Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A bem da Nação

OS FILMES DA NOSSA GUERRA INTESTINA

 

Casablanca.png

 

Casablanca”, sempre. De vez em quando, a «TV Memória» lembra-se de nos bafejar com esse brinde, que não perdemos. Para além de toda a beleza de desempenho e figuras, emoção e nobreza de sentimentos, o momento empolgante em que o líder da resistência tcheca, Victor Lazlo, faz sobrepor ao hino alemão, tocado e entoado no café do Rick, o hino francês que electriza os frequentadores do café, com as naturais consequências de encerramento daquele, ordenadas pelo governo alemão sito em Casablanca. Bem posso lembrar que o mesmo fizemos em Lourenço Marques, sem tanto brilho e mais emoção, não condicionados pela arte coreográfica, num levantamento popular em frente à Câmara Municipal, em 1974, ao lado da linda catedral de Nossa Senhora da Conceição, cantando, em lágrimas, o Hino Nacional, com a bandeira hasteada, a lembrar o protesto contra os destruidores da nação.

 

eixo do mal.png

 

Vem a referência a propósito do «Eixo do Mal» que resolvi ouvir hoje, em reposição, há muito desligada das leviandades desses comentadores que, arrogando-se de fina flor da intelectualidade nacional, mais não demonstram que vileza de pensamento nas suas risadas ou comentários tantas vezes sem classe ou sequer ética. Mas talvez o asco não fosse tão sentido como quando vejo e ouço duas moças - uma dengosa, fazendo mímicas de simpatia determinada, mesmo quando é atrevida e malcriada com os indigitados para o governo – anteriormente governantes a sério - outra serenamente superior, querendo aparentar bons sentimentos também, relativamente ao povo que as serviu com o seu voto, assim arrancado no deslumbramento por esse par de donzelas ou donas como as do tempo de outrora, Orianas que já seduziam os Amadises das cavalarias medievais, e seduziram agora os peões, ciclistas, motards, automobilistas ou mesmo apenas os que se fazem transportar de carroça, conquanto esta em vias de extinção.

 

O certo é que também o “Eixo do Mal” continua mais ou menos intragável, pequeno grupo a pretender discutir da pátria e dos patriotas, com uma pequena sabedoria que esconde tanto de chacota pelos sentimentos alheios, daqueles que escutam comovidamente o momento mágico de uma “Marseillaise” sobrepondo-se entusiasticamente ao hino de um povo malignamente opressor.

 

Não, os nossos palradores de política, não vibram com momentos desses, de hinos nacionais traduzindo um qualquer orgulho ou respeito pelo seu país, conquanto não duvide que no caso do filme norte-americano, eles não ficam indiferentes à magia do episódio. A displicência é comum, e um elemento como Pedro Marques Lopes, o das insinuações, da coscuvilhice sem nível, arrancada à experiência de vida, parece-me, ou de fura-vidas, mais do que a estudo ou arte, o qual, dizendo-se PSD, há muito segue no rasto da simpatia pelos camaradas mais cultos, em rebaixamento vil, de quem se sente que finge ser duma cor e não tardará a mudá-la, para sua própria sobrevivência.

 

Cavaco foi o visado, pelo seu discurso “extremista e revolucionário”, condenado pelos três protagonistas, à excepção de Luís Pedro Nunes, trapalhão mas de pensamento mais nobre, o único, por vezes, que repõe uma certa sensatez na grosseria ou excitação gerais.

 

Nobreza para os três da esquerda (considerando entre estes o dito Lopes), é a da esquerda – (que, todavia, tudo faz para destruir o país e qualquer projecto de governação que nos tire do lodaçal). Cavaco, porque conhece bem essa esquerda e a desprezou sem vitupérios no seu discurso, como homem honrado, no pesadelo que vive dessa viragem da nação a uma esquerda há muito dirigida por rancores e ódios e má criação, Cavaco foi chamado de ignóbil e outros epítetos de teor semelhante.

 

É, aliás, isso, pecha comum, excluindo as opiniões que nos confortam, pela sua sensatez e indignação de gente que sente. Tal a de Maria João Avilez. E a de muitos outros que às vezes acerto em pegar, sobretudo por indicação do meu marido.

