Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A bem da Nação

APELO DE UM GATO ARREPENDIDO

 

gato arrependido.png

 

DEZ MIL CÃES COMIDOS EM DOIS DIAS NUMA CIDADE DA CHINA

 


Na China, todos os anos se realiza o Festival da Carne de Cão. Na festa realizada na cidade de Yulin de 21 a 22.06, terão sido consumidos 10.000 cães, segundo informam os meios de comunicação chineses.

 

Na China é tradição comerem-se cães e gatos, entre nós é tradição comerem-se porcos e vacas.

 

Para amargura dos animais, cada tradição defende as suas desmoderadas predilecções!

 

Na minha consciência de gato humano, atrever-me-ia a fazer um apelo a todos os carnívoros: reduzam o consumo da carne a metade da ração semanal. Só assim poderemos contribuir contra o tratamento indigno de animais, diminuir o seu sofrimento e reduzir também a discriminação dos animais.

 

ACDJ-Prof. Justo-2.jpg

 António da Cunha Duarte Justo

 

PARA QUANDO UM MEXICANO NO PAQUISTÃO?

 

pancho-villa.jpg

 

 

Quem matou Benazir Bhutto e quem já depusera o Xá da Pérsia?

 

 

Julgo interessante meditar um pouco sobre o que se tem passado no Paquistão. Melhor: sobre o que se passa no mundo islâmico. Melhor ainda: sobre o que se passa no relacionamento dos sunitas wahabitas com os demais habitantes da Terra.

 

 

Foi por meados do nosso séc. XVIII que Ibn al Wahab disse a Ibn Saud, mais importante rei da região sul da Península Arábica, que se quisesse manter o poder temporal tinha que lhe reconhecer a ele, Wahab, o poder espiritual. Desde então e até aos dias de hoje, à família real saudita cumpre o proselitismo wahabita, ramo mais radical dos sunitas. Quando essa missão assenta numa montanha de petrodólares, facilmente se compreende a dinâmica de tal corrente religiosa. Sim, Ben Laden era saudita.

 

 

Como nota intercalar, refira-se que sunitas são os seguidores de Maomé e xiitas os de Ali, genro do Profeta. Os sunitas têm uma filosofia de conquista; os xiitas de sacrifício. Os sunitas fazem uma interpretação literal e estática do Corão; os xiitas interpretam o Corão numa perspectiva de significado não estritamente literal e desenvolvem essa interpretação ao longo dos tempos. Ou seja, os xiitas fazem a exegese dos seus textos sagrados; os sunitas condenam à morte quem faça a exegese do Corão.

 

 

Dá para imaginar a acção decorrente da interpretação literal do Versículo 5 da 9ª Surata do Corão que diz: (…) Quando os meses sagrados houverem transcorrido, matai os idólatras, onde quer que os acheis; capturai-os, acossai-os e espreitai-os (…)

 

 

É claro que para crente militante sunita wahabita tanto o cristão como o ateu ou o muçulmano xiita são infiéis idólatras que devem ser espreitados, acossados, perseguidos, capturados e mortos.

 

 

E o Paquistão é hoje o grande coito dos sunitas mais radicais, os talibãs.

 

 

Assim se compreendem as confusões permanentes por que passou o Paquistão durante a governação de Ali Bhutto, assassinado e pai da assassinada Benazir. E o que pretendiam eles? Muito simplesmente instaurar um regime democrático à moda ocidental ou, de preferência, ao estilo do vizinho indiano ou do longínquo México em que o seu Partido governasse perenemente com breves interregnos que a História rapidamente esqueceria.

 

 

Perfilam-se, pois, três actores no cenário paquistanês: o radical talibã comandado pelo clero sunita; o seu arqui-inimigo que lhe responde com os mesmos métodos e cuja figura de proa era Pervez Musharraf entretanto afastado da cena pelas «inteligências politicamente correctas»; uma linha dita democrática que não assume o laicismo e muito menos o agnosticismo (ou não tem coragem para assumir depois de ver dois dos seus líderes carismáticos assassinados).

 

 

Eis o império do vazio construido ao gosto de alguém.

 

 

Todos sabemos que “quando o mar bate na rocha quem se lixa é o mexilhão” e nunca vimos ninguém no seu perfeito juízo meter-se entre a cabeça do toiro e o peito do forcado. Por isso, parece não ter ainda soado a hora mexicana no Paquistão. Até porque ali se está a lidar com o corporativismo feudal clerical e não será um “falinhas mansas” qualquer que resolverá o assunto.

 

 

A menos que apareça por lá alguma reencarnação de Pancho Villa que se esteja nas tintas e supere as tais «inteligências» que tudo deitaram a baixo. E o pior é que o mexilhão é todo o resto do mundo, nós.

 

 

Henrique Salles da Fonseca, Delhi.JPG

Henrique Salles da Fonseca

(na grande mesquita de Delhi, Janeiro de 2008)

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D