Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A bem da Nação

PARA PROVOCAR PENSADORES...

A LETRA "P"


Apenas a língua portuguesa nos permite escrever isto...


Pedro Paulo Pereira Pinto, pequeno pintor português, pintava portas, paredes, portais. Porém, pediu para parar porque preferiu pintar panfletos. Partindo para Piracicaba, pintou prateleiras para poder progredir.


Posteriormente, partiu para Pirapora. Pernoitando, prosseguiu para Paranavaí, pois pretendia praticar pinturas para pessoas pobres. Porém, pouco praticou, porque Padre Paulo pediu para pintar panelas, porém posteriormente pintou pratos para poder pagar promessas.


Pálido, porém personalizado, preferiu partir para Portugal para pedir permissão para Papai para permanecer praticando pinturas, preferindo, portanto, Paris. Partindo para Paris, passou pelos Pirinéus, pois pretendia pintá-los.


Pareciam plácidos, porém, pesaroso, percebeu penhascos pedregosos, preferindo pintá-los parcialmente, pois perigosas pedras pareciam precipitar-se principalmente pelo Pico, porque pastores passavam pelas picadas para pedirem pousada, provocando provavelmente pequenas perfurações, pois, pelo passo percorriam, permanentemente, possantes potrancas. Pisando Paris, permissão para pintar palácios pomposos, procurando pontos pitorescos, pois, para pintar pobreza, precisaria percorrer pontos perigosos, pestilentos, perniciosos, preferindo Pedro Paulo precaver-se.


Profundas privações passou Pedro Paulo. Pensava poder prosseguir pintando, porém, pretas previsões passavam pelo pensamento, provocando profundos pesares, principalmente por pretender partir prontamente para Portugal. Povo previdente! Pensava Pedro Paulo... Preciso partir para Portugal porque pedem para prestigiar patrícios, pintando principais portos portugueses. Paris! Paris! Proferiu Pedro Paulo.


Parto, porém penso pintá-la permanentemente, pois pretendo progredir. Pisando Portugal, Pedro Paulo procurou pelos pais, porém, Papai Procópio partira para Província. Pedindo provisões, partiu prontamente, pois precisava pedir permissão para Papai Procópio para prosseguir praticando pinturas.


Profundamente pálido, perfez percurso percorrido pelo pai. Pedindo permissão, penetrou pelo portão principal. Porém, Papai Procópio puxando-o pelo pescoço proferiu: Pediste permissão para praticar pintura, porém, praticando, pintas pior. Primo Pinduca pintou perfeitamente prima Petúnia. Porque pintas porcarias? Papai proferiu Pedro Paulo, pinto porque permitiste, porém, preferindo, poderei procurar profissão própria para poder provar perseverança, pois pretendo permanecer por Portugal.


Pegando Pedro Paulo pelo pulso, penetrou pelo patamar, procurando pelos pertences, partiu prontamente, pois pretendia pôr Pedro Paulo para praticar profissão perfeita: pedreiro! Passando pela ponte precisaram pescar para poderem prosseguir peregrinando.


Primeiro, pegaram peixes pequenos, porém, passando pouco prazo, pegaram pacus, piaparas, pirarucus. Partindo pela picada próxima, pois pretendiam pernoitar pertinho, para procurar primo Péricles primeiro. Pisando por pedras pontudas, Papai Procópio procurou Péricles, primo próximo, pedreiro profissional perfeito.


Poucas palavras proferiram, porém prometeu pagar pequena parcela para Péricles profissionalizar Pedro Paulo. Primeiramente Pedro Paulo pegava pedras, porém, Péricles pediu-lhe para pintar prédios, pois precisava pagar pintores práticos. Particularmente Pedro Paulo preferia pintar prédios. Pereceu pintando prédios para Péricles, pois precipitou-se pelas paredes pintadas. Pobre Pedro Paulo. Pereceu pintando...


Permita-me, pois, pedir perdão pela paciência, pois pretendo parar para pensar... Para parar preciso pensar. Pensei. Portanto, pronto pararei.

 

 

 

É mesmo verdade, são 433 palavras começadas por "P"...
Estava certo?

AMAZÓNIA – 8

 

 

 

  • Trabalho escravo?
  • NÃÃÃÃO, que IDEEEEEEEEIA!!!!! Nem pensar nisso é bom.

 

 

Este foi um diálogo que não ouvi em parte alguma do seringal que fomos visitar. Pois é! Há quem diga que não havia escravatura na economia da borracha. Mais: quem disser o contrário, não sabe o que diz ou mente descaradamente.

 

Sim?

 

As coisas passaram-se entre os finais de 1800 e os princípios de 1900. Foram cerca de 30 anos de euforia na Amazónia, centrada sobretudo em Manaus e em Belém (apesar de Belém ser administrativamente do Pará e não do Estado da Amazónia).

 

Foi a economia da borracha a partir do látex da Hevea brasiliensis, árvore originária da região amazónica. E essa vasta região não se localiza assim tão longe daquele que então era o pobre Nordeste brasileiro onde as gentes praticamente morriam à fome e à sede. Mas quando esses miseráveis famintos ouviram falar de trabalho no Amazonas, não hesitaram em mover céus e terras para emigrarem para lá e, economizando, mandarem dinheiro à família que ficava para trás. E foram...

