Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A bem da Nação

PASSEANDO PELA ÁGORA

Hoje, a pergunta é:

- O que andamos por cá a fazer?

Sem perda de tempo, a minha resposta é:

- A essência da função humana é a edificação de uma sociedade harmónica e benigna pela via da compaixão individual e pela solidariedade global.

Propositadamente, afastei a Teologia para que agnósticos e ateus não arranjassem o pretexto de que o conceito não se lhes aplicaria.

Propositadamente, utilizei a Ágora como símbolo do local em que as pessoas se encontram para conversarem e deliberarem deste modo abarcando todas as Civilizações ao longo dos séculos.

Propositadamente, coloco a pessoa como construtora da sociedade e não como serva desta.

Propositadamente, refiro a compaixão e a solidariedade como conceitos lexicais despojados de qualquer sentido religioso ou político.

Propositadamente, aponto por omissão a anormalidade humana como o egoísmo e a conflitualidade.

Propositadamente, fui lacónico porque escrevo para quem sabe do tema mais do que eu não carecendo de explicações e, pelo contrário, dando-as nos comentários já recebidos aos textos anteriores e nos segiontes que desejo receber.

Voto final: - Vivamos, deixemos viver e continuemos…

Lisboa, 25 de Maio de 2022

Henrique Salles da Fonseca

EMPIRISMO

O conhecimento empírico é aquele que se obtém pela mera observação. Despojado de qualquer intenção, é inocente.

E aqui vou eu pelo empirismo além munido de toda a inocência para constatar que há 77 anos tanto a Torre de Belém como o Cais das Colunas, a praia do Ginjal e, de um modo geral, todas zonas ribeirinhas deste final do Tejo se encontram com as águas sensivelmente ao mesmo nível

 médio entre as marés.

E se aparecer algum sábio a afirmar que nos últimos y anos o nível das águas subiu ou desceu meio centímetro, eu acho que esse medidor terá que ser aferido e o cientista que vá pentear macacos sãos, sem varíola.

Aqui, na minha «aldeia» - que é a mesma do Fernando Pessoa – o conhecimento empírico diz-nos que a elevação do nível médio dos mares é tanga e que o rei de Vanuatu apenas grita porque quer ir viver para Londres ou… se eu vivesse num arquipélago de atóis afundantes pelo peso dos corais e de materiais importados, também quereria emigrar mas não argumentaria com a elevação dos mares quando se sabe que são essas ilhas curiosas e paradisíacas que estão a afundar.

Mas o negócio das emissões de gases poluentes e de efeito estufa, sim, exige que se instale o pânico.

Também sabemos que não é o Adriático que sobe mas sim Veneza que se afunda.

Lisboa, 21 de Maio de 2022

Henrique Salles da Fonseca

PONTOS DE VISTA

«O bem-estar das pessoas e o número de baixas humanas nesta guerra são a última preocupação dos políticis russos.»

«As sucessivas e antagónicas interpretações da Hpstória pelos políticos russos levaram à construção da piada que diz que “a História russa é… imprevisível”.»

José Milhazes em entrevista ao «OBSERVADOR» algures em Março de 2022 (as transcrições podem não estar “ipsis verbis”).

* * *

Entendamos por Estado o conjunto formado pelas estruturas políticas de um país, pela respectiva Administração Pública (incluindo o Poder Judicial bem como Empresas e Serviços Autónomos) e pelas Forças Armadas.

No Mundo Livre, o Estado serve os interesses das pessoas; nos países eufemisticamente chamados socialistas, as pessoas servem os interesses do Estado.

No Mundo Livre, a pessoa é o elemento central da sociedade e destinatária dos conceitos de bem- comum periodicamente submetidos a referendo universal; nos países “socialistas” (comunistas) e dessa tradição (Rússia e China), o Estado é a figura central da vida nacional e é chefiado por um autocrata que se faz rodear das maiores cautelas no que respeite à sua segurança pessoal – esta, sim, é a única pessoa que interessa, todas as outras são instrumentos.

No Mundo Livre, a vida humana é o Valor supremo; nas autocracias “socialistas” ou de sua origem, a vida humana é descart´<vel.

