Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A bem da Nação

JÚLIO POMAR

Júlio Pomar, Vincennes II, 1965.jpg

Vincennes II, 1965

 

Júlio Artur da Silva Pomar foi um artista plástico/pintor português. Pertenceu à 3ª geração de pintores modernistas portugueses, sendo autor de uma obra multifacetada, centrada na pintura, desenho, cerâmica e gravura, com importantes desenvolvimentos nos domínios da tridimensão ou da escrita.

Nascimento: 10 de Janeiro de 1926, Lisboa

Falecimento: 22 de Maio de 2018, Lisboa

Períodos: Expressionismo abstrato, Neoexpressionismo, Realismo Social

Nacionalidade: Português

Formação: Universidade do Porto

Cônjuge: Alice Jorge (1924-2008)

Filhos: Alexandre Pomar, Vítor Pomar, Pedro Pomar

Wikipédia

MANTA DE RETALHOS

Assembleia da República.jpg

Depois de enxertado com cerca de mil emendas, será o Orçamento para 2019 do nosso Estado uma manta de retalhos ou é apenas o «bombo da festa»?

 

Onde estará a «unidade de doutrina orçamental»?

 

Quem se entenderá numa leitura de congruência mínima?

 

Creio que todas estas questões – que deveriam ser as maiores – não passam de minudências e bexiguices típicas de coca-bichinhos.

 

- Como assim?

 

- Assim mesmo!

 

É que a política de esquerda oficialmente em curso pela teoria geringôncica esbarra frontalmente com a necessidade imperiosa de anular o défice público e obter superavits que permitam a redução sustentada do stock da dívida pública, antes que por aí venha alguma seca nos mercados de capitais e os juros comecem mesmo a subir em virtude dessa mais que provável escassez de liquidez. E antes que isso aconteça – porque acontecerá infalivelmente mais ano menos ano – há que reconquistar a independência financeira nacional por muito choro e ranger de dentes que banqueiros e outros globalizadores chorem e ranjam.

 

Então, há que quadrar o círculo. Como? Muito facilmente, com as «centenárias» cativações, essas que endireitam todos os orçamentos por mais esquerdinos que eles nasçam.

 

Aqui está a tal manta de retalhos transformada no bombo da festa que se endireita à custa da tal martelada a que eufemisticamente se chama «cativação de verbas».

 

- E essa martelada dá alguma coerência ao Orçamento resultante?

 

- É óbvio que não.

 

Mas isso é que é, afinal, uma completa minudência perante o fim maior que é a independência nacional perante os glutões da finança internacional.

 

Dá-me assim vontade de rir quando o Governo geringôncico se diz de esquerda e eu, que pugno pela libertação nacional do jugo bancário, me digo – e sou - da democracia cristã.

 

Eu sou democrata cristão sem qualquer sombra de dúvidas; o Governo geringôncico é que não é mais do que uma mentira política folcloricamente esquerdina mas, afinal, perito na prática da austeridade radical.

 

Mas são de esquerda.

 

- AHAHAH!!!

 

28 de Novembro de 2018

Navegando no Pacífico-ABR17.jpg

Henrique Salles da Fonseca

PELO CHIADO

 

Eu descia o Chiado lentamente

Parando junto às montras dos livreiros

Quando passaste irónica e insolente,

Mal pousando no chão os pés ligeiros.

 

O céu nublado ameaçava chuva,

Saía gente fina de uma igreja;

Destacavam no traje de viúva

Teus cabelos de um louro de cerveja.

Loira de luto.jpg

E a mim, um desgraçado a quem seduzem

Comparações estranhas, sem razão,

Lembrou-me este contraste o que produzem

Os galões sobre os panos de um caixão.

(…)

Cesário Verde.jpg

Cesário Verde

Para ler na íntegra, ver p. ex. em http://www.citador.pt/poemas/a/cesario-verde

CITAÇÃO LITERÁRIA

Confessionário.jpg

O CONFESSIONÁRIO

(…) uma daquelas barraquinhas de madeira, espécie de caixotes do lixo das almas, onde os crentes despejam os seus pecados.

Guy de Maupassant.pngGuy de Maupassant

in «Bel-Ami», Abril Controljornal, Edipress, Agosto de 2000, pág. 226 e seg.

HISTÓRIA DE PORTUGAL

mapa mais antigo.jpg

Portugal não foi formado através da união de reinos ou unidades políticas estabilizadas e preexistentes, mas da conquista de territórios a partir de um núcleo político de raiz (…) foi sempre um único reino e não uma monarquia compósita.

 

(…) no princípio do século XX, a população do Estado Português deverá ter sido das mais homogéneas de qualquer Estado europeu no sentido em que não havia identidades concorrentes – étnicas, religiosas, regionais – que pusessem em causa a comum identidade nacional (…)

 

In «HISTÓRIA DE PORTUGAL», de Rui Ramos, Bernardo Vasconcelos e Sousa e Nuno Gonçalves Monteiro, edição de «A Esfera Dos Livros», 8ª edição – Abril de 2015 - pág. XIII

 

 

TEOLOGIA, DA MINHA - 17

Platão e o bem.jpg

 

Tenho como dogma a obrigação de praticarmos o bem.

