Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A bem da Nação

TRUMP ABANA O SISTEMA POLÍTICO DE UMA SOCIEDADE EM TRANSFORMAÇÃO

 

04-12-trump-clinton-missouri.jpg

 

DONALD TRUMP SIMBOLIZA A HÍPER- REACÇÃO DE UM SISTEMA EM RETIRADA

 

Numa população em franca transformação demográfica e cada vez mais multifacetada, a tonalidade branca dominante cada vez marcará menos a sua presença.

 

Nos USA, muito provavelmente assumirá o poder, pela primeira vez, uma mulher. Segundo sondagens americanas 90% dos “Afro-Americanos” e 75% dos hispânicos (67 milhões) tencionam votar em Clinton. A vitória poderá depender também da maior ou menor afluência destes às urnas.

 

Obama ganhou as eleições devido à abstenção de 47 milhões de brancos nas últimas eleições. Se Donald Trump conseguisse movimentar parte destes para as urnas então a vitória de Clinton estaria mais em perigo. Na realidade a última declaração do FBI, de que Clinton não terá cometido crime com os e-mails, virá ajudá-la. Numa sondagem o „Washington Post” prevê 48% dos votos para Clinton e 43 para Trump.

 

Assistimos a um sofrimento passageiro onde o fenómeno Trump simboliza a híper-reacção de um sistema cultural, e de uma classe política, homogéneo, agora em retirada, numa sociedade em transformação. Trump abanou o sistema mas não irá além do sofrimento de uma classe política que se recusa a aceitar a mudança que se tem verificado nos USA étnica e ideologicamente. A taxa de natalidade dos imigrantes e dos hispânicos cada vez influenciará mais a política americana.

 

Os USA dão a impressão de estarem um pouco adoentados mas é uma sociedade viva com imensas potencialidades. Não haverá nada a recear; os americanos têm, apesar de tudo, mostrado responsabilidade em relação ao mundo.

 

Na Alemanha, nem Clinton nem Trump teriam oportunidade de serem eleitos.

 

Trump também não teria hipótese de vencer na UE. Mas a maneira como Bruxelas configura a política fomenta o processo de concretização do fenómeno Trump. Nos USA como na UE um globalismo extremo fomenta o nacionalismo como contraponto.

 

 

ELEIÇÕES NOS ESTADOS UNIDOS – PONTO DE VISTA

 

A nova forma do discurso político

 

Na Alemanha dá-se muita importância ao que se passa politicamente nos USA. A posição de Trump com o apoio do Brexit, uma mudança de política mais complacente com a Rússia, bem como a anunciada política de restrição aos imigrantes e maior controlo dos muçulmanos assusta uma Europa que segue uma política da cultura das portas abertas.

 

A Europa social-democrata receia que com Trump, se intensifique na opinião pública europeia o processo de fortalecimento dos conservadores e dos países membros da UE que advogam uma política restritiva em relação aos refugiados recebam ventos favoráveis.

 

Clinton é vista como a garante do sistema democrático e Trump com a sua intenção de diminuir os impostos favorece uma economia capitalista liberal pura e deste modo a USA distanciar-se-ia mais da UE porque tal política implicaria o favorecimento das empresas, distorções de concorrência e mais dessolidarização com os desprotegidos do sistema. Há muitos medos porque está muito em jogo, no aspecto económico, social e estratégico.

 

A política externa, independentemente de quem assuma o poder como presidente, continuará a servir orientada sobretudo pelos interesses estratégicos americanos. A política interna continuará a ser mitigada. Quer Clinton quer Trump são patriotas.

 

Em política tornam-se difíceis previsões. Muitos viam em Obama o salvador do mundo e na realidade, sob a sua administração, a paz no mundo ainda piorou.

 

O menor empenho dos USA na Europa, como quer Trump, significaria maiores sobrecargas económicas da EU em benefício da NATO. Na qualidade de potência europeia a Alemanha teria de apressar o seu papel de braço forte de uma Europa mais militarizada.

 

Já na regência de Obama, a Alemanha e com ela a UE começaram a impulsionar o orçamento militar para irem assumindo mais “responsabilidade” nos conflitos mundiais através da NATO e assim aliviar os USA no assumir de novas tarefas para que os USA se ocupem mais da Ásia. Daqui é que soprarão os ventos e ventanias que determinarão o futuro e não da Europa. A Europa independentemente do inquilino da Casa Branca assumirá mais responsabilidade militar na NATO e no mundo.

 

Tacitamente, sem que a opinião pública note, os governos já aumentam os orçamentos militares. Para se preparar o povo para a militarização da Europa, já se fala da necessidade de introduzir o serviço militar obrigatório.

