Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

VICE-REINADO DO PRATA – DOMÍNIO INGLÊS NO PRATA - PARTE 5

              A ANARQUIA E O CAUDILHISMO – A ÉPOCA DE ROSAS

 

 

Final da parte 4: Uma única força sobrevivia organizada no território argentino, embora dispersa – a dos caudilhos – dominando por onde passavam, surgiam e viviam as suas milícias levando o terror e a espoliação a quem não lhes prestasse obediência ou lhes negasse o fornecimento de meios. Reinado da anarquia absoluta, despótica e irrefreável.  Os indícios apontavam para o fracasso da consolidação. Restava o domínio da força e esta encontrou o campo aberto a todos os desmandos.

 

 

                  A ÉPOCA DE ROSAS

 

Desde 1810 e por um decénio, Buenos Aires superou as maiores dificuldades e lutou contra a oposição de quase todas as províncias; conseguiu manter sua posição de domínio no conjunto das Províncias Unidas do Rio da Prata, entidade política substituta do Vice-Reinado após a autonomia. Seus governos  sem autoridade integral nem continuidade sucedem ao sabor das conspirações e das rebeldias. A elaboração de constituições unitárias não conseguem articular e dar estrutura ao território em que os interesses eram contraditórios;  ao contrário,  provocavam a repulsa e a vontade de autonomia por parte das demais províncias. O movimento de independência em curso a partir de 1810 até 1816, encontra obstáculos sérios desde este último ano em consequência do retorno ao trono espanhol de Fernando VII e da intensa actividade metropolitana no sentido de assegurar para si, novamente, a posse de seus domínios coloniais. Para isto contou com o apoio da Santa Aliança ao mesmo tempo em que a política inglesa, particularmente quando orientada por Canning, procurava apoiar a autonomia dos povos americanos. O apoio inglês visava evitar a volta do antigo sistema de clausura e de monopólio comercial, em contradição com o crescente expansionismo de sua indústria e de seu comércio.

 

Entre 1810 e 1820, apenas o governo de Pueyrredón consegue manter-se no poder durante o prazo normal. Os demais foram depostos pela força. Em 1815, a rebelião federalista de Artigas, que dominava não só a Banda Oriental, mas quase todas as províncias do litoral, apenas anuncia o advento das inúmeras dificuldades para o próprio movimento emancipador. Em 1816, esse movimento foi gradualmente sufocado em quase todas as colónias americanas de origem espanhola, salvo nas Províncias Unidas do Rio da Prata.

 

 

México, Venezuela e Chile estavam novamente sob domínio espanhol e o desastre de Sipe Sipe constituía ameaça para a área platina alcançar o mesmo destino. As Províncias Unidas conseguem, entretanto, atravessar o período crítico e San Martín leva as suas tropas ao Chile e depois ao Peru, reduto espanhol no continente. Ao mesmo tempo, Simon Bolívar retoma a sua campanha libertadora no norte. A continuidade administrativa de Pueyrredón permitiu a preparação por San Martín para iniciar a sua grande expedição levando o movimento emancipador ao Pacífico.

 

Juan Martín de Pueyrredón Juan Martín de Pueyrredón (1776 - 1850)

 

Em 1819, o sucessor de Pueyrredón, Rondeau, enfrentaria a rebelião das províncias do litoral contra Buenos Aires. As províncias de Córdoba, San Juan, San Luiz e Mendoza apoiam os caudilhos Ramirez, de Entre Rios, Lopes, de Santa Fé e lutam contra o governo de Buenos Aires e contra a sua carta unitária. Em 1º de Fevereiro de 1820 vencem as forças de Rondeau. O tratado de Pilar sanciona a vitória das províncias sobre Buenos Aires e declara a liberdade de navegação dos rios para os que assinaram o documento, a base federalista para a estrutura nacional com ampla autonomia das províncias e a convocação do novo Congresso.

 

O rompimento posterior entre os mais fortes caudilhos do litoral, Lopez e Ramirez, lança novos elementos na anarquia caracterizada pela sucessão de governos incapazes de garantir a ordem e a união entre as províncias em conflito. Somente quando Martim Rodriguez assume o poder em Buenos Aires é assegurado um curto período de paz às províncias platinas. Esse período menos atribulado chega a 1824, na esclarecida administração de Rivadávia representando o triunfo, ainda que parcial e transitório do grupo que detinha o comércio e que representava, na cidade de Buenos Aires, as tendências unitárias. Rivadávia enfrentaria o grave problema da luta militar pela posse da Banda Oriental.

Bernardino Rivadavia Bernardino Rivadávia (1780 - 1845)

A disputa é resolvida após o combate do Passo do Rosário, por acordo provisório consequência da fraqueza dos dois contendores. De um lado, as Províncias Unidas lutam pela sua organização política às portas da anarquia; do outro, o império em busca da consolidação da sua independência e em séria crise económica e financeira. Em 1826, o Congresso vota nova constituição unitária ditada pelos interesses do grupo comercial de Buenos Aires. As províncias entram mais uma vez em rebelião e o país atravessa nova fase de dissolução da autoridade.  

 

A anarquia disseminada principalmente nas regiões pobres das províncias do interior, onde os caudilhos dominavam sem encontrar obstáculos, alcançou as províncias mais ricas do litoral e penetrava na província de Buenos Aires, que guardava a contradição entre um grupo mercantil urbano e a massa rural entregue ao pastoreio e ao ímpeto das lutas sucessivas.  Enquanto nos campos é gerado a figura do caudilho Rosas, na cidade o governo de Darrego se mantém com dificuldades até que a rebelião de Lavalle o vence. Darrego representava os princípios do federalismo e Lavalle ao vencê-lo, defrontaria, por isso mesmo, a oposição dos caudilhos provinciais contrários à tendência unitária considerada ameaçadora. Contra Lavalle estão todos os caudilhos, entre os quais Bustos, Quiroga, Ibarra, Lopez e Rosas. Em Abril de 1829 é derrotado e abandona o poder. Abre-se na história argentina o período conhecido como época de Rosas.

General de Rosas Juan Manuel de Rosas (1793 - 1877), de seu nome completo Juan Manuel José Domingo Ortiz de Rozas y López de Osornio

 

 Continua.

Belo Horizonte, 14 de Outubro de 2007

Therezinha B. de Figueiredo 

   

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2005
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2004
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D