Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A bem da Nação

CULTURA INDO-PORTUGUESA

O Estado Português da Índia existiu desde 1510 a finais de 1961. Foram 451 anos de convivência intercultural a que deveremos acrescer os anos que antecederam a criação oficial do referido Estado e os anos que já decorreram desde a sua extinção de facto até ao presente. São, praticamente, cinco séculos de intercâmbio cultural cuja realidade global deve ser reconhecida como verdadeiro Património da Humanidade tanto na vertente material como na imaterial.

Arquitectura, religião, língua, mobiliário, medicina, literatura, pintura, música, enfim, todas as vertentes da intelectualidade e da cultura popular.

A cultura indo-portuguesa consubstancia um estilo de vida que traduz uma Civilização híbrida de grande mérito dentro e fora do subcontinente hindustânico. São inúmeras as personalidades oriundas desse estrato civilizacional que ao longo da História se elevaram aos mais altos postos das hierarquias indiana e portuguesa. Por exemplo, Jorge Fernandes que foi Ministro da Defesa da Índia de 2001 a 2004 e António Costa que é o actual Primeiro Ministro de Portugal.

Mas esta cultura vem desaparecendo porque as vicissitudes da História puseram fim à presença da Administração Portuguesa, porque os indo-portugueses vêm emigrando e porque o espaço assim deixado vago vai sendo preenchido por quem não se sente ligado a essa tradição cultural. Mesmo a Igreja Católica se apressou a substituir a língua portuguesa pela inglesa nas homilias das  suas celebrações e esse foi, só por si, um golpe da maior gravidade na coesão da cultura indo-portuguesa.

Valha o Visconde Seabra cujo Código Civil prevaleceu.

Entretanto, a Universidade de Goa acolheu o Instituto Camões e ali se ministra a didática da língua portuguesa aos futuros professores. Este é um trabalho ciclópico a que não poupo louvores.

Mas os professores não podem ensinar se não houver quem os queira escutar e eles próprios precisam de viver.

Assim nasceu a Sociedade de Amizade Indo-Portuguesa, Goa (Indo-Portuguese Friendship Society, Goa) que vem desempenhando um papel da maior relevância no estreitamento das relações de amizade entre os dois países, ou seja, entre as duas culturas. O mesmo é dizer que vêm preservando a cultura indo-portuguesa.

Falta que em Damão-Silvasssa e em Diu os lusófilos se associem de modo semelhante em Sociedades de Amizade Indo-Portuguesa, recrutem professores indianos de língua portuguesa e preservem desse modo a identidade civilizacional que os distingue a nível mundial.

Falta promover a Cultura Indo-Portuguesa a Património da Humanidade.

Lisboa, Abril de 2022

Henrique Salles da Fonseca

 

(publicado na «Revista da Casa de Goa», ed. Julho-Agosto de 2023)

DA RAZÃO HISTÓRICA

Hoje, começo com um quase-enigma que, submetido a breve reflexão, se transforma em quase-axioma:

«A história é a essência da cultura».

E porquê esse «quase-quase»? Porque a explicação é muito simples e porque se fosse axioma não precisava de explicação. E aqui vai ela: Genética e culturalmente, somos herdeiros dos nossos antepassados e, daí, «o chá que bebemos em pequeninos» que é como quem diz, a educação, os conceitos básicos, morais, inerentes à (nossa) Civilização. Mais do que isto é o estudo para se saber como ali se chegou. A cultura é o conhecimento da própria condição e esta resulta dos prolegómenos, ou seja, da História.   Eis como esta é a essência da cultura.

Conclusão: se queremos saber o que somos e como aqui chegámos, temos que conhecer os tais prolegómenos, ou seja, a História.

* * *

Na busca perene que muitos de nós fazemos das causas que expliquem os padecimentps (sociais) que nos preocupam, estudamos a nossa História na esperança de encontrarmos essas explicações e, daí, encontrarmos as «chaves» que nos permitam imaginar políticas correctivas, de desenvolvimento.