 

A campanha eleitoral americana revela a introdução de uma nova forma do discurso político (saber secreto e Internet) como se vê na intervenção do FBI na campanha eleitoral. O discurso americano revela a era Facebook, de expressão mais popular. As intervenções do FBI, do WikiLeaks (Assange) e o novo estilo da retórica de Trump obrigam a estratégias mais populares das controvérsias que questionam fundamentalmente os poderes estabelecidos e a sua correspondente estratégia do politicamente correcto que tem levado os fazedores da opinião pública a trazer uma tesoura na cabeça que sanciona já na origem a produção do texto gerando no público uma consequente censura automática que leva as pessoas, por decência do oportuno, a não poderem dizer o que pensam (isto cria raiva na barriga!…). Até agora só os chicos espertos da política se afirmavam, agora parece que qualquer chico esperto pode ter chance de ser ouvido e de intervir na sociedade.

 

Na opinião pública foi muito criticada a maneira privada sexista de Trump em relação a mulheres mas não foi discutida com a mesma intensidade a gravidade de Clinton como pessoa pública no seu ‘emailgate’.

 

Em política uma coisa é a conversa e outra é a prática!

 

O republicanismo americano é estável podendo permitir-se mesmo derrapagens graves como as do seu candidato.

 

ACDJ-Prof. Justo-3.jpg

António da Cunha Duarte Justo

ALFABETIZAÇÃO FALHADA!

 

Moçambique – 1973-74

 

Aí por 1973, em Lourenço Marques. Apareceu no banco onde eu trabalhava, o BCCI, um professor, cujo nome há muito esqueci, infelizmente, que há anos andava a estudar um método de alfabetização das massas populares, sem que estas tivessem necessidade de frequentar escolas. O ensino seria feito através da rádio!

 

Pela explicação que o professor deu, o método parecia extremamente bem arquitectado, o assunto mereceu o maior interesse do banco e começámos a discuti-lo com mais profundidade, para ver da possibilidade de pôr o plano em funcionamento.

 

Não me lembro que técnica o professor usaria, mas alguma coisa estaria baseada no que o missionário americano Franck C. Laubach (1884 – 1970), um missionário protestante conhecido nos EUA e nas Filipinas como "O apóstolo dos analfabetos", ensaiara com grande sucesso e o educador brasileiro Paulo Freire havia experimentado com muito êxito no Brasil, de onde, após a instalação da ditadura militar teve que sair para se exilar no exterior, por considerarem que o método era politicamente revolucionário. Também era, como é qualquer método que leve as populações a terem acesso à informação, ao conhecimento, à cultura, e saibam assim exigir aquilo a que têm direito.

 

FGA-Laubach.jpg

 Franck C. Laubach

 

Aprovado o projecto, que se deveria circunscrever inicialmente à capital e sua cintura populacional, para que se pudesse acompanhar a evolução do ensino e, eventualmente introduzir as necessárias alterações ou correcções, partimos para a sua execução.

 

Ficou bem assente que se os textos envolvessem tendências políticas, logo a PIDE, além de proibir a sua utilização, ainda nos trancafiava a todos atrás das grades. Tipo Inquisição perfeita e sofisticada, que lá mais nos antigamentes chegou até a querer destruir Luís de Camões, que esteve em risco de ser proibido de editar “Os Lusíadas”!

 

O sistema, ou método, compunha-se basicamente de três pontos:

- Impressão de um livro/caderno, e sua distribuição gratuita entre a população interessada;

- Programa de rádio, diário, que explicaria aos alunos como associar o que viam escrito nos cadernos a letras do alfabeto;

- Exames periódicos, sem a necessidade da presença do interessado, através de uma ou mais folhas destacáveis do caderno a serem entregues em locais pré-estabelecidos, as quais depois de analisadas informariam o aluno do seu aproveitamento.

 

Pelos cálculos do professor, cada turma não demoraria mais do que três meses a aprender a ler e começar a escrever. Era um método surpreendente! Num instante a grande maioria da população poderia estar, no mínimo, a ler!

 

Previa-se, para a primeira rodada a distribuição de uma ou duas dezenas de milhares de cadernos, calculando-se que de início o aproveitamento final seria de trinta a quarenta por cento.

 

As rádios contactadas puseram os seus microfones à disposição do programa, sem qualquer custo, o que não era nenhuma gentileza porque se previa que a grande maioria da população, pobre e/ou analfabeta, com uma imensa fome de aprender, ia sintonizar, de manhã bem cedo, os seus rádios na emissora escolhida!

 

Orçamentos de impressão e divulgação do programa, prontos. Os interessados só teriam que ir a uma das agências do nosso banco solicitar a entrega de um caderno, oferecido, como é óbvio, e deixar o seu nome inscrito para controle dos resultados. Podiam até dar nome falso que ninguém iria conferir.

 

O professor revisava os textos a serem entregues na gráfica, para não cair ingenuamente, ou quem sabe, deliberadamente, nas garras dos pides, e nós, no banco, entusiasmados com o resultado social que esperávamos alcançar.

 

Chegou a revolução dos cravos, e como se está mesmo a ver ficou tudo encravado! Suspendeu-se o programa até se poder ver um pouco do que estava à frente para vir. Não demorou que o governo, português, anunciasse que ia entrar um novo governo de transição, até à entrega definitiva do país após a sua independência.

 

Logo que assentou um pouco a poeira dos novos sovietizados governantes provisórios/transitórios, pedimos uma audiência ao provisório ministro da educação. Jovem, alto, quase não falava português, formado numa universidade de non whites em Durban, na África do Sul, compreensivelmente racista, encarando os brancos, todos, como inimigos, recebeu-me com uma frieza polar. A seu lado uma directora de serviços, moçambicana, formada na Universidade de Coimbra, cultura com que podíamos dialogar, jovem, bonita (já tinha marcado a sua bela presença na cidade!) e simpática. Mas o ministro não era ela.

 

Expus, detalhadamente o programa que tínhamos levado quase um ano a montar, e que estava pronto a ser posto em funcionamento.

 

Como era evidente o novo governo deveria rever os textos e dar-lhe o sentido que entendesse. O professor estava pronto a fazer as necessárias alterações. Tudo quanto faltava era mandar imprimir os cadernos, o que o banco continuava disposto a fazer a seu cargo, distribui-los e começar.

 

O ministro, ouviu, ouviu, sua cara imóvel como uma máscara maconde.

- Porque é que o banco, sendo uma empresa capitalista, quer alfabetizar as populações?

 

Já faltava mesmo uma perguntinha de caráter vermelhusco!

- O senhor sabe que em qualquer parte do mundo todas as empresas visam um lucro. Mesmo no bloco soviético. Se não tiverem lucro quem arca com as despesas é o povo! No mundo ocidental é o mesmo. A única coisa que há a fazer é controlar as margens para que não sejam abusivas. Além disso o banco ao pensar neste projecto, olhou para o futuro, e como tudo quanto um banco tem para oferecer, qualquer outro banco também tem, aos mesmos custos, imaginámos que este investimento nos poderia trazer um dia, bem mais tarde, a simpatia da população e assim termos mais facilidade em cativar clientes.

- Mas porque é que o banco, sendo uma empresa capitalista quer alfabetizar as populações?

 

A mesma pergunta! Ou estava a gozar comigo ou algo novo estava a aparecer-lhe pela frente, coisa que ele nem imaginava que pudesse existir.

 

Respondi dentro da mesma tónica e rebuscava no fundo das minhas capacidades, argumentos que o convencessem que, da parte do banco, não havia jogo escondido, político, de branco contra negro, ou anti independência, sei lá! Sei que suei para tentar arrancar daquela cara fechada a sete chaves algo que pudesse permitir uma troca de ideias mais normal.

 

A mocinha, lindona, de vez em quando, sem que o chefe visse, ia assentindo, naturalmente, com a cabeça, parecendo concordar que o programa só poderia trazer vantagens até para o novo governo, dentro da medida em que a revisão dos textos levasse a introduzir frases de nova mentalização, o que era fácil. Tudo isto expus ao ministro. Ao fim de uma hora de muita luta verbal aquela máscara moveu um pequeno músculo! Aleluia! Começava a sair detrás de todo aquele gelo e a ser só gente.

 

Nessa altura descontraí um pouco a conversa e, glória minha, desculpem a imodéstia, consegui fazer sorrir aquele homem, inteligente, mas certamente também traumatizado, o que permitiu que a troca de ideias fluísse mais naturalmente.

 

Saí de lá com a certeza de que o diálogo estava estabelecido. A primeira hora tinha sido unicamente um extenuante monólogo. À despedida disse-me que tinha pela frente uma tarefa imensa e dificílima, o que eu sabia ser verdade, ia pensar nisso e na próxima semana voltaríamos a falar.

- A doutora... lhe telefonará.

 

Aguardei, e lá veio um dia o telefonema marcando outra reunião. O ministro já não trouxe a máscara. Vinha com cara de gente. Infelizmente tantas eram as suas preocupações, e tão pouca a gente disponível para montar toda uma nova estrutura educacional, num país novo, não podiam comprometer-se em lançar esse programa durante os primeiros tempos.

- Talvez mais tarde.

 

Não houve, nunca mais, esse mais tarde. Tive muita pena que não tivessem aceite. Estava tudo feito, pronto, e teria sido uma tremenda ajuda ao novo país, totalmente desinteressada. O trabalho deve ter-se perdido, mas quem mais perdeu foram aqueles que não se alfabetizaram.

 

Escrito em 2001. Revisto em 5-nov-16

 

Francisco Gomes de Amorim, 2016

Francisco Gomes de Amorim

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D