* * *

Na Rúsia destes meados de 2022, Putin é a única pessoa, tudo o mais é instrumentália e ele pode mexer na História a seu bel-prazer.

Pontos de vista?

Não! Prevalência ou ausência de Valores.

Dá para perguntar o que anda a Igreja Ortodoxa Russa a fazer. Temo que ande a «bater a bola baixinho» e o Metropolita de Moscovo a ver se escapa ileso. Valores? Sim, mas…

Lisboa, 21 de Maio de 2022

Henrique Salles da Fonseca

HOSPITAIS PORTUGUESES NA ROTA DA ÍNDIA


  1. Tavira – 1430 (já existia neste ano mas não se sabe quando foi inaugurado; actualmente, pertence à Santa Casa da Misericórdia de Tavira)

  2. Safim (Marrocos) – 1486

  3. Tânger – 1516

  4. Arzila – 1516

  5. Santa Cruz do Cabo de Gué (Agadir, na actualidade) – 1505

  6. Ilha de Santiago (Cabo Verde) – 1497

  7. Jorge da Mina (actual Gana) – 1498

  8. São Tomé – 1504

  9. Bahia – 1510 (cerca de)

  10. Sofala (Moçambique) – 1505

  11. Ilha de Moçambique – 1507

  12. Quilôa (actual Tanzânia) – 1505

  13. Melinde (Zanzibar) – 1511

  14. Cochim (Índia – actual Estado de Kerala) – 1505

  15. Cananor (Índia – actual Estado de Kerala) – 1506

  16. Goa (Índia – actual Estado de Goa) – 1512

  17. Baçaim (Índia – actual Estado de Maharastra) – 1512

PURIDADE E FANTASIA

Tempos houve por cá em que ao actual «Primeiro Ministro» se lhe chamava o «Escrivã0 da Puridade» assim demonstrando a preocupação régia de que ficasse sempre registada a verdade dos negócios do Estado.

Contudo, esta preocupação não tem sido universal. Assim, desde que os pressupostos e conclusões económicas, sociais e históricas de Marx foram ruindo, subiu para níveis de grande pujança a capacidade russa de convivência com a falácia.

Acresce longo rol de intervenções militares russas contra os povos circundantes e isso apenas nestes últimos três séculos. Nítida vocação imperialista czaro-soviético-putínica.

E a questão que se pode colocar é a de saber como se justifica uma política de «Busca de Perímetro de Segurança» quando são eles, russos, os atacantes históricos e como se explica a política de busca de  «Espaço Vital» por parte daquele que já é o maior país do mundo. Daqui resulta como admissível que para o poder político no eixo S.Petersburgo-Moscovo, a Rússia que conta é a europeia e que para lá dos Urais tudo é apenas paisagem, «quarto de arrumos», naturalidade de cidadãos menores, enfim, colónias. Talvez fosse justo promover um processo de descolonização. Talvez a China estivesse interessada em «meter a colher nessa sopa».

Não quero obviamente imaginar que a política europeia da Rússia se paute pela mania da perseguição pois isso é patologia do foro psiquiátrico mas, na verdade, as aulas práticas ministradas nas catacumbas da «Escola da Lubyanka» produzem por certo efeitos nos campos eléctricos das sinapses dos alunos e não apenas no «material pedagógico sobrevivente». Putin foi aluno desta «Escola» alcançando o posto de Tenente Coronel.

Eis como o mundo está hoje dependente dos impulsos eléctricos de um «sinapsoítico». Para o que hav+uamos de estar reservados…

Pergunta: - Até quando?

Outra pergunta: - E se o Parlamento turco votar contra a adesão da Finlândia e da Suécia à NATO?

Pergunta final, por hoje: - Onde está a puridade de tudo isto?

Lisboa, 14 de Maio de 2022

Henrique Salles da Fonseca

DA ÉTICA DA GUERRA

Por definição, a Moral é a questão dos princípios enquanto a Ética é a questão dos factos.

Assim, a propósito da guerra em curso na Ucrânia, o tema de agora é o da sua fundamentação moral  e da ética dos seus procedimentos.