 

E foram debitados do custo do transporte logo que puseram pé no barco que os levaria Amazonas acima. E foram debitados pelo preço da alimentação que lhes era fornecida a bordo. E foram debitados de tudo, não sei mesmo se do ar que respiravam. Chegados a Manaus (ou a Belém), eram então concentrados num grande recinto donde saíam para os seringais necessitados de mais seringueiros. E continuavam a ser debitados pelo custo do transporte, da alimentação e de...

 

Paralelamente, o Governo do Brasil era creditado pelo Governo dos EUA em US$ 100,00 por cada seringueiro chagado a Manaus (ou a Belém).

 

Até que chegavam ao ponto de destino, o seringal a que alguém os afectara, para serem debitados pelo valor do equipamento que lhes era fornecido para poderem trabalhar e pelo valor de tudo o mais que pudessem consumir. Isto significava que, antes de extraírem o primeiro grama de látex, já estavam endividados perante o dono do seringal (que já assumira a dívida deles desde a origem no Nordeste) de um modo que não poderiam alguma vez ter imaginado.

 

Em contrapartida, eram creditados pelo valor do látex que recolhiam durante a noite pois que era impossível suportar o calor durante o dia. E como o dia era muito quente, os seringueiros aproveitavam-no para... derreterem ao lume o látex recolhido e produzirem as bolas que constituíam a unidade de transporte do produto final. Esta bola era submetida a exames de qualidade e se fosse detectada alguma fraude (incorporação de pedras ou terra), o seringueiro era pura e simplesmente executado. Ponto final na trapaça.

 

Bola de latex.JPG

 Bola de latex

(por trás da minha cabeça está uma peneira pendurada num pilar da casa, não um chapéu)

 

E como eram calculados todos estes valores lançados a débito e a crédito de cada seringueiro? Sim, eram calculados segundo um método muito “claro”: o do capataz.

 

Assim ficavam os seringueiros eternamente a tentar saldar a dívida até que... E a quem conseguisse saldá-la, logo o patrão o presenteava com algum descanso em que lhe fornecia comida, bebida e mulheres de prazer. Custos estes que lhe eram debitados, obviamente, de modo que o ciclo se repetia por aí além...

 

Poupanças a enviar às famílias no Nordeste? Pas du tout, je crois. Essas, lá longe, sempre tinham menos uma boca para alimentar.

 

Manaus floresceu com a economia do látex com que se fabrica a borracha, matéria prima fundamental para o fabrico de pneus. O cliente final era, pois, a indústria automóvel americana.

 

Muitos seringais eram de propriedade estrangeira e o Museu da Borracha que eu visitei era a reconstituição do seringal de um alemão.

 

Mas havia o comércio internacional e os ingleses não deixaram essa matéria passar ao largo. De tal modo que os cais flutuantes de Manaus que eu pisei são os mesmos que foram construídos com ferro produzido em Bristol; assim como o edifício da Alfândega foi transportado, peça por peça, de Bristol para o local em que actualmente se encontra, ali junto ao porto fluvial manauara.

 

E a riqueza era tal e tanta que as Senhoras não queriam que a roupa fosse lavada com a água do Rio Negro e mandavam-na lavar fora... em Lisboa ou em Bristol, conforme o navio que estivesse para zarpar a caminho da Europa.

 

E da Europa chegou a ópera. Os manauaras gostavam de ópera? Isso era o que menos importância tinha. O que era importante era eles terem um teatro maior que o A la Scala, de Milão. E tiveram-no! Ainda lá está e é um ex libris de Manaus.

 teatro amazonas 1.jpg

 

Para que os mortos não se revoltem nos caixões, o grande Teatro Amazonas continua a apresentar um ou dois espectáculos de ópera por temporada mas durante o resto do ano a sala tem uma agenda intensíssima sobretudo com espectáculos de teatro (não obrigatoriamente musicado) quase todas as manhãs e com entrada livre. São iniciativas de teatro experimental, de teatro amador, de teatro infantil, etc. Mas é lá que se exibe a Orquestra Filarmónica do Amazonas e se realizam muitos espectáculos de dança e até mesmo de ballet [1].

 

Teatro Amazonas 2.jpg

 

Mas os ingleses agarraram nuns pezinhos de Hevea Brasiliensis e viajaram com eles até ao Oriente onde fizeram plantações mais rentáveis que as amazónicas (amazonenses, como se diz por lá) e a economia brasileira da borracha definhou.

 

Transamazónica.jpg

 

Assim como a estrada Trans-Amazónica está intransitável e foi invadida pela floresta em muitos troços - tudo tem que ser transportado de barco ou avião - também os grandes seringais deixaram de ser úteis e aquela ubérrima região brasileira procura agora novo modelo de desenvolvimento. Fizeram de Manaus um porto franco que atraiu muitas indústrias de montagem (e não de produção propriamente dita). Chegou-se à conclusão de que o produto fica mais caro do que o admissível e tudo está em recessão.

 

O modelo de desenvolvimento terá que ser outro. Haverá isenção política suficiente para o tema ser debatido com seriedade? O actual clima político brasileiro não é bom conselheiro para debates serenos.

 

 

FIM DA SÉRIA AMAZÓNICA

 

 

Lisboa, Abril de 2016

 

 

Chefe índio 2.JPG

Henrique Salles da Fonseca

 

[1] - Para saber mais, v. www.cultura.am.gov.br 

 

 

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D