Com esse propósito, ficou célebre o livro de Antero de Quental intitulado «Causas da decadência dos povos ibéricos» cuja leitura recomendo mas o meu primo Luís Soares de Oliveira enviou-me por e-mail um seu texto que me permito classificar de notabilíssimo. Aínda pensei citá-lo em cada ponto-chave mas decidi não o truncar e transcrevo-o na íntegra para ter a certeza de não lhe perdermos qualquer parcela do enorme valor que nos acrescenta.

Aí vai, com a devida vénia:

«O CONHECIMENTO DOS ERROS PASSADOS É A MELHOR FORMA DE MELHORAR O FUTURO.

A POLITICA PORTUGUESA DOS ANOS 10 DO SÉCULO PASSADO.

(extrato do livro em preparação: " A guerra civil que não aconteceu"



Aos políticos do tempo sobrava formação jurídica e faltava cultura
económica; o ensino universitário dessa época ainda não distinguia a
economia da ciência jurídica. Séculos antes, a Inquisição, tinha-se
encarregado  de converter o enriquecimento em pecado imediata e
cruelmente punível. Diferentemente das democracias nórdicas que foram
criadas e orientadas por empreendedores habituados a  colaborar entre
si para produzir riqueza, a portuguesa foi, através dos tempos,
dominada por gente que  considerava o enriquecimento pecaminoso e
adverso  à segurança do Estado. E, de tal  forma a ideia persistiu,
que acabou com  o crescimento do produto. Faltava também civismo: à
maneira das peixeiras a uma ofensa respondiam com outra ofensa; a uma
violência com  outra violência. Confundiam educação com presunção e
humor com sarcasmo e assim nunca aprenderam a arte de dizer o que é
preciso sem magoar.

Eleições havia mas eram garantidamente fraudulentas. O direito de voto
era seletivo. controlado pela Maçonaria Apesar da contestação interna,
o Partido Republicano ganhava sempre. A ausência de alternância
provocou a dificuldade das forças da oposição em aceder aos órgãos do
Poder e privou de  representatividade e de participação política
grande parte da população o que não reforçou a estabilidade  do novo
regime republicano.

Em Lisboa, predominava a chamada geração do Ultimato[1], gente que
havia perdido confiança na Monarquia por esta não ter conseguido
impor-se aos ingleses na defesa das Colónias. A transição de regime
Monárquico para o republicano fez-se ali sem  sobressalto;  nas vilas
e áreas rurais o povo limitou-se a receber a notícia e tomou
conhecimento de que o Rei já não era rei e de que os funcionários
públicos seriam permutados oportunamente. Quem regulava a ordem fora
de Lisboa era a Igreja e os chamados "trauliteiros" - estes, a soldo
dos latifundiários. O resultado era um regime despótico e intrusivo
propenso a usar o dinheiro público para sustento de uma classe
parasitária de baixareis formados (ou meros frequentadores ) na
Universidade de Coimbra.

Os revolucionários republicanos começavam então a alargar a sua
actividade às cidades e vilas provincianas através dos "comités de
vigilantes" da Carbonaria-Formiga Branca. Estes perseguiam os
reacionários e prometiam aos locais  melhorias, especialmente no
domínio fiscal. Os trabalhadores acreditaram e a violência
instalou-se. Os bandos armados multiplicavam-se: era a guerra de todos
contra todos em que levavam vantagem os mais violentos e imunizados,
designadamente os sicários  de Afonso Costa.

A Maçonaria seria de fundação francesa, enquanto a Carbonária era
tipicamente siciliana e do sul de Itália. Recorria à violência
irregular enquanto que, para a primeira, a violência era sistemática.
A repressão violente  tornou-se tanto mais frequente  quanto maior era
a distância entre o conteúdo doutrinário dos revolucionários e o
entendimento do povo. Isto explica o crescente e inevitável predomínio
da Afonso Costa. Entre os cabecilhas históricos do movimento
republicano português seria ele o único preparado para e dispostos a
usar a violência  até às suas últimas consequências. Aos restantes
faltava qualquer coisa.

