Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A bem da Nação

JORNADA MUNDIAL DA JUVENTUDE 2016 NA POLÓNIA

 

Papa Francisco em Cracóvia.png

 

Francisco pede à juventude para interferir

 

na vida

 

A Jornada Mundial da Juventude 2016, de 26 a 31 de julho na Polónia, terminou com uma missa campal onde participaram 2 milhões de pessoas. Os habitantes de Cracóvia hospedaram em suas casas e em escolas, durante seis dias, mais de meio milhão de jovens peregrinos vindos de mais de 180 países.

 

As cinco mensagens do Papa em Cracóvia

 

Mensagem da mobilização: Os jovens aclamavam o papa como se fosse uma estrela pop. O Pontífice convidou-os a deixarem o “sofá da felicidade”. “A verdade é outra: queridos jovens, não viemos a este mundo para vegetar, para passá-la comodamente, para fazer da vida um sofá no qual adormecemos. Ao contrário, viemos para deixar uma marca”.

 

Mensagem da solidariedade com os refugiados: O Pontífice apelou aos Estados para “a prontidão para receber aqueles que fogem à guerra e à fome” e cujos direitos fundamentais foram roubados e como tal precisam da nossa solidariedade. O governo de Cracóvia não terá gostado muito destas palavras do Papa, dado, até agora, com medo a importar terrorismo, só estar disposto a receber perseguidos cristãos.

 

Mensagem do silêncio: A sua atitude de silêncio na visita ao campo de concentração de Auschwitz-Birkenau tornou o mundo atónito. As imagens do seu andar através dos areais da morte calam fundo; nele o silêncio do sofrimento peregrinava com ele como que num eco de tanta violência e injustica ainda hoje continuada. Em Auschwitz o silêncio grita! No fim do seu deambular, Francisco I escreveu no livro de visitas: “Senhor, perdoai-nos tanta crueldade”.

 

Mensagem da rebelião:Queridos jovens, não viemos ao mundo para entrar em vegetação, para nos tornar confortáveis, para fazer da vida um sofá que nos embala”.” Interferi, levantai a vossa voz, não sejais enfadonhos, nenhuns Couch-Potatoes”. “Eleitos são todos aqueles que estão dispostos a partilhar a sua vida com os outros”.

 

Mensagem de Paz:Não queremos vencer o ódio com mais ódio, vencer a violência com mais violência, vencer o terror com mais terror. A nossa resposta a este mundo em guerra tem um nome: chama-se fraternidade, chama-se irmandade, chama-se comunhão, chama-se família.” Deus sonha na nossa vida, em nós e connosco”. “Provavelmente, o sofá-felicidade é a paralisia silenciosa que mais nos pode arruinar; porque pouco a pouco, sem nos darmos conta, encontramo-nos adormecidos, encontramo-nos pasmados e entontecidos enquanto outros – talvez os mais vivos, mas não os melhores – decidem o futuro por nós.”

 

Um desafio à juventude: construir uma

 

“nova humanidade”

 

Numa linguagem adaptada aos jovens disse: “Confiem na memória de Deus: a sua memória não é um disco rígido que grava e arquiva todos os nossos dados, mas um coração cheio de compaixão, um que encontra alegria em apagar em nós cada traço de maldade”. “Façam download de um bom coração”. O pessimismo é “um vírus que infeta e bloqueia tudo”. O roteiro é o evangelho um verdadeiro “browser para as estradas da vida.”

 

Esta é a guerra! Não tenhamos medo de dizer esta verdade: o mundo está em guerra, porque perdeu a paz”.  “Uma só palavra gostaria de dizer para esclarecer. Quando falo de ‘guerra’, falo de guerra seriamente, não de ‘guerra de religiões’. Existe guerra de interesses, existe guerra pelo dinheiro, existe guerra pelos recursos da natureza, existe guerra pelo domínio”.

 

As pessoas podem apelidar-vos de sonhadores, porque acreditais numa nova humanidade, uma que rejeita o ódio entre povos, uma que recusa olhar para as fronteiras como barreiras e preserva as suas tradições sem ser egocêntrico ou tacanho.”

 

Enquanto uns trabalham na construção de muros os melhores trabalham na construção de pontes. A próxima Jornada Mundial da Juventude realizar-se-á no Panamá em 2019.

