Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A bem da Nação

DA CONDIÇÃO PAISANA - 4

«Honestidade é uma faceta de caracter moral que conota atributos positivos e virtuosos como integridade, veracidade, franqueza de conduta, juntamente com a ausência de mentiras, trapaça, roubo, etc. Honestidade também envolve ser confiávellealjusto e sincero. A honestidade é valorizada em muitas culturas étnicas e religiosas. A honestidade é uma característica amplamente divulgada pela maioria das pessoas, honestas ou não.

Em 30 de abril, nos Estados Unidos, é o Dia da Honestidade para incentivar a honestidade e a comunicação direta sobre política.»

(Wikipédia)

* * *

A honestidade é claramente a virtude superlativa sem a qual todas as outras claudicam.

Convém acompanharmos a leitura da transcrição acima de um visionamento «même à vol d’oiseau» do nosso hemiciclo maior e respectivas adjacências perguntando-nos se não é mais do que tempo para revermos os métodos de formação do caracter da nossa juventude.

A minha resposta a esta questão é claramente favorável à mudança valorizando um Serviço Cívico Obrigatório (de cariz militar ou civil conforme a apetência individual e inerentes critérios de admissão) e relativizando a formação dada pelas «jotas» partidárias cujos resultados enchem os telejornais.

Mas…

…qualquer alteração deste cariz passa pela decisão partidária e é altamente duvidoso que os Partidos queiram ver as suas «jotas» secundarizadas por um  «qualquer» Serviço Cívico Obrigatório. E, para além do mais, seria o reconhecimento público de que as «jotas» não são eficazes, o que, para os decisores oriundos dessas fontes, seria o naufrágio.

E então?

Então, há que lançar um debate nacional, público, que «empurre» os náufragos até um porto seguro.

HONESTIDADE, PRECISA-SE!

FIM

Maio de 2023

Henrique Salles da Fonseca

DA CONDIÇÃO PAISANA - 3

A dignidade da pessoa implica o respeito mútuo na prossecução do bem comum periodicamente sufragado em regime directo e universal iniciado em liberdade de expressão e concluído com o voto secreto.

A dignidade implica o livre arbítio entre o bem e o mal, entre o exercício de direitos e cumpromento de obrigações ou pelo incumprimento destes e abuso daqueles. A liberdade implica responsabilidade. A irresponsabilidade é indigna.

E basta de axiomas!

 * *

Num ambiente pós-moderno de insaciável hedonismo, já são pelo menos duas as gerações de portugueses educadas no princípio de que tudo lhes é devido e de que nada devem a ninguém: direitos superlativos e obrigações a roçar o nihilismo. Para pessoas assim educadas, não faz qualquer sentido o princípio eminentemente democrático que afirma que a liberdade de cada um acaba onde começa a liberdade do próximo.

E agora?

Agora urge…

  • …pugnar pela solidariedade combatendo o egoísmo que se instalou por deturpação da liberdade individual;
  • …incutir na juventude algum espírito de missão com vista a grandes propósitos comuns aos diversos modelos de bem comum perfilados em democracia,
  • …introduzir na temática cívica conceitos como respeitabilidade, disciplina, aprumo e honorabilidade do serviço ao bem comum.

A chamada destes valores à ribalta tem a ver com a necessidade sentida de parametrização da sociologia quântica em que o Ocidente está a mergulhar.

(continua)

Maio de 2023

Henrique Salles da Fonseca

DA CONDIÇÃO PAISANA - 2

A Ética paisana é intelectual; a Ética militar é regulamentar.

* * *

A Ética tem a ver com os factos e deriva da Moral que tem a ver com os princípios; historicamente, cada Moral tem origem na respectiva religião e esta, por sua vez, invoca a(s) respectiva(s) Divindade(s) para distinguir o Bem e o Mal. O pragmatismo militar reduziu toda a exegese dos Livros Sagrados a um único texto dogmático a que por cá chamamos «Regulamento de Disciplina Militar».

* * *

Da condição militar fazem essencial e nomeadamente parte três elementos, a saber: a disciplina, o aprumo e a honra. Da condição paisana não é essencial a pertença de qualquer um destes elementos pois andam por aí muitos indisciplinados, despenteados e snobs (sine nobilitatis).

E a questão era a de saber que enquadramento dar aos paisanos  «despenteados que se queriam militarizar. Assim se inventou essa classe dos mercenários, os combatentes «sine nobilitatis».

CONCLUSÃO: Nem todos merecem a honra militar.

(continua)

Maio de 2023

Henrique alles da Fonseca

DA CONDIÇÃO PAISANA - 1

Dos dicionários se extrai que paisano é aquele que se desloca desgarradamente  pelo país em contraste com o militar que se desloca organizadamente.

* * *

É durante a guerra que mais salta à vista a condição paisana por contraste com a condição militar sendo que estes morrem por dever e os outros morrem sem querer.  Melhor dizendo, ao militar cumpre servir a Pátria (a sua comunidade nacional, ou seja, a sua Nação, o seu Estado) com risco da própria vida, ao paisano não é suposto que morra e, pelo contrário, é suposto que sobreviva à guerra. Felizmente, há muitos militares que sobrevivem à guerra e infelizmente há paisanos que morrem pois, desgarradamente, estavam no local errado à hora errada. O militar morre como herói; o paisano morre como vítima.

* * *

Na guerra ora em curso na Ucrânia, há dois elementos principais a tomar em consideração: o invasor russo composto por militares e por mercenários; a Nação Ucraniana em armas composta por todos, militares, paisanoshos homens e mulheres, velhos e novos. O invasor está mais ou menos motivado; o invadido está a defender a vida da própria família. A invasão foi feita com muito equipamento bélico; o invadido começou por só ter cajados e pedras mas a partir de certa altura passou a usar a vodka que trocava pelo combustível dos carros de combate russos que assim se imobilizavam com os depósitos vazios e com as tripulações embriagadas, adormecidas e à mercê dos tais cajados e pedras.

E assim começou o flagelo em curso a que a Nação Russa está a ser submetida pela demência do tirano.

CONCLUSÃO: a motivação paisana pode ser mais poderosa que a tecnologia militar (sobretudo quando acompanhada pela vodka).

(continua)

Maio de 2023

Henrique Salles da Fonseca

DAS MINHAS MÁXIMAS

As pessoas que sabem muitas «coisas» são como as enciclopédias mas a pessoa culta é a que procura o significado das «coisas»; o historiador conta a História mas o culto interpreta-a para lhe encontrar o significado; a interpretação histórica é a génese da Cultura.

DAS MINHAS MÁXIMAS

A música serve para esvaziar cabeças cheias e para encher cabeças vazias – pobres, os que não apreciam música pois ficam sem o descanso necessário às cabeças cheias e sem a conveniente motivação para as cabeças vazias.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2016
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2015
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2014
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2013
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2012
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2011
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2010
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2009
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2008
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2007
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D
  235. 2006
  236. J
  237. F
  238. M
  239. A
  240. M
  241. J
  242. J
  243. A
  244. S
  245. O
  246. N
  247. D
  248. 2005
  249. J
  250. F
  251. M
  252. A
  253. M
  254. J
  255. J
  256. A
  257. S
  258. O
  259. N
  260. D
  261. 2004
  262. J
  263. F
  264. M
  265. A
  266. M
  267. J
  268. J
  269. A
  270. S
  271. O
  272. N
  273. D