Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A bem da Nação

ECCE POPULISMUS – 2

MOVIMENTOS LAICOS

 

Eva Perón.png

 «Cry Argentina»

 

Do nosso conhecimento empírico, dá para saber que, na actualidade, o líder populista emergente se opõe à democracia representativa com o intuito de a derrubar e a substituir.

 

O populismo estabelece uma relação directa entre as massas populares e uma liderança sem a mediação de instituições representativas como, por exemplo, os Partidos políticos tradicionais. Esse movimento faz-se mesmo contra as instituições que tradicionalmente representam as diversas correntes de opinião, os Partidos propriamente ditos, ou as que agrupam segmentos da população, os chamados «grupos de interesses». O populismo opõe-se à «sociedade civil» que representa as classes médias, opta pelo «povo anónimo» que incita contra o establishment.

 

Nos finais do séc. XIX ficaram célebres dois grandes movimentos populistas que foram, respectivamente, embrião da revolução russa (a chamada «via hard») e o do desenvolvimento agrário americano (a chamada «via soft»):

 

  • O populismo russo (o Narodismo) visava transferir o poder político para as comunas camponesas por meio de uma reforma agrária radical;
  • O populismo americano (o dos pequenos proprietários agrícolas do Far West) propunha o incentivo à pequena agricultura através da expansão da base monetária e do crédito.

 

Portanto, tudo laico e muito terreno, nada a ver com a espiritualidade de Cristo que por razões bem diversas também optou pelo povo contra o establishment. Poderá haver semelhanças na forma mas é óbvio que os respectivos conteúdos são tão diferentes que seria blasfémia equipará-los.

 

Mais: o populismo actual assume conteúdos que mais poderemos qualificar como «anticristo».

 

Porquê? Já lá vamos…

 

(continua)

 

Outubro de 2018

071.JPG

 Henrique Salles da Fonseca

ESCRITORES QUASE ESQUECIDOS

 

 

Poeta na corte de Carlos IX de França, Pierre de Ronsard nasceu em 11 de Setembro de 1524 no castelo de La Possonnière, condado de Vendôme.

Notabilizou-se como poeta da Renascença francesa sendo reconhecido como o principal representante de La Pléiade, grupo de poetas cujos principais modelos foram os líricos greco-romanos e italianos, de grande importância na renovação da literatura francesa.

Faleceu em grande depressão no dia 27 de Dezembro de 1585 (61 anos) em La Riche, França.

Da sua vasta obra, respigo um pequeno trecho:

 

La Parque t’a tuée et cendres tu reposes.

Pour obsèques, reçois mes larmes et mes pleurs,

Ce vase plein de lait, ce panier plein de fleurs,

Afin que, vif et mort, ton corps ne soit que roses.

 

 

Pierre de Ronsard.png

 PIERRE DE RONSARD

 

Outubro de 2018

A bordo Dawn Princess-3.JPG

 Henrique Salles da Fonseca

BIBLIOGRAFIA:

  • Wikipédia
  • «Anthologie de la poésie française», Annie Colognat-Barès, LE LIBRE DE POCHE – Libretti, Julho de 2015
  • «Le Second Livre des Amours de Marie»

 

 

 

CITAÇÃO LITERÁRIA

DIABETES

 

Tirou um frasquinho do bolso da camisa e pôs em cima da secretária uma pastilha branca do tamanho de um feijão.

O Coronel aproximou-se da secretária, examinou-a na palma da mão até que D. Sabas o convidou a saboreá-la.

- É para adoçar o café – explicou. – É açúcar, mas sem açúcar.

- Evidentemente – disse o Coronel, com a saliva impregnada de uma doçura triste. – É o mesmo que repicar mas sem sinos.

 

Gabriel Garcia Márquez.jpgGabriel García Márquez

In «Ninguém Escreve ao Coronel», Abril Controljornal, Edipress, Junho de 2000, pág. 54 e seg.

O INCÓMODO DO PENSAMENTO

 

 

Pensar incomoda como andar à chuva

Quando o vento cresce e parece que chove mais.

(…)

Ser poeta não é uma ambição minha,

É a minha maneira de estar sozinho.

Alberto Caeiro (Almada Negreiros).pngAlberto Caeiro

 In “O Guardador de Rebanhos”

 

O poeta que me perdoe mas prefiro o incómodo à acefalia.

 

Quanto à poesia, creio que há muito quem se limite aos jogos de palavras e sons pelo que raramente ela faz sentido no papel; prefiro-a na vida.

