Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A bem da Nação

LONGA LÍNGUA OU LÍNGUA COMPRIDA?

Português

Papiamento de Curaçao

Água

Bem-vindo

Awa

Bon Bini

Bom Dia

Boa tarde

Boa noite

Bon dia

Bon tardi

Bon nochi

Obrigado

Danki

Como vai?

Con ta bai?

Muito bom

Hopi bon

Eu estou bem

Mi ta bon

Eu, Eu Sou

Mi

Tenha um bom dia

Pasa un bon dia

Até logo

Te aworo

Comida

Cuminda

Pão

Pan

Refresco, Sumo

Refresco

Eu amo

Vou para casa

Mi stima

Mi ta bai cas

Moisés Frumêncio da Costa Gomes, o judeu de origem portuguesa que conseguiu integrar Curaçao na Holanda com o estatuto de Região Autónoma assim deixando de ser colónia

QUARTA-FEIRA DE CINZAS INICIA A QUARESMA

 

Carnaval em Trás-os-Montes.png

 

Também há uma Vida depois do Carnaval

 

Vivemos numa sociedade esgotada – uma sociedade avozinha cuja fertilidade se extingue nela (1). Construímos uma sociedade livre mas pobre de sentido. Daí assistirmos a uma insatisfação generalizada de uma sociedade livre de sentido que proclama a libertinagem egoísta como estilo de vida.

 

Quarta-feira de cinzas inicia os 40 dias da renúncia ao supérfluo para se reflectir sobre o sentido da vida e preparar o espírito para a Páscoa.

 

A Quaresma segue o exemplo de Jesus que jejuou 40 dias no deserto para resistir às tentações da vida. O número 40 tem um carácter simbólico e neste caso prepara para melhor se fazer face à vida. Também Elias fez uma caminhada até ao monte Horebe e Moisés andou 40 dias em torno do monte Sinai. Monte é símbolo de algo mais elevado, de algo a atingir e a caminhada é o símbolo da vida. Através da ascética purifica-se o espírito do pó da caminhada preparando para a Páscoa, símbolo e festa da morte e ressurreição.

 

Em conventos havia o hábito de monges e monjas, na prática do seu jejum, distribuírem-no pelos pobres o fruto (os produtos alimentícios) da sua renúncia e do que tiravam ao corpo. Assim se exercita o estar presente também para os outros. Muitos cristãos renunciam ao vinho, às guloseimas, à carne ou a outra comodidade durante a Quaresma. Jejuar é mais que fazer uma dieta; Jejuar promove a saúde do corpo e da alma; é renunciar para que outros tenham mais da vida ou para a vida; na medida em que os outros têm mais também eu terei porque deles a vida transbordará também para mim.

 

Quaresma é tempo de metanóia (cada um terá a sua), é a fase da mudança para melhor se poder ver através da poeira e da intoxicação do nosso tempo e melhor entender o ruído à nossa volta. Não se trata apenas de uma cura de emagrecimento para aperfeiçoar o corpo mas também para se perscrutar também o sentido dele e o sentido da vida. Todos temos a experiência de que um estômago demasiado cheio impede a ideia e o sentimento.

 

Vivemos num tempo que nos leva à auto-exploração, num tempo de forças que nos querem ver na falta de noção, na inexperiência colectiva!

 

Muitos cristãos vão à igreja na Quarta-feira de cinzas e recebem na testa um sinal da cruz com cinza. A cinza recorda a transitoriedade lembrando-nos que também há uma vida depois do Carnaval.

 

A Quaresma com o seu apelo ao jejum tem uma componente individual, social, política e religiosa. A nossa sociedade precisa de momentos que nos recordem da necessidade de moderação.

 

António Justo.jpg

António da Cunha Duarte Justo

 

  • Francisco I, no seu discurso ao parlamento europeu em 2014, denunciou a falta de vitalidade do continente europeu comparando Europa com uma avó “que já não é fértil”.

 

LITERATURA SUBVERSIVA NA TURQUIA

 

espanto.png

 

A situação é de deixar qualquer um de boca aberta...

 

the soft machine.jpg

 

William S. Burroughs, se fosse vivo, ficaria satisfeitíssimo: o seu livro de 1961, “The Soft Machine”, foi mais uma vez proibido. Não que Burroughs fosse a favor da censura, com certeza; antes pelo contrário, grande parte da sua obra acusa a civilização ocidental de ser censória, não só abertamente mas também pela pressão económica e outras formas mais subtis. No entanto, “The Soft Machine” não é um livro cuja subversão do conteúdo salte logo à vista; perturba mais na forma, através de uma escrita cheia de entrelinhas e referencias obscuras que o leitor normal achará bastante chata. Por outras palavras, é uma obra para intelectuais que não representa qualquer perigo imediato para a estabilidade de uma sociedade burguesa medianamente policiada. O mais perigoso de Burroughs é a personagem que ele inventou para si próprio, não os seus livros.

 

Então, “The Soft Machine” acaba de ser proibido na Turquia, um país que há cem anos, mas principalmente nos últimos vinte, procura desesperadamente ser ocidental e “civilizado”. E foi proibido por uma repartição dificilmente imaginável num pais ocidental e civilizado: O Conselho do Primeiro Ministro para a Protecção de Menores de Publicações Explícitas.

 

Porque é que um livro para adultos, e ainda por cima para um grupo restrito de adultos cultos que se interessam por literatura experimental, foi parar a este Conselho, ninguém sabe; provavelmente terá sido uma denúncia. O facto é que os conselheiros o acharam perigoso, “desconforme com as normas morais” e susceptível de “magoar os sentimentos morais das pessoas”. Além disso acusam a obra de “falta de unidade no tema”, “em desacordo com uma unidade narrativa”, com “utilização de calão e termos coloquiais” e, pior, “a aplicação de um estilo de narrativa fragmentado.” Finalmente a obra de Burroughs “contem interpretações que não são nem pessoais nem subjectivas, retiradas de exemplos de estilos de vida de figuras históricas e mitológicas”.

 

Mas o que interessa não será, com certeza, o disparate desta interpretação de “The Soft Machine”, que ainda consegue ser mais marada do que o próprio livro. O que interessa é que ainda existam países que se preocupem em censurar obras que, pela sua própria natureza, pouca subversão possam causar, só porque não estão de acordo com a doutrina estabelecida, tanto para o conteúdo como para a forma.

 

Realmente, a Turquia ainda tem de andar muito até poder entrar na União Europeia. Pelo andar da carruagem, quando puder aderir já uma grande quantidade de países terá saído – por razões completamente diferentes.

 

José Couto Nogueira.jpg

 José Couto Nogueira

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D