Artigas, que dominava não só a Banda Oriental, mas quase todas as províncias do litoral, apenas anuncia o advento das inúmeras dificuldades para o próprio movimento emancipador. Em 1816, esse movimento foi gradualmente sufocado em quase todas as colónias americanas de origem espanhola, salvo nas Províncias Unidas do Rio da Prata.

 

 

México, Venezuela e Chile estavam novamente sob domínio espanhol e o desastre de Sipe Sipe constituía ameaça para a área platina alcançar o mesmo destino. As Províncias Unidas conseguem, entretanto, atravessar o período crítico e San Martín leva as suas tropas ao Chile e depois ao Peru, reduto espanhol no continente. Ao mesmo tempo, Simon Bolívar retoma a sua campanha libertadora no norte. A continuidade administrativa de Pueyrredón permitiu a preparação por San Martín para iniciar a sua grande expedição levando o movimento emancipador ao Pacífico.

 

Juan Martín de Pueyrredón Juan Martín de Pueyrredón (1776 - 1850)

 

Em 1819, o sucessor de Pueyrredón, Rondeau, enfrentaria a rebelião das províncias do litoral contra Buenos Aires. As províncias de Córdoba, San Juan, San Luiz e Mendoza apoiam os caudilhos Ramirez, de Entre Rios, Lopes, de Santa Fé e lutam contra o governo de Buenos Aires e contra a sua carta unitária. Em 1º de Fevereiro de 1820 vencem as forças de Rondeau. O tratado de Pilar sanciona a vitória das províncias sobre Buenos Aires e declara a liberdade de navegação dos rios para os que assinaram o documento, a base federalista para a estrutura nacional com ampla autonomia das províncias e a convocação do novo Congresso.

 

O rompimento posterior entre os mais fortes caudilhos do litoral, Lopez e Ramirez, lança novos elementos na anarquia caracterizada pela sucessão de governos incapazes de garantir a ordem e a união entre as províncias em conflito. Somente quando Martim Rodriguez assume o poder em Buenos Aires é assegurado um curto período de paz às províncias platinas. Esse período menos atribulado chega a 1824, na esclarecida administração de Rivadávia representando o triunfo, ainda que parcial e transitório do grupo que detinha o comércio e que representava, na cidade de Buenos Aires, as tendências unitárias. Rivadávia enfrentaria o grave problema da luta militar pela posse da Banda Oriental.

Bernardino Rivadavia Bernardino Rivadávia (1780 - 1845)

A disputa é resolvida após o combate do Passo do Rosário, por acordo provisório consequência da fraqueza dos dois contendores. De um lado, as Províncias Unidas lutam pela sua organização política às portas da anarquia; do outro, o império em busca da consolidação da sua independência e em séria crise económica e financeira. Em 1826, o Congresso vota nova constituição unitária ditada pelos interesses do grupo comercial de Buenos Aires. As províncias entram mais uma vez em rebelião e o país atravessa nova fase de dissolução da autoridade.  

 

A anarquia disseminada principalmente nas regiões pobres das províncias do interior, onde os caudilhos dominavam sem encontrar obstáculos, alcançou as províncias mais ricas do litoral e penetrava na província de Buenos Aires, que guardava a contradição entre um grupo mercantil urbano e a massa rural entregue ao pastoreio e ao ímpeto das lutas sucessivas.  Enquanto nos campos é gerado a figura do caudilho Rosas, na cidade o governo de Darrego se mantém com dificuldades até que a rebelião de Lavalle o vence. Darrego representava os princípios do federalismo e Lavalle ao vencê-lo, defrontaria, por isso mesmo, a oposição dos caudilhos provinciais contrários à tendência unitária considerada ameaçadora. Contra Lavalle estão todos os caudilhos, entre os quais Bustos, Quiroga, Ibarra, Lopez e Rosas. Em Abril de 1829 é derrotado e abandona o poder. Abre-se na história argentina o período conhecido como época de Rosas.

General de Rosas Juan Manuel de Rosas (1793 - 1877), de seu nome completo Juan Manuel José Domingo Ortiz de Rozas y López de Osornio

 

 Continua.

Belo Horizonte, 14 de Outubro de 2007

Therezinha B. de Figueiredo 

   

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D