 

Mas, para todos os efeitos, a esperança de sobrevivência desapareceu, num pobre país à deriva, por muita risada escarninha que o conceito mereça na praça. Se chegar à praça.

 

Berta Brás.jpg Berta Brás

COMO ESTAREMOS NÓS, ENTÃO?

cinismo.jpg

 

UMA VISITA AO CINISMO

 

 

O principal trunfo do cinismo é deixar-nos espantados e desarmados. A vida em sociedade exige algo como um princípio de credulidade, uma confiança, mais ou menos espontânea, nos outros.

 

Os tempos andam malsãos. Parece que vivemos num daqueles poemas terríveis de Sá de Miranda, onde tudo é suspeita, logro, perigo, espanto, dissimulação, e nada é nítido. A atmosfera não é de banal má-fé. É uma atmosfera de cinismo, de cinismo puro e duro. São coisas muito diferentes. O homem de má-fé mente-se a si mesmo e acredita na verdade da sua mentira, o cínico não. O cínico mente com a perfeita consciência de que está a mentir e nem por um instante acredita no que diz[1]. Se a má-fé pode proteger da argumentação racional e da persuasão comum, o cinismo é, no capítulo, mil vezes mais eficaz. Cria uma espécie de invulnerabilidade por relação a uma e outra.

 

O principal trunfo do cinismo é deixar-nos espantados e desarmados. Por razões que têm provavelmente a ver com as condições básicas da vida em sociedade, não estamos nunca suficientemente preparados para o cinismo. A vida em sociedade exige algo como um princípio de credulidade, uma confiança, mais ou menos espontânea, nos outros. Mesmo um céptico encartado tem de adoptar esse princípio na sua vida quotidiana. Ora, esse princípio de credulidade comporta, em graus variáveis, a possibilidade de reacção à má-fé e à mentira pura e simples. Com isso aprendemos bem a viver, por mais desagradável que seja. Não assim com o cinismo. O cinismo, mesmo para as pessoas teoricamente mais bem preparadas para a ele reagirem, menos fáceis, por hábito ou profissão, de se deixarem surpreender, deixa-nos inermes. Viola o princípio de credulidade nas suas bases mais fundas. É difícil não o sentir como um escândalo.

 

Sem paradoxo algum, o cínico pode proclamar grandes ideais. Não acredita neles por um só instante, é claro, mas isso obviamente em nada o perturba. O grau de comprometimento do cínico com as suas ideias é nulo. O que, diga-se de passagem, lhe é extremamente útil. A maior parte das pessoas vive as suas ideias com algum comprometimento: menos com umas, mais com outras. E essa relação de comprometimento varia, em relação a todas elas, com o tempo, permanecendo nos melhores o amor como um ideal de comprometimento absoluto. Mas há, em todo o caso, comprometimento efectivo. O cínico encontra-se liberto desse fardo, e, liberto desse fardo, encontra-se igualmente disponível – dentro da esfera das suas possibilidades, que é ditada pelas condições da sua sobrevivência – para acolher todas as ideias que lhe surjam úteis. Descomprometido essencialmente, pode simular comprometimentos essencialíssimos com o que lhe apetecer.

 

Samuel Beckett escreveu um dia que “é preciso acreditar que sim, mas saber que não”. É discutível que se possa verdadeiramente viver assim, já que a crença se desdobra quase naturalmente na presunção do saber e não se vê muito bem como a manter com a consciência do seu exacto oposto. De qualquer maneira, o cínico não subscreveria a bela frase de Beckett. Dada a sua natureza pragmática, descomprometida com as ideias e portanto exclusivamente pragmática, monomaniacamente pragmática, nem acreditar que sim nem saber que não lhe interessam. Por impossibilidade do seu ser, não se relaciona com crenças próprias. A sua fórmula seria antes: “É preciso que os outros acreditem que sim e não saibam que não”. E é impressionante como tem por vezes sucesso, mesmo quando não é preciso possuir um tacto particularmente fino para não acreditarmos que sim e sabermos que não e até para detectarmