Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A bem da Nação

A NAÇÃO E O SEU CONTRÁRIO

 

 

Cosmopolitismo

 

A passagem do «eu» ao «nós» é sobretudo uma experiência mental em que a consciência de si próprio se transforma no reconhecimento de pertença a qualquer coisa superior, maior.

 

De Montaigne a Kant, o cosmopolitismo significa um «ponto de vista» que tomamos sobre nós próprios e que suaviza a nossa fidelidade nacional.

Pierre Guénancia.jpgPierre Guenancia

In  Revue Esprit, Junho de 2008

 

O cosmopolitismo despreza as fronteiras geográficas considerando que a humanidade segue as leis do Universo em que os homens formam uma única Nação, não vendo diferenças entre as mesmas, avaliando o mundo como uma Pátria.

 

Na actualidade o termo é bastante associado a uma ideologia que vê com desprezo a História e os acontecimentos do passado, valorizando apenas o mundo moderno, tanto na área da urbanização — como as metrópoles, as megacidades, as megalópoles, etc. — além de outros factores, a maioria incluindo a moderna alta tecnologia.

 

Dos dicionários se extrai que cosmopolitismo é a atitude ou doutrina que prega a indiferença ante a cultura, os interesses e soberanias nacionais, com a alegação de que a pátria de todos os homens é o Universo.

Nação

Nação, do latim natio e natus (nascido), é a reunião de pessoas, geralmente do mesmo grupo étnico, falando a mesma língua e tendo os mesmos costumes, formando deste modo um povo, trazendo consigo as mesmas características étnicas e mantendo-se unidos pelos hábitos, tradições, religião, língua e consciência nacional.

 

Mas, a rigor, os elementos território, língua, religião, costumes e tradição, por si sós, não constituem o carácter da nação. São requisitos secundários, que se integram na sua formação. O elemento dominante, que se mostra condição subjectiva para a evidência de uma nação assenta no vínculo que une estes indivíduos, determinando entre eles a convicção de um querer viver colectivo. É, assim, a consciência da sua nacionalidade, em virtude da qual se sentem constituindo um organismo ou um agrupamento, distinto de qualquer outro, com vida própria, interesses especiais e necessidades peculiares.

 

Nesta razão, o sentido de nação não se anula caso seja esta fraccionada entre vários Estados, ou porque várias nações se unam para a formação de um Estado. O Estado é uma forma política, adoptada por um povo com vontade política, que constitui uma nação, ou por vários povos de nacionalidades distintas, para que se submetam a um poder público soberano, emanado da sua própria vontade, que lhes vem dar unidade política. A nação preexiste sem qualquer espécie de organização legal. E mesmo que, habitualmente, seja utilizada em sinonímia de Estado, em realidade significa a substância humana que o forma, actuando aquele em seu nome e no seu próprio interesse, isto é, pelo seu bem-estar, pela sua honra, pela sua independência e pela sua prosperidade.

 

Conclusão

 

Como se vê, somos cosmopolitas porque temos como nossa uma civilização (processo facilitado pela poliglotia) mas não abdicamos de promover o bem-comum da nossa própria Nação como a essência das nossas especificidades e, nesse sentido, somos nacionalistas.

 

Tetrapylon - Afrodisias.JPG

Henrique Salles da Fonseca

(em Afrodisias, Turquia, Nov14)

 

BIBLIOGRAFIA: Wikipédia

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D