 

António Justo.jpg

António da Cunha Duarte Justo

 

VOLTANDO A MOÇAMBIQUE

 

A aventura dos Optimist

1973

 

Por enquanto, história mais antiga de Moçambique, fica... de férias. Os últimos oito textos foram rebuscados em revistas moçambicanas, ali publicadas entre os anos 30 e 60, mas parece que só interessaram a quem conhece aquele país.

 

Escrevi ainda, e está neste blog, sobre uma visita a Maputo em 1991, sobre a estadia na Casa do Gaiato em 2001, alguma coisa sobre a confusa época anterior à independência, mas nada sobre o tempo tranquilo da estadia naquele país, de 1971 a 74.

 

Está na altura de relembrar alguns episódios ali vividos.

 

1973, sem lembrar já em qual o mês.

 

O BCCI – Banco de Crédito Comercial e Industrial (filho do defunto português Borges & Irmão que foi um grande banco e mal administrado no seu final) procurava, através de ações de Relações Públicas, cada vez mais expandir a sua influência nos meios financeiros locais, apesar de ser “obrigado” a fazer nos jornais uns anúncios institucionais que não tinham outro objetivo além de adoçar as boquinhas, sempre famintas, de uns quantos jornalistas, mas sem efeito prático algum.

 

Surgiu uma ideia.

 

Aquela linda baía de Lourenço Marques, a Delagoa Bay, tinha poucos barcos à vela, talvez não tivesse nenhum veleiro grande, e só o Club Marítimo era o lugar duns quantos apaixonados, talvez só com os pequenos “Vaurien”. Quarenta e três anos depois a memória não vai ao detalhe para saber quantos barcos havia e que tipo, mas vamos em frente.

 

Já não lembra como se soube que havia alguém habilitado em construir os ainda hoje famosos Optimist, o melhor barco já concebido para a iniciação à vela, e destinado a “atletas” até aos doze anos!

 

O banco gostou da ideia. Procurou o apoio do Fundo de Fomento Desportivo que abraçou o projeto. Mandou fazer uma dúzia daqueles barquinhos e anunciou pelos seus clientes que seriam vendidos em 6 ou 12 parcelas, sem juros.

 

Tudo combinado para o lançamento, com a presença do Secretário Provincial de Educação Física. Mesa de “honra”: o Diretor do Club Marítimo, o mencionado Secretário e o Administrador do banco.

 

E assim se fez a festa. Doze ou catorze atletas, dos nove aos doze anos, os pais, a maioria sem saber nada de vela, a ajudarem os jovens a aparelhar o “navio” e lá vai a grande regata, de que saiu vencer, um garoto, lourinho, promessa de marinheiro, já com doze anos que as meninas concorrentes achavam que era (era!) lindo: o Carlos Prista. A nossa Joana tinha nove anos e, sempre a rir, porque nunca tinha “governado” um barco, ficou brilhantemente em última. Mas adorou!

 

A seguir alguns pais, mais destemidos quiseram experimentar os veleiros.

 

Ficou na memória a figura de um deles, grande, pesado, que uma vez dentro do barco este ficou com o casco todo dentro de água! O “navegador” sorria mas só se via um meio corpo, um mastro e uma vela que mal se mexiam no mar. Fez enorme sucesso.

 

As fotos abaixo, recuperadas ao fim de todos estes anos de imagens do filme de 35 mmm que um jornalista filmou para ser passado nos cinemas, como um notável acontecimento desportiva para a então Lourenço Marques, têm uma qualidade muito fraca, mas quem as vir pode ser que se recorde de alguma coisa ou de alguém.

 

FGA-Optimist cartaz.jpg

 

FGA-optimist em seco.jpg

 

FGA-optimist em seco 2.jpg

 

FGA-MEDALHA.jpg

 

FGA-senhoras.jpg

 De cima para baixo: o cartaz de propaganda, o preparo dos barcos, “quase” prontos para a regata, o vencedor e algumas mães “nervosas” com a aventura.

 

Foi uma festa bonita, sobretudo para os “grandes atletas” que nela participaram. Há 43 anos!

 

Mas ainda há muito para contar sobre Moçambique. Atravessa agora uma fase difícil. Também o Brasil, toda a América Latina, Portugal, Espanha, Grécia e tantos outros.

 

Agosto de 2016

 

Francisco G. Amorim-IRA.bmp

Francisco Gomes de Amorim

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D