 

Outubro de 2018

 

098.JPG

 Henrique Salles da Fonseca

(algures na Indonésia, SET18)

ESCRITORES ESQUECIDOS

 

Boileau.jpg

 NICOLAS BOILEAU

 

Nicolas Boileau-Despréaux (Paris, 1636 — Paris, 1711) jurista, crítico e poeta francês. Publicou o seu primeiro volume de sátiras em 1666. Foi apresentado na corte em 1669 após a publicação de seu Discurso sobre a sátira.

 

Desde cedo aprendeu a não ter qualquer ilusão e cresceu com "o desprezo pelos livros estúpidos". Foi educado no Colégio de Beauvais e continuou os seus estudos de Teologia na Sorbonne. Mudou de curso, para Direito. Seguiu-se breve carreira como advogado. O pai morreu em 1657 deixando-lhe uma pequena fortuna, de forma que se pôde dedicar às letras.

 

PAROLES DU POÈTE À SON JARDINIER, ANTOINE

Antoine, de nous deux, tu crois donc, je le vois,

Que le plus occupé dans ce jardin, c’est toi.

Oh! Que tu changerais d’avis et de langage,

Si, deux jours seulement, libre du jardinage,

Tout à coup devenu poète et bel esprit,

Tu t’allais engager à polir un écrit

Qui dît, sans s’avilir, les plus petites choses,

Fît des plus secs chardons des oeillets et des roses…

 

* * *

 

Sim, eu também não duvido de que os trabalhos braçal e intelectual produzem cansaços bem diferentes.

 

 SET18.JPG

Henrique Salles da Fonseca

 

 

BIBLIOGRAFIA

  • Wikipédia
  • «Anthologie de la poésie française», Annie Collognat-Barès, LE LIVRE DE POCHE, Libretti, 1ª edição, Setembro de 1998

 

 

 

OS TÁVORAS

Atentado a D. José.jpg

 

Uma história de sexo, sangue e luta pelo Poder que horrorizou Portugal e o mundo

 

Foi em 3 de Setembro de 1758, por volta das onze da noite, que…

 

… quando o Rei voltava ao paço da Ajuda vindo de um encontro amoroso clandestino, surgiram três cavaleiros no lugar onde está hoje a Igreja da Memória. Soaram tiros. D. José foi atingido no braço e na anca direita mas salvou-se. E encarregou o ministro Sebastião José de Carvalho e Melo de descobrir e castigar de forma exemplar quem tentara matá-lo.

 

Todos na Côrte sabiam que o Rei, então com 44 anos, era amante de Teresa de Távora e Lorena, 35 anos, mulher do 4° Marquês de Távora, Luís Bernardo, da mesma idade e de quem também era tia.

 

Os casamentos entre familiares próximos eram comuns na nobreza, bastando para isso obter dispensa papal.

 

Teresa era conhecida como a "Marquesa nova" para se distinguir da sogra, D. Leonor, então com 58 anos, a "Marquesa velha".

 

O patriarca dos Távoras era o 3º Marquês, D. Francisco de Assis, 55 anos, ex-Vice-rei da Índia. Quando soube da relação adúltera do soberano com a sua irmã e nora, ficou magoado. Mas seria isso suficiente para tramar um regicídio?

 

Aos motivos dos Távoras juntavam-se os do Duque de Aveiro, D. José de Mascarenhas, 50 anos, também ligado à família pelo casamento com outra irmã de D. Francisco de Assis.

 

O Duque odiava o Rei e o ministro Sebastião José por o terem prejudicado numa questão de heranças e por impedirem o casamento de um filho seu com a filha do Duque de Cadaval.

 

A investigação do atentado manteve-se secreta até que, numa madrugada de Dezembro, houve dezenas de prisões.

 

O interrogatório dos réus, submetidos a tortura (como era costume na época), esteve na base da sentença, dada a 12 de Janeiro de 1759. Os acusados foram condenados por "crime de lesa-majestade, alta traição, rebelião e parricídio". Parricídio? Sim, porque o Rei era considerado «o pai da Nação».

 

No dia seguinte, foram executados onde hoje está um pelourinho, a dois passos da casa dos pastéis de Belém. O massacre, encenado ao pormenor por Pombal, prolongou-se por todo o dia. A sentença foi impressa em folhetos ilustrados com os tormentos para que todos vissem e ficassem gelados de horror.

 

Suplício dos Távoras.png

 

Subiu primeiro ao cadafalso a Marquesa D. Leonor. Mostraram-lhe os instrumentos do suplicio e descreveram-lhe pormenorizadamente o martírio que em breve iriam sofrer o marido, os filhos e o genro. Depois foi decapitada.

 

Um por um, seguiram-se: o Távora mais jovem, José Maria, de 22 anos; o Marquês novo, Luís Bernardo; o Conde de Atouguia, Jerónimo de Ataíde, cunhado dos anteriores; os plebeus Manuel Álvares, João Miguel e Brás Romeiro. Os três carrascos partiram-lhes os braços e as pernas, torturaram-nos na roda e estrangularam-nos.

