Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A bem da Nação

LES TUEURS

 

AV-Loup.jpg

 

Malgré ce grand nom d’Hommes,

J’ai honte de nous, débiles que nous sommes !

Comment on doit quitter la vie et tous ses maux,

C’est vous qui le savez, sublimes animaux !

 

À voir ce que l’on fut sur terre et ce qu’on laisse,

Seul le silence est grand ; tout le reste est faiblesse.

 

Gémir, pleurer, prier est également lâche

Fais énergiquement ta longue et lourde tâche

Dans la voie où le Sort a voulu t’appeler,

Puis après, comme moi, souffre et meurs sans parler.

 

Vigny.jpg

Alfred de Vigny (1797-1863)

In «La mort du loup»

EMPREENDER POR NECESSIDADE...E DEPOIS?

 

pessoas_com_ideias_620.jpg

 

 

A crise que nos afecta a partir de 2008 empurrou muitos a inventar uma ocupação por conta própria, numa actividade em que se julgava à vontade ou que via com interesse. De facto, a pressão das importações de produtos baratos, de países eficientes, seguida da retracção do consumo interno, criaram crescente desemprego por fecho de empresas, e uma baixa nas remunerações, que contribuiu, em parte, para recuperar a competitividade.

 

Podia-se pensar que trabalhar em actividades ditadas pela necessidade seria transitório, típico de países pobres onde floresceram os micro-créditos. Pode ser assim... Contudo, em variadas situações evoluem para um empreender de oportunidade, com bom rendimento e estabilidade. Depende de quem empreende, da determinação de vencer e da colaboração criada entre pessoas no mesmo sector tentando refazer a sua fonte de receitas.

 

Entre nós, no sector primário, na agricultura, tem havido sucessos assinaláveis. Temos associações de produtores de certo tipo de fruta ou legumes, com contratos com entidades que investigam e que por um fee de royalty disponibilizam a sua investigação, para se cultivar cá produtos elaborados, assegurando bons mercados de exportação; determinadas variedades de fruta que se aguentam mais tempo na maturação, podem ser exportadas para locais remotos, para consumo em fresco. O Sol é determinante para dar bom sabor, colorido e potencial alimentar que países ricos apreciam.

 

As cooperativas de comercialização do leite, de flores e outros vegetais ou pecuária, fizeram que nalguns países as famílias recorressem a pequenos créditos para comprar mais vacas ou arrendar terra, vindo a transformar-se em ‘pequenas ou médias empresas’, com bons rendimentos e trabalho para mais pessoas.

 

Assim, uma ocupação que começa na necessidade, acaba sendo fonte estável, uma oportunidade de satisfazer necessidades duradoiras da sociedade. Tanto nas associações como nas cooperativas, o segredo é: pagar bem ao produtor, para ele produzir mais; pôr no mercado ao melhor preço, para que absorva tudo; e isso só se consegue se as operações próprias (logística, transformação, derivados) se fazem com a maior eficiência.

 

Será que a situação da procura e oferta de trabalho, no mundo global, virá a equilibrar-se, havendo trabalho para cada um para ganhar a vida e sustentar a família?

 

A humanidade sempre encontrou soluções imaginativas, com mais ou menos tempo de ansiosa procura. É importante captar as carências da sociedade e os produtos e serviços necessários. Depois, cada um pode definir uma actividade – com base nos conhecimentos e capacitações – criando uma pequena empresa, depois de reunir os dados para dominar o negócio, fazer um estudo e ver que dá os ganhos pretendidos.

 

Muitas tentativas da vida real ensinam que a primeira, embora aceitável, não é satisfatória: umas vezes, porque tinha um tecto baixo de receitas; outras, porque a previsão inicial era optimista; ou, ainda, porque não satisfazia ao desejo de criar os desejados postos de trabalho. Mas certamente deram confiança e prepararam para algo mais bem pensado, que acaba por ser um bom sucesso, na segunda vez.

 

Outras tentativas satisfazem plenamente logo à primeira: quase sempre por pura sorte; outras, por intuição apurada, na zona de conforto criada no trabalho anterior, por conta de outrem. Importa dar solidez, com inovações nos produtos, indo a novos mercados, e fazendo produtos afins ou complementares.

 

Sempre disseram que só os empreendedores criam riqueza e trabalho. Mas pouco fariam, suponho, sem os bons burocratas que mantêm a ‘casa arrumada’, respondendo com rapidez às solicitações que faz a própria burocracia, para lançar novas empresas e ampliar a sua capacidade e alcance.

 

2-V-2016

 

Eugénio Viassa Monteiro

Eugénio Viassa Monteiro

Professor da AESE e Dirigente da AAPI

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D