 

Parafraseando o Cardeal D. Manuel Clemente, Patriarca de Lisboa, no seu livro “1810-1910-2010 DATAS E DESAFIOS” na pág. 121, «as coisas não são boas ou más porque Deus as mande ou as proíba; antes as manda porque são boas e as proíbe porque são más».

 

Mas eu não preciso de ordem divina para praticar o bem; tenho a sua prática como algo que é do meu próprio interesse. Nesta linha de raciocínio platónico, quase diria que é por egoísmo que pratico o bem cuja melhor definição me parece ser «a  qualidade de excelência ética atribuída a acções que estejam relacionadas com sentimentos de aprovação e dever».

 

Novembro de 2018

Fonte dos leões-Heráklion.JPG

Henrique Salles da Fonseca

(Nikósia, ABR18)

POBRE LÍNGUA PORTUGUESA

Ortografia.png

O acordo ortográfico de 1990 contribui para abolir as suas ligações etimológicas e, portanto, as variantes cultas das palavras. A língua portuguesa transforma-se assim num idioma de boçalidade.

 

O português padrão está a transformar-se num estranho dialecto com regras incompreensíveis que se afastam da etimologia e das restantes línguas latinas. Com a agravante de nem sequer haver qualquer uniformização com os outros países de língua portuguesa que ou não aplicam o dito Acordo ou do mesmo resulta que sigam regras diferentes, graças à pronúncia que utilizam.

 

Um bom exemplo disto resulta da tradução do livro da escritora argentina María Gainza, que em espanhol se chama “El nervio óptico”, mas que em acordês se transforma em “O Nervo Ótico”. O problema é que sempre se utilizou na língua portuguesa a expressão “ótico” como relativa ao ouvido, reservando-se o termo “óptico” para a visão. Tal é o significado dos respectivos antecedentes gregos “otikos” e “optikos”. O acordo ortográfico de 1990 aboliu esta distinção essencial mas apenas no português padrão, o de Portugal, continuando a distinção a existir no português do Brasil. Puro absurdo.

 

E o mesmo sucede com outras palavras como “recepção” e “concepção”, que se conservam sem alterações na ortografia brasileira, mas que na portuguesa passam a “receção” e “conceção”, facilmente confundíveis com “recessão” e “concessão”. Qual a necessidade de abolir a grafia anterior se o que se consegue é criar uma ortografia que ainda mais se diferencia da dos outros países lusófonos?

 

Isto já para não falar da multiplicação dos erros de escrita que o acordo ortográfico de 1990 causou, com a absurda directriz de querer abolir as consoantes mudas, estando muita gente a abolir consoantes que continuam a pronunciar-se. É assim que já se viu aparecer erros como “fato”, “ineto”, “corruto”, que demonstram bem a falta de critério na abolição das consoantes pretensamente mudas.

 

Mais: a expressão culta “ruptura”, mais próxima do latim, foi transformada em “rutura”, esquecendo-se que já existia a variante popular “rotura”; fala-se em “ótico” para a visão, mas esquece-se que a medição da mesma continua a ser a “optometria”; e os egípcios, pelos vistos, passaram agora a viver no “Egito”, esquecendo-se que a palavra Egipto tem origem no deus Ptah que, que se saiba, ainda não passou a Tah.

 

Lastimável e, por tudo isto, denunciável.

 

Novembro de 2018

Henrique Salles da Fonseca.png

Henrique Salles da Fonseca

 

(Adaptação de texto de Autor anónimo)

 

 

POETA ESQUECIDO

Rui de Noronha.pngRUI DE NORONHA

(1909–1943), o precursor da moderna poesia moçambicana, conhecido pelos seus sonetos

 

SURGE ET AMBULA (Levanta-te e anda)

 

Dormes! e o mundo marcha, ó pátria do mistério.

Dormes! E o mundo avança, o tempo vai seguindo…

O progresso caminha ao alto de um hemisfério

E no outro tu dormes o sono teu infindo…

 

A selva faz de ti sinistro eremitério,

onde sozinha, à noite, a fera anda rugindo.

A terra e a escuridão têm aqui o seu império

E tu, ao tempo alheia, ó África, dormindo…

 

Desperta. Já no alto adejam negros corvos

Ansiosos de cair e de beber aos sorvos

Teu sangue ainda quente, em carne de sonâmbula…

 

Desperta. O teu dormir já foi mais que terreno…

Ouve a voz do Progresso, este outro Nazareno

Que a mão te estende e diz – “África, surge et ambula”.

 

(Ruy de NORONHA, Sonetos, s/d [1943], In FERREIRA, Manuel - «No Reino de Caliban III», Lisboa, Plátano Editora,1984, p. 37)

 

 

Pág. 1/4

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2005
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2004
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D