O resumo dos textos anteriores e respectivos comentários aponta no sentido de que os fundamentos morais (históricos) que a Rússia pudesse invocar antes da invasão da Ucrânia, ruíram fragorosamente perante os procedimentos adoptados no ataque. E eis como, ao contrário da sequência lógica, aqui temos as consequências a condicionar as causas. Até nesta perspectiva, esta guerra é absurda.

Portanto, relegada a moralidade para entretenimento dos historiadores, resta a ética como preocupação dos juízes, nós.

Os banhos de sangue que vimos testemunhando quase em directo diferem radicalmente de todos os outros – praticamente iguais – de que soubemos à distância de séculos ou de uma longa fila de intérpretes precisamente devido ao distanciamento ou da nossa proximidade.  E é esta proximidade que, quase em causa própria, nos leva a «afinar» os critérios éticos da guerra.

Por estas razões e muitas outras que me escapam, creio que será oportuno pedir à ONU que elabore um (novo?) «Código da Ética da Guerra».

E, para não avançar por matérias que não domino, fico-me por aqui com a esperança de que surjam ideias complementares ou alternativas às vulgaridades e redu  ndâncias que eu pudesse aduzir tais como:

  1. Num cenário global de paz, consideram-se fixadas as fronteiras políticas internacionalmente reconhecidas no primeiro dia do século XXI, 1 de Janeiro de 2000;
  2. A destabilização do cenário anterior penalizará o país agressor;
  3. A vitimização de populações civis constitui crime;
  4. (…)

Tudo isto se - e só se - o autocrata (eufemismo de ditador) russo não decidir comemorar esta data carregando no botão vermelho.

Alia jacta est.

Lisboa, 9 de Maio de 2022

Henrique Salles da Fonseca

DOS BICHOS E DOS HOMENS

Desta vez, refiro-me a um quase-continente cheio de caipiras e de jagunços.

Desse país era oriundo o motorista que há dias nos conduziu em breve percurso em Lisboa e que afirmo que, «por lá, o ensino privado não chega nem à sombra do ensino público em Portugal». Fiquei contente por saber que aquele imigrante se sente bem por cá e fiquei triste por ter a confirmação de que ainda não foi desta vez que aquele quase-continente conseguiu democratizar a educação de qualidade. E digo «educação» pois à Escola actual não competia apenas a «instrução». Porquê? Por duas razões que me parecem fundamentais: 1. A destruição (mais ou menos intencional) da família; 2. O imediatismo consumista, exibicionista e hedonista que tomou conta dos objectivos dos actuais cidadãos do mundo.

E é este ser -  que vagueia pelas selvas urbanas e que as televisões exibem doentiamente que só aceita direitos rejeitando as obrigações - que vem pondo filhos no mundo. Estes, pois, os que têm que ser educados e não apenas instruídos. Por muito que nos cuate, temos que admitir que a missão é a de transformar «bichos» mais ou menos bárbaros em cidadãos responsáveis. Por isto, os Ministérios passaram a ser da Educação e não mais da Instrução. Eis por que ao pessoal docente e não docente se tem de pedir que sejam domadores de feras e, em paralelo, que sejam exemplos de civismo, de ética e de moral. Oxalá que sobre tempo para ministrar os programas curriculares.

Assim respondo à pergunta de Schiller por que é que ainda somos uns bárbaros.

Sem pretensões de esgotar o tema, avanço com mais um mote para reflexão: - Bárbaro é todo aquele que ignora o Decálogo.

Continuemos…

Henrique Salles da Fonseca

SUGESTÃO

Sugiro aos Leitores deste blog que leiam também os comentários aos textos-base pois, como poderão observar, constituem peças eruditas e de grande sabedoria fundamentais na perspectiva holística das matérias abordadas e na sua síntese conclusiva.

Boas leituras e melhores conclusões.

Continuemos...

Henrique Salles da Fonseca

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2013
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2012
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2011
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2010
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2009
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2008
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2007
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2006
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2005
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D
  235. 2004
  236. J
  237. F
  238. M
  239. A
  240. M
  241. J
  242. J
  243. A
  244. S
  245. O
  246. N
  247. D