Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A bem da Nação

BREXIT

 

brexit.jpg

 

O PROCESSO DE DIVÓRCIO DA GRÃ-BRETANHA COM

 

A UNIÃO EUROPEIA DURARÁ PELO MENOS 2 ANOS

 

Cameron semeou Democracia e agora o Mundo

 

colhe os seus Frutos!

 

 

Castigue-se o desertor”, gritam os europeístas! “Parabéns ao desertor” gritam os nacionalistas!

 

A União Europeia e a Grã-Bretanha recebem agora a factura da arrogância da sua classe política. Cameron semeou democracia e agora ela ondula pela Europa à maneira das searas em dias de ventania. Os adeptos do politicamente correcto procuram, com a sua música acompanhante, desviar a bola para canto difamando a voz do povo como sendo desafinação de populistas.

 

Bruxelas avisou Londres para apresentar já a declaração de saída e assim não “tomar todo o continente como refém”, e assim não prejudicar ainda mais a UE e não contagiar outros membros que já flirtam com a ideia da saída. A negociação do acordo encontra-se sujeita a vários entraves pelo facto do Brexit ter de ser ratificado pelas Câmaras britânicas. O requerimento de aplicação do artigo 50 da UE que dará início ao processo de saída, se não acontecer algum improviso até lá, será certamente iniciado em Novembro-Dezembro, a não ser que os interesses dos conservadores europeus sejam vencidos pelos interesses da esquerda.

 

Cameron, para defender os interesses do Partido Conservador e os interesses económicos da Grã-Bretanha pretende só abandonar o Governo em Outubro. Pretende assim que o processo de divórcio só seja solicitado depois de haver novo Chefe de Governo. O processo de divórcio durará 2 anos como prevê o artigo 50, a não ser que algum país não esteja de acordo e então o prazo seria prolongado, como opinam os especialistas. Ângela Merkel já deu sinal de compreender a intenção de Cameron em querer adiar o início do processo de divórcio; políticos de outros partidos alemães não acham oportuna a posição de Merkel. Os britânicos, encontrem-se em que posição se encontrarem, conseguirão sempre condições especiais para o seu país, tal como faziam já na UE e ao longo da história com Portugal. É um povo fino e pragmático!

 

O Busílis da questão

 

A França e outras forças reformistas não poderão deixar adiar muito o processo; doutro modo a resistência popular interna e contra a UE aumentará. É o que se diz pela Europa fora: o desertor tem de ser castigado para se estatuir um exemplo para outros países que seriam tentados a imitá-lo.

 

A Alemanha estará interessada na realização de um acordo de comércio livre entre a UE a GB antes do divórcio se realizar definitivamente. Com o Brexit, as economias de muitos países ressentir-se-ão e as consequências serão incalculáveis. As Finanças internacionais e os operadores mundiais começam a duvidar da Europa como lugar estável de investimento. A UE perde peso e a instabilidade, devido a um conglomerado de factores, acentuar-se-á. O movimento europeu de forças a operar em sentido contrário à filosofia da globalização reage agora no sentido do proteccionismo nacional contra um centralismo só orientado pelas leis de um mercado livre que não respeitava identidades nacionais, povo nem a sua cultura com os seus lugares sagrados  de refúgio.

 

A GB continuará a ser a Capital das finanças do mundo, tem bomba atómica, tem assento no Conselho de Segurança da ONU e tudo isto toca com muitos interesses comuns!

 

 

Estudos prevêem que o Pfund desvalorizará até 20%. A GB perde a vantagem competitiva que lhe advinha pelo facto de pertencer à UE. O centro financeiro Frankfurt ganha mais relevância.

 

Com a saída da Grã-Bretanha, a UE passará a investir mais no armamento para com o tempo criar um Exército Europeu. O Exército Alemão, na intenção de políticos, já pensa em abrir as suas portas a candidatos da UE.

 

O busílis da questão vem ainda do facto de 62% dos escoceses terem votado pela permanência da GB na UE. Deste modo, o referendo de 1914 sobre a independência da Escócia em que 55% tinham determinado a permanência na Grã-Bretanha, passa a ser maculatura, legitimando um novo referendo sobre a independência da Escócia, como pretende o seu Governo. Para alguns, isto poderia motivar as instituições britânicas a não ratificarem o referendo. Nesse caso, seria pior a emenda que o soneto. A Áustria já avisou que quer uma UE reformista e sem a Turquia. A França, a Chéquia, os Países Baixos, têm fortes movimentos cívicos que ameaçam com a saída da UE. Em Portugal também surgem vozes da esquerda radical nesse sentido mas isso não passa de conversa fiada, própria para entreter as emoções da sociedade portuguesa.

