Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A bem da Nação

ALEMANHA

VW PREMEIA CADA TRABALHADOR COM 3.950 €

 

Exemplo de um Capitalismo de Rosto humano

 

120.000 trabalhadores da Volkswagen na Alemanha, vão receber este ano um bónus de 3.950 € como recompensa da produtividade do seu trabalho.

 

Em 2015, a produção foi ainda mais rentável pelo que os trabalhadores receberam 5.900 euros de prémio.

 

A empresa Volkswagen não só paga bem como até faz comparticipar os seus trabalhadores nos lucros da empresa.

 

Deste modo não são só os accionistas os premiados pelo bom rendimento dos trabalhadores mas também os efectivos do trabalho que assim se sentem parte da empresa.

 

Este é um bom exemplo de um capitalismo que faz lembrar o capitalismo do mercado social nascido na Alemanha mas que o capitalismo anglo-saxónico tem destruído também na Alemanha. Toda a empresa deveria seguir o exemplo da VW: poderia reservar p. ex. 10% dos lucros para prémio e reconhecimento do trabalho dos empregados.

 

 

QUANTO SE GANHA NA ALEMANHA EM CADA EMPREGO/PROFISSÃO

 

A Repartição de trabalho da Alemanha tem uma Página de Internet onde se podem consultar os ordenados de cada profissão na Alemanha. Para se saber basta escrever a profissão que se quer e logo se pode verificar o ordenado mensal do respectivo grupo. Os dados encontram-se em alemão.

 

António Justo.jpg

António da Cunha Duarte Justo

ERA UMA VEZ... NA GUINÉ - 1991

 

 

Ainda mais duas viagens em trabalho, que apesar de em nada terem resultado, ficaram na memória. Aliás são três viagens porque a Angola fui duas vezes, com pouco tempo de intervalo e com a mesma finalidade.

 

Hoje vamos à Guiné-Bissau.

 

O avião aterrou por volta da meia-noite. À minha espera também um colaborador do Pão de Açúcar (de Portugal).

 

E começa a descarga das malas. À mão. Avança um carregador até ao avião. Parava. Conversava um pouco com os colegas. Pegava numa mala e levava-a até ao saguão do aeroporto. Largava a mala e descansava um pouco! E assim se foi sucedendo a descarga.

 

Às duas horas da noite ainda eu esperava a minha mala, quando o meu “cicerone” sugeriu que fosse para o hotel assim mesmo, que ele se encarregaria que alguém me levasse a dita, tão logo aparecesse.

 

Paciência. Nem pijama, nem nada de toalete – escovar os dentes, por exemplo – e deitei-me.

 

O hotel, se me lembro, seria um Holiday Inn, fora cidade, construção recente, mas muito incómodo para quem tinha que andar na cidade. (Será hoje o Hotel Lybia?) De noite lá apareceu a sobredita mala, que me foi entregue já eu tinha adormecido, mas pela localização preferi mudar para outro hotel. Construção antiga, tinha sido a sede dos oficiais do exército português e passou a chamar-se “Hotel 24 de Setembro”, data da declaração unilateral de independência do país, uma razoável quantidade de confortáveis pequenos apartamentos, que serviram aos oficiais e famílias, uma boa área central, tudo em pleno e bom funcionamento, e onde se encontravam todos os visitantes estrangeiros e, à tarde, os “importantes” da terra, incluindo o Presidente Nino Vieira, que gostava de aparecer com ar “democrático e popular” no seu carrão e boa escolta de jipes, para “paternalmente” acenar, sem sair do carro, aos “importantes, dar a volta e sair!

 

Bom serviço e boa comida.

 

FGA-GUINÉ BISSAU.jpg

Hotel 24 de Setembro

 

Nesse hotel, todos os dias aparecia um vendedor de artesanato, peças pequenas, madeira, prata, malaquita, etc., tudo muito bonito. O Mamadou. Um cara grande, gordo, simpático e que sempre fazia bom negócio com os visitantes. Muçulmano, não me largava, não só porque eu conversava muito com ele, como sobretudo porque eu não comprava nada!

 

- Mamadou, você é muçulmano, quantas mulheres tem?

- Quatro, que mais a lei aqui não permite. (Filhos já não lembro quantos disse que tinha)

- E como é a organização com tanta mulher para dormir?

- A primeira mulher é quem organiza tudo e além disso fica de olho nas outras para que não façam nenhuma estupidez. Cada uma tem sua casa onde vive com os filhos. Toda a semana mudo de mulher. Sai uma, que leva toda a roupa de cama e pessoal para lavar e entra outra com tudo lavadinho. E assim vai. Todas se dão bem.

- Caramba, Mamadou, você tem uma vida de sultão!

 

Ele ria e insistia para eu comprar qualquer coisa, mas eu nada!

 

Pelas ruas da cidade viam-se, completamente abandonados, grupos geradores que pareciam novos. À primeira avaria, ou por falta de peças, ali ficavam a enferrujar, equipamento caro, da Caterpillar!

 

Na entrada da área onde estavam os serviços de Agricultura, um tractor, completamente novo, com os dois pneus grandes vazios. Nunca trabalhou. Um descaso impressionante.

 

Pelas ruas vendiam-se livros surripiados aos antigos serviços, como o da agricultura. Comprei por mirreis, uns livros, já raros naquele tempo sobre o estudo completo dos solos do país e mais dois ou três, todos com o carimbo do tempo colonial! Tudo saqueado.

 

Saímos da cidade pouco para o “mato”, para o interior da floresta (tivemos que passar por dois controles militares, mostrar documentos, etc.), atravessar pelo menos um dos braços de mar em jangada, para chegarmos por fim à vista do que teria sido uma relativamente grande instalação industrial. Obra feita pelos “generosos” bancos internacionais, para industrialização da mancarra, o nosso amendoim.