 

O Marquês velho mal conseguiu arrastar-se até ao patíbulo, tal o efeito das torturas a que fora sujeito. Também ele teve os braços e as pernas partidos à mocada antes de ser passado pela roda e estrangulado. O mesmo destino foi reservado ao Duque de Aveiro.

 

O último supliciado foi o criado António Álvares Ferreira, queimado vivo por ter sido ele a disparar os tiros que atingiram o Rei. O único condenado que conseguiu fugir, José Policarpo de Azevedo, foi queimado em estátua. Os corpos de todos foram queimados e as cinzas lançadas ao Tejo. No local das execuções foi espalhado sal para que nada ali voltasse a crescer. O local ainda hoje se chama «Beco do chão salgado». O nome Távora foi banido.

 

Beco do chão salgado.jpg

 

Outros membros da família foram presos no forte da Junqueira e as mulheres fechadas em conventos, incluindo a amante do Rei, Teresa, encerrada nas trinitárias do Rato. Depois de subir ao trono, D. Maria I mandou reabrir o processo. Os juízes concluíram que os Távoras estavam inocentes mas a culpa do Duque de Aveiro foi mantida.

 

Autor anónimo.png

 

(adaptação de texto recebido por e-mail)

ORIGEM DA PALAVRA SALOIO

 

 

Designa-se como saloio o habitante natural das zonas rurais do início do século XX em volta de Lisboa, a região saloia. A dita região compreende vários Concelhos, sendo os seus limites discutíveis. Há quem a defina como a correspondente aos concelhos da Amadora, Arruda dos Vinhos, Cascais, Loures, Mafra, Odivelas, Oeiras e Sintra.

 

ORIGEM DA PALAVRA SALOIO

Quando D. Afonso Henriques conquistou Lisboa aos mouros, para não despovoar a terra, deixou-os ficar na posse dos seus bens, impondo-lhes, contudo, certos tributos. Benefício e tolerância que a politica e a humanidade aconselhavam, estendeu-se aos lugares circunvizinhos da cidade. Esta foi logo aumentando em população cristã, que em si absorveu a mourisca pelo decurso dos tempos, o que não era tão fácil no campo. Dizem que a estes mouros dos arredores davam antigamente o nome de Çaloyos ou Saloios, tirado do titulo da reza que repetem cinco vezes no dia, chamada çala. Ficou o nome, ainda depois de povoados esses lugares apenas por cristãos; e talvez da mesma origem proviesse um antigo tributo que se pagava do pão cosido em Lisboa e seu termo e que era conhecido pela denominação de çalayo.

 

Saloias - Silva Porto.png

 Saloias, por Silva Porto (1850-1893)

 

Adaptado de O Panorama - Jornal Litterário e Instructivo da Sociedade Propagadora dos Conhecimentos Úteis, 21 de Abril de 1838

 

ECCE POPULISMUS - 1

Segundo o texto bíblico, quando Jesus foi acusado pelos sacerdotes judeus perante Pôncio Pilatos, governador da Judeia, depois de o interrogar, não encontrou motivos para a condenação. Mas como o povo presente no julgamento vociferava contra o prisioneiro exigindo a crucificação, Pilatos mandou flagelá-lo e depois exibi-lo ensanguentado acreditando que a multidão se comoveria. Este, o episódio que ficou conhecido como Ecce homo, ou seja, Eis o homem.

 

Cigoli- Ecce homo.jpg

 

 

Mas o povo não se comoveu.

 

Pressionado, Pilatos tentou um último recurso: mandou trazer um condenado à morte, tido como ladrão e assassino, chamado Barrabás e, valendo-se de uma suposta tradição judaica, concedeu ao povo o direito de escolher qual dos dois acusados deveria ser solto e qual deveria ser crucificado.

 

O povo indultou Barrabás.

 

Eis o populismo em todo o seu esplendor erróneo.

 

Para fundamentação da Democracia, convenhamos que o exemplo deixa muito a desejar mas admito que no erro então cometido na opção popular, os sacerdotes do Templo tenham tido influencia decisiva pois, claramente, temiam que «O Rei dos judeus» lhes tirasse audiência.

 

O mesmo se passa na actualidade com os «opinion makers» a distorcerem tudo, a manipularem todos.

 

E a pergunta fica: - Como seria a nossa vida se não tivéssemos tantos «xicos espertos» no meio de nós?

 

Outubro de 2018

Sinagoga portuguesa-Amsterdam, JAN18.JPG

 Henrique Salles da Fonseca

(na Sinagoga de Amesterdão, JAN18)

 

 

Pág. 1/4

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Contador


contador de visitas para site

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2005
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2004
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D