 

A UE, mesmo com a saída da Grã-Bretanha, continua a ser o bloco económico mais forte do mundo. Numa era de concorrência entre civilizações e grandes economias o vento delas não sopra em favor dos biótipos culturais nem das Nações. Geralmente, segue-se a regra de primeiramente encher o estômago e só depois a moral.

 

Há ainda um outro problema que a UE terá de levar a reboque por mais tempo! São os milhares de empregados britânicos nas instituições da UE. Bruxelas já disse: “Eles são funcionários da UE. Eles trabalham para a Europa”. Quem terá de pagar depois as suas deliciosas pensões terá de ser ainda negociado.

 

ACDJ-Prof. Justo-3.jpg

António da Cunha Duarte Justo

OS UAQUE-UAQUES

 

Povos da Proto-História


Os Uaque-Uaques aparecem pela primeira vez na Idade Média citados por autores árabes, seus contemporâneos, como al-Masudi (Abul Hasan Ali Ibn Husain Ibn Ali Al-Masudi, 888-957), al-Edrisi (Abu Abdullah Muhammad al-Idrisi, 1110-1165), e outros, referindo-se já a povos que habitavam nas terras que hoje são o Norte de Moçambique, antes dos bantos ali chegarem.

 

Os Uaque-Uaques ou Pré-Bantos, correspondem na atualidade aos Koisan, que habitam na Namíbia e Sul de Angola, nos grupos de Bosquímanos e Hotentotes.

 

As primeiras indicações destes povos aparecem já em Homero, 1.000 a.C., e Hecateu de Mileto, 546-480 a.C., como habitando o Alto Egito, a quem chamavam pigmeus e diziam que habitavam em cavernas e tinham combates com os grous!

 

FGA-Das grosse Libyen.jpg

Planisfério de Heucateu de Mileto, séc. V a.C. – restituição de A. Forbiguer 1842

Notar, no sul: Pygmaen e Skiapodes (o mito dos homens só com uma perna e um olho no peito)

 

Nos princípios da era cristã começa a migração dos povos Bantos para o Sul, que já dominavam a tecnologia do ferro, foram exterminando os mais fracos e, em muitos casos cruzando com eles porque só poupariam as mulheres jovens, mas os portugueses nas primeiras viagens à costa oriental ainda os encontraram.

 

Este etnónimo, Uaque-Uaque, é onomatopeico em referência aos “cliques” ou estalidos com a língua, o seu modo de falarem, em muitos casos ainda hoje, e era usado pelos bantos que achavam estes “grunhidos” semelhantes aos dos babuínos.

 

Al-Idrisi: “Estes horríveis aborígenes, cujo modo de falar lembra assobios, habitavam a região à volta de Sofala.”

 

Al-Masudi, no século X, ao tratar dos Mocarangas, de uma forma confusa fala de um povo seu vizinho com “ausência de atos de inteligência”.

 

Frei João dos Santos (1570-1625) no livro Etiópia Oriental (1609) escreve sobre os Mocarangas: “Manamotapa e todos os seus vassalos são Mocarangas, nome que têm por habitar as terras do Mocaranga e falarem a linguagem chamada Mocaranga, a qual é a melhor e mais polida de todas as línguas de cafres que tenho visto n’esta Ethiopia, porque tem mais brandura, melhor modo de falar; e assim como os Mouros de África e de Arábia falam de papo que parece que vomitam e arrancam as palavras da garganta, assim pelo contrário estes Mocarangas falam e pronunciam as palavras com a ponta da língua e beiços, de tal maneira que muitos vocábulos dizem quase assobiando, no que tem muita graça, como eu vi algumas vezes falar os cafres da corte de Quiteve e do Manamotapa, onde se fala o mocaranga mais polidamente. O seu modo de falar é por metáforas e comparações mui próprias e trazidas a propósito e interesse, em que todo o seu intento se resolve.”

 

Desde o século XVI que os portugueses contactaram estes povos, sempre fazendo a distinção entre os de cor parda e pequena estatura e os bantos, a que chamavam cafres, de cor negra e corpo grande e forte.