 

Mas, ó céus, a Guiné produz, ou produzia muito amendoim, praticamente tudo trabalhado na base da agricultura familiar e o projecto dos sábios foi reunir a produção num centro. Esqueceram-se dum “pequenino” detalhe. O país é todo atravessado por rios e braços de mar, de modo que para ir dum canto a outro, tem que se dar a volta pelo interior, e assim mesmo atravessar diversas jangadas, depois de ter andado umas centenas de quilómetros por estradas quase intransitáveis! Resultado a “fábrica”, quase inactiva, construída em estrutura de ferro, naquele clima estava toda enferrujada e quase nada fazia. Assim mesmo o guarda que lá estava não nos deixou visitar aquele elefante branco.

 

Foi assim que os países NÃO colonialistas trataram os novos países após a independência. Sugaram e ainda sugam, quanto podem.

 

Também fomos perto da fronteira com a Guiné Conakry, ver como eram “exportadas” as belas mangas da Guiné-Bissau! Tudo vinha do país vizinho, já embaladas e depois exportadas para Portugal como mangas de Bissau!

 

À procura de algo que pudesse propor ao país, que sofria, fomos aos Serviços de Agricultura. Começámos por consultar dados estatísticos que... quase todos acabavam em 1974! O mais impressionante foi constatar que o índice pluviométrico tinha caído, nos últimos 25 anos da estatística existente, cerca de 20%, sobretudo no norte, fronteira com o Senegal, onde o avanço do Sahel é inexorável. E continua a avançar uns quilómetros cada ano.

 

O director dos serviços, engenheiro, quando lhe falei nestes dados respondeu, tranquilo: - Não. Continua a chover bem!

 

Não devia saber do que eu estava falando.

 

A Guiné continuava a explorar madeiras, derrubando florestas. Um dos métodos para aguentar um pouco o avanço do deserto, seria uma barreira de árvores. Falei nisso e disse que se podia arranjar dinheiro para um programa desse tipo. Não entendeu a minha língua! Não se interessou.

 

Depois visitei a fazenda dum senhor que, para sua infelicidade tinha tido posição influente no tempo dos portugueses. Uma casa grande, grande área com árvores de fruta, floresta e zona de cultivo de legumes. Na nossa conversa surgiu a ideia de transformar aquele lugar numa escola de ensino agrícola. Era fácil. Tudo “quase” pronto, facilmente adaptável, só precisando depois de arranjar professores.

 

Fui falar com o ministro da economia. Caboverdeano, um dos companheiros de Amilcar Cabral e dos mais influentes no país, depois da independência ficou melhor na Guiné. Lá, mandava.

 

Expus-lhe a ideia da escola, do local, quase dentro da cidade, infraestrutura com imensos recursos, etc. Ouviu tudo. Depois levantou-se, foi comigo junto a um grande mapa do país, que ocupava quase uma parede inteira e disse-me que a ideia era interessante, mas não no local que eu indicava.

 

Havia outras áreas muito melhores e mostrou-me a que ele escolheria.

 

Conversámos um pouco mais, saí, e quando voltei a falar no assunto com outras pessoas, tive logo a resposta certa: - É evidente que ele quer o projecto nessa área. Aí as terras são quase todas dele.

 

­Acabou-se a escola agrícola!

 

Véspera de ir embora, juntámos um grupo de hóspedes do hotel, mais o meu amigo do Pão de Açúcar que nos levou a um lugar para comer ostras.

 

Duas casas pegadas, um pátio na frente. Um abria as ostras no fogo, o outro, uma venda/bar vendia as cervejas! As doses de ostras eram calculadas conforme o tamanho da base onde eram servidas: prateleiras de antigas estantes de aço dos serviços públicos! As mais estreitas, uns 15 centímetros de lado, eram uma dose! As largueironas, talvez uns 30 ou 40 eram duas ou três. Mas as ostras eram uma delícia!

 

À saída, no aeroporto, ainda tive problemas desagradáveis. Um vendedor tinha-me impingido, por 10% do valor pedido inicialmente, um brinquedo, tipo marimba com uns 30 cm de comprido, que com relutância acabei por levar. Levava comigo isso e mais um saquinho com 200 ou 300 gramas de caju torrado, cuja intenção era ir comendo no avião.

 

Passo na alfândega, com a “marimba” num saco de plástico e uma maleta de mão tipo “007” que mandaram abrir. O “chefe” diz para um dos “fiscais” mostra o papel para ele. Vi logo que vinha encrenca e recusei-me a ler. Disse que estava sem óculos. Então eles leram o essencial: “Era proibido levar artesanato e castanha de caju”.

 

Depois da chatice em Moçambique, deu-me um ataque: “Pois fiquem com essa porcaria toda”, deixei mala e tudo em cima do balcão e fui embora. Passado um pouco vieram dizer-me para lá ir buscar. Dali passei a uma sala especial de inspecção. Vingaram-se. Mandaram-me despir, fiquei em cuecas, vistoriaram tudo e depois deixaram-me.

 

“Sorte” ter encontrado na fila de embarque o “director” do turismo do país que tinha conhecido no hotel. Esculhambei com a vida dele e como viajava em 1ª classe, sendo o primeiro a sair em Lisboa, avisei-o: - Quando chegarmos vou dizer aos fiscais que você é traficante. Vai ver como é agradável a recepção!

 

Como imaginam não disse. Mas voltar à Guiné, eu... não quero. Nunca mais.

 

19/05/2016

 

FGA-Mar 3-o homem do leme

Francisco Gomes de Amorim

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D