Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A bem da Nação

SOFISMAS, COMPLEXOS E TIQUES

 

 

Sofisma.jpg

A diabolização das poupanças empresariais e a sacralização de um factor de produção fizeram nascer ódios que só beneficiaram quem deles se quis servir para subir a escada do Poder.

 

Dito de outro modo: a diabolização do lucro e a sacralização do trabalho cultivaram a luta de classes como forma de fazer a revolução e instalar a ditadura.

 

O discurso esquerdino era (e continua a ser) o de tudo apregoar a favor das classes trabalhadoras e de tudo acusar os capitalistas e seus cúmplices, os burgueses.

 

O dramático percurso histórico desse processo culminou com a derrocada do Império Soviético qual baralho de cartas mal equilibradas. Ruiu o Império mas na mente dos seus devotos ficaram os sofismas, os complexos e os tiques.

 

Como exemplo de sofisma temos a diabolização das poupanças empresariais quando são elas que permitem novos investimentos sem recurso ao endividamento; como exemplo de complexo temos os raciocínios revolucionários de quem possui e até ostenta usos e costumes burgueses; como tiques podemos, dentre muitos, considerar a limitação da circulação automóvel em favor das bicicletas, maratonas nas pontes e vias principais, jogo das damas e bailaricos no largo onde antigamente se podia estacionar… pois há que estrangular os vícios burgueses e dar voz aos explorados…

 

Mas se o Estado tem que aumentar as receitas para poder distribuir a riqueza, como justificar essas políticas que contrariam o maior contribuinte que existe no país, o automobilista? E atenção! Não aceito teorias ecológicas quando é sabido que o Protocolo de Quioto não passa de um embuste[1] para extorquir dinheiro a todo o mundo a favor duma clique de «investigadores» ao serviço dum sector que se diz produtor de equipamentos “amigos” do Ambiente que funcionam com base em pressupostos dúbios. Também não façam a conversa anti-nuclear baseados na tecnologia de Chernobyl quando o que nós queremos é o nuclear de terceira geração à imagem e semelhança do que está a ser feito na Escandinávia. E quanto aos «explorados», eles já têm o Rendimento Social Mínimo para poderem continuar no confortável desemprego e no tráfico de estupefacientes como se constata pelos raides policiais aos bairros problemáticos. Os outros, os descendentes dos antigos proletários, já têm hábitos burgueses, pertencem à sociedade de consumo e não querem que se tenha pena deles.

 

Não haverá quem me acompanhe a dizer que BASTA DE HIPOCRISIA?

 

 

Henrique Salles da Fonseca em Hanói, NOV14

Henrique Salles da Fonseca

(Hanói, Nov.14)

 

[1] - Ver “Mitos Climáticos” em http://mitos-climaticos.blogspot.com/

 

ENSINO PÚBLICO ESTATAL VERSUS ENSINO PÚBLICO PRIVADO

 

Licenciaturas.jpg

 

Quem financia quem? Ensino Público ao Serviço da Esquerda?

 

Na intervenção do governo com o fim de rescindir os contratos do Estado com o ensino associativo particular, o que está em causa não são os gastos com o ensino, o que está em causa é a estruturação da ideologia radical esquerda! O dinheiro do orçamento para o MEC sai do contribuinte e as escolas privadas ficam mais baratas ao orçamento do estado do que as públicas. Da análise e classificação das 621 escolas do ensino secundário em Portugal resulta que o ensino privado é mais económico e com melhor rendimento (1). O governo de Costa deixa-se orientar por ideologia e sensibilidades oportunas e não por dados matemáticos ou de direito comercial. Desconhece a honestidade intelectual?

 

As nossas deolindas da política, agressivas e invejosas, querem ver tudo alinhado em uniforme ideológico sob a batuta avermelhada do MEC! Agora, que a esquerda radical BE e o PCP têm mão no governo geringonça, aproveitam a ocasião para avermelharem ainda mais o MEC, deitando ao charco os contratos de associação que os governos de esquerda e de direita criaram e cumpriam desde 1995. A discussão pública sobre as escolas privadas faz lembrar uma sequência do episódio da ideologia do sindicato único nacional, que o vermelho PCP pretendia impor à verde democracia de Abril.

 

O PS ao explicar que os contratos de associação são apenas uma „forma de suprir as carências da rede pública“, demonstra bem o seu entendimento de democracia e cultura plural. Querem o domínio da vontade do Estado sobre a vontade dos pais (2).

 

A rescisão dos contratos vem criar mais discriminação porque então os privados passarão ter de aceitar só filhos de pais com posses. Estes terão de suportar o ensino privado com as propinas e ao mesmo tempo o ensino estatal com os impostos (sofrem dupla tributação!). Ou será que a esquerda radical não quer ver gente pobre a frequentar colégios particulares? O MEC já interfere e controla as escolas privadas e avalia os respectivos alunos nos exames nacionais…

 

A esquerda radical qualifica os colégios particulares com contrato como parasitas quando, o que querem é servir o próprio parasitismo na estrutura do MEC e vê-lo como garante da sua clientela. De facto o MEC concede benesses à Esquerda através do subsídio indirecto a sindicatos da Fenprof, etc. gastando muitos milhões de euros com delegados sindicais, seus multiplicadores, dispensados de horas lectivas ou de dar aulas, coisa que num Estado rico como a Alemanha não seria possível (3). É escandaloso ver-se como um Estado pobre como o português se dá ao luxo de subvencionar ideologias no seio dos seus funcionários.

 

Concretamente, segundo o Relatório do Tribunal de Contas relativo a 2009/10 o ensino com contratos de associação com o ensino particular e cooperativo fica mais barato 400 € por aluno do que o ensino estatal (custo médio por aluno estatal 4.921,44 euros anuais, aluno privado 4.522 €) Estatísticas relativas a esse ano, referem que o Estado poupou 21 milhões de € ao deixar os alunos frequentar o privado.

 

Os resultados das investigações da OCDE e do PISA falam a favor do privado. O dever do Estado deveria ser fomentar a iniciativa privada e a diversidade de iniciativas e oportunidades, em vez de fomentar o regime monopolista totalitário, de formação em massa.

 

O MEC continuará a não dar conta do recado enquanto continuar a privilegiar ideologias políticas e a não servir um Portugal plural onde a qualidade de ensino deveria ser prioritária (4).

 

Com as medidas que a esquerda pretende muitos milhares de professores passariam ao desemprego e milhares de alunos perderiam um ambiente e uma comunidade escolar em que vivem.

 

O Estado já perdeu em segunda instância quatro processos devidos a cortes de verbas a colégios com contrato em 2010, o mesmo acontecerá, certamente, com os actuais cortes.

 

Os partidos do governo comportam-se como donos da nação usando o Estado como palco para fazer política ideológica em vez de fazerem política consensual para o povo; em vez de servirem o povo e o país servem-se do povo e das infraestruturas do estado para se instalarem e imporem os seus credos. A natural consequência será o surgir de uma política conservadora consequente.

 

ACDJ-Prof. Justo-1.jpg

António da Cunha Duarte Justo

 

  1. http://www.mundolusiada.com.br/artigos/classificacao-das-621-escolas-do-ensino-secundario-em-portugal/
  2. https://www.publico.pt/politica/noticia/ps-escreve-aos-militantes-a-explicar-decisao-do-governo-sobre-colegios-privados-1731530
  3. http://blog.lusofonias.net/?p=41957
  4. http://antonio-justo.eu/?p=1158

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D