 

Cafre, como é sabido foi o nome dado pelos muçulmanos a todos os infiéis, kafir, que viviam nas regiões onde o Islão não chegou.

 

António Fernandes, 1514-15, que os encontrou nas suas viagens pelo interior, a caminho do famosos Monomopata: “O Rei de Mombara está a sete dias de jornada deste Monomotapa... estes homens são mal proporcionados, não são muito negros e têm rabos como de carneiro. Estes dos rabos de carneiro adoravam as vacas. Se algum deles morre, comem-no e enterram uma vaca. E quanto mais um negro for preto mais dinheiro dão por ele, para o comerem, e dizem que a carne dos brancos é mais salgada que a dos pretos. ... gente que não é muito negra porém tem cabelo como os da Guiné, e os dos rabos que adoravam vacas e comem humanos são mais baços que estes.”

 

“Rabos de carneiro” é o que hoje se chama a esteatopigia, que não é exclusiva de alguns povos africanos, como se pode demonstrar:

FGA-Das Bundes Republik.jpg

 

António Fernandes nas suas viagens encontrou Bosquímanos ou Hotentotes, como o seu gado, e ainda com os seus costumes, incluindo a antropofagia.

 

Apesar de tudo, esta gente, avessa à civilização, deixou-nos demonstrações artísticas de grande valor como são as pinturas rupestres, muitas das quais em Moçambique: Monte Chinhampere, ao Sul de Vila Pery, Vumba (Manica e Sofala), Nalelepia, Chifumbuzi (a norte de Cahora Bassa) e outras, que ninguém sabe quando foram feitas.

FGA-pintura rupestre 1.jpg

 

FGA-pintura rupestre 2.jpg

Pinturas rupestres do Monte Chinhampere

 

Há muitas evidências dos Uaque-Uaques. Primeiro, o primitivo nome do Rio dos Bons Sinais a quem os nativos chamavam Quá-Quá; depois, o nome do maior grupo do norte de Moçambique os Macuas, sabendo que o prefixo Ma indica o plural, temos Ma-cuá; os Mucuancala e Mucuazama, no sul de Angola e, mais evidente ainda, o grupo Macuácua, povo do Sul do Save, em Moçambique, as regiões de Gaza e Chibuto e outras mais.

 

Até eu guardo com muito cuidado um quadro que me liga a este povo e do qual já escrevi em 9 de Dezembro de 2010: É de um pintor L. Makwakwa. (o L. parece que seria Lourinho, de acordo com informações posteriormente recebidas do Hotel Universo, em Maputo, como se pode ver em

http://hoteluniverso.wordpress.com/2011/09/04/wall-by-makwakwa)

Este Makwakwa, grande artista, sempre andou metido em confusões, não tanto políticas, mas bebedeiras, brigas, e até drogas.

 

A pintura dele é rica, intensa, marcadamente moçambicana. Como não sou crítico de arte não posso afirmar que seja da escola do mestre Malangatana, mas a verdade é que parece ter sido este o percursor de um estilo que distingue, ao primeiro olhar, o artista moçambicano de qualquer um de outro país africano.

 

Fomos visitar a sua exposição e o quadro que mais agradou foi este, o maior, que dominava a sala. Estive algum tempo a apreciá-lo até que o artista me veio explicar o seu significado: a Ceia de Cristo, vista por olhos africanos. Uma reunião entre um Grande Chefe e os seus doze seguidores, onde sempre se bebe muito, e In Vino Veritas, é grande a alegria e animação de uns e prostração de outros.
 

FGA-batuque.jpg

 

Um dos presentes, depois de ter bebido por uma cabaça o vinho, ali configurado como fazendo parte do corpo do Grande Feiticeiro e, com um gesto de falsa amizade e ter colocado a mão no Seu ombro, acaba repudiando a cabaça que está a cair-lhe da mão! Os outros seguidores, tal como rezam os Evangelhos, são uns mais tranquilos, outros mais irrequietos, mas sente-se um misto de animação e até admiração, reações que o vinho dá a cada um.

 

Nota: Não há dúvida que, etimologicamente, eu também sou um “cafre”!
 

08/07/2016

FGA-2OUT15.jpg

 

 

 

Francisco Gomes de Amorim

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D