A revolução Republicana foi realizada desde início sem dinheiro,
poucas armas e mal preparada. Estava pois condenada à dissidência
perpétua Machado dos Santos - o herói da Rotunda - era o desordeiro
puro, totalmente destituído de doutrina. O que o seduzia era acção,
não a palavra.. Os restantes eram tribunos de mão cheia mas não
preenchiam o quadro de exigências do revolucionário. Manuel Arriaga,
pioneiro do republicanismo em Portugal, era consciencioso, sincero,
responsável, mas demasiado bondoso para a política. O académico
Bernardino Machado vivia nas nuvens, sempre pronto a agradar e a
enganar. Frases suas "Portugal tem grandeza moral. Isto basta para que
nos respeitem"; "É preciso enviar dinheiro a el rei", estando este no
exílio; e outras…O tribuno António José de Almeida, médico e
humanista, esgotava-se na eloquência; mas não ia além disso. Por fim,
mas não de menos importância, o iluminado Brito Camacho, o mais bem
orientado de todos, preferia os bastidores ao proscénio. Foi o único
que deixou obra. O IST e o ISCEF entre outras instituições de ensino.

Teixeira Gomes homem viajado, comerciante exportador antes de se
tornar político, dizia dos seus confrades. "não dão provas suficientes
das sua capacidades, nem podiam dar, falhos inteiramente do
indispensável tirocínio que somente se alcança em países organizados,
tratando com estadistas experientes e conhecedores das suas forças e
das suas aspirações … O facto é que o futuro da nacionalidade
portuguesa é negro e pesa sobre estes homens uma responsabilidade
tremenda, de que a história lhes pedirá pesadíssimas contas". Numa
palavra, Teixeira Gomes considerava os seus ilustres colegas altamente
incompetentes em matéria de governação.[2] E estes esforçaram-se por
não desmentir.
Luís Soares de Oliveira»

 Considero este texto absolutamente notável e por isso o republico. Tiremos as ilações que ele nos proporciona.

 

Julho de 2023

Henrique Salles da Fonseca

A CAMISA DO POBRE - 1

Em três penadas, a «coisa» foi, é, e poderá vir a ser assim:

  • 1ª penada – Desde o bafordo do Vez, Portugal é um espinho encravado na garganta de Castela e, quanto por menos seja pela via da inveja, nas gargantas das demais Espanhas;
  • 2ª penada – Perdido o Império que durante séculos foi o garante da nossa soberania contra a cobiça espanhola, rapidamente colapsou o quase mercantilismo em que vivíamos e logo houve quem se entretivesse a desmantelar ou a vender a estrangeiros o que por cá era tido por indústria pesada; a demagogia encarregou-se de elevar o consumo a motor do desenvolvimento e bancarrotas já vão quatro entre 1974 e 2023 com a banca a passar para controlo estrangeiro;
  • 3ª penada – E agora? Agora, aqui chegados, resta-nos reconhecer que pouco mais temos do que «as ruas para passear», mas envergando camisas que pareçam sujas para não despertarmos a cobiça alheia.
  • (continua)
  • Julho de 2023
  • Henrique Salles da Fonseca

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2016
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2015
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2014
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2013
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2012
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2011
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2010
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2009
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2008
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2007
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D
  235. 2006
  236. J
  237. F
  238. M
  239. A
  240. M
  241. J
  242. J
  243. A
  244. S
  245. O
  246. N
  247. D
  248. 2005
  249. J
  250. F
  251. M
  252. A
  253. M
  254. J
  255. J
  256. A
  257. S
  258. O
  259. N
  260. D
  261. 2004
  262. J
  263. F
  264. M
  265. A
  266. M
  267. J
  268. J
  269. A
  270. S
  271. O
  272. N
  273. D