Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

VOANDO SOBRE UM NINHO DE CUCOS

 

 
 
 


Já tinha visto um cuco fora do relógio suiço? Eu não.

 

 

 

Como já disse no texto anterior, teve a minha ida a Bragança em 5 de Outubro como objectivo não a participação nas comemorações da implantação da República mas sim no 6º Colóquio da Lusofonia que desta feita tinha como tema principal a versão brasileira da nossa língua, a portuguesa. E se cometo esta redundância de afirmar que a nossa língua é a portuguesa, tenho como objectivo afirmar que o brasileiro é adjectivo de nacionalidade e não nome de língua. Língua brasileira é músculo que ajuda gente e bicho a comer ou articular som. Nada mais e nunca em simultâneo pois não se fala de boca cheia. A língua que se fala no Brasil é a portuguesa. Dêem-lhe a sonoridade que entenderem, cantem-na mais ou menos, tentem destrui-la até mas não se arroguem a autoria de obra alheia nem queiram vir para cá ensinar o Pai-nosso ao Vigário. O português padrão é o que se fala em Portugal e ponto final na discussão.

 

Outra questão de que ouvi falar - fora da sala em que decorria o Colóquio - foi a de saber se os timorenses querem mesmo falar português. Não querem? Pois falem o que entenderem se quiserem ser espezinhados pelos vizinhos indonésio e australiano. A partir do momento em que percam a pouca singularidade que lhes resta, logo perderão toda e qualquer autonomia, mesmo aquela que funda o Estado de que se querem cidadãos. Em Timor a língua portuguesa é uma arma política e é nesse plano que tem que ser considerada se o país quiser continuar a existir. Olhem para a miséria a que Goa deixou levar a dignidade que dantes tinha e que lhe dava o epíteto da “Roma do Oriente”. Hoje nem arrabalde de Bombaim os indianos a consideram E A Igreja seguiu à risca a Tradição Paulina e nada fez pela preservação da identidade luso-indiana. Felizmente ainda por lá anda quem já percebeu que Goa só sobreviverá se normalizar o uso da língua portuguesa e já decorreu nestes Julho e Agosto o 11º curso de língua portuguesa, desta feita de conversação para quem já tivesse feito os quatro graus anteriores. Recordo que os 10 cursos que o precederam tiveram uma média de 92 alunos e este de conversação teve 30. É pouco? É muito mais do que fazem os que põem a nossa língua em dúvida. E os portugueses do Sri Lanka querem aprender o português moderno e nós ainda lá não conseguimos chegar a não ser pela Internet. Mas alguma coisa havemos de fazer por eles pois temos vontade de defender o que é digno de ser defendido: a língua portuguesa.

 

E quando ouço dizer que nada de jeito se faz pela nossa língua, logo me salta à memória a realidade de que o trabalho feito pelo Instituto Camões é totalmente financiado pelo Contribuinte português enquanto o Instituto Machado de Assis não passou do papel brasileiro em que foi decretado e o Instituto Internacional da Língua Portuguesa que deveria funcionar em Cabo Verde também não passou de uma simples miragem da CPLP.

 

Falem, falem mas quem faz alguma coisa é o pequeno Portugal e o resto são bazófias.

 

E o que lá fui dizer? Fui divagar sobre o que considero que será a Lusofonia no séc. XXI e seguintes logo tomando a iniciativa de afirmar que não me parece imprescindível discutir a sintaxe e o hífen. Não haverá Acordo Ortográfico? Paciência, eu continuarei a falar ao nosso modo e espero que a Internet nos una em vez de nos separar. Uma língua fala-se na rua e escreve-se por aí fora, não se decreta nem se concerta em Academia. E se as elites funcionarem como forças centrípetas, então o exemplo frutificará e a língua portuguesa há-de adaptar-se às circunstâncias.

 

Eis por que mais do que em voo sobre um ninho de cucos, cheguei a temer que me considerassem naquela sala um cuco em ninho alheio.

 

Mas não e, pelo contrário, todos foram duma simpatia rara, a começar pelo anfitrião, o Dr. Chrys Chrystello que finalmente conheci pessoalmente. Desde antecipar a minha intervenção de Sábado para a 6ª feira anterior só porque não há avião aos fins-de-semana até mandar servir o almoço de modo a que eu não perdesse o avião de regresso, tudo foram gentilezas que me deixaram desvanecido.

 

E para cúmulo, eu era o participante com menor grau académico pois que me limito a ter uma licenciatura enquanto os que me ouviram eram todos Mestres e Doutores. Não há dúvida, a Academia dá muita Ciência mas também dá muita sabedoria, nomeadamente esta de saber ouvir um palestrante menor.

 

Lisboa, Outubro de 2007

 

Henrique Salles da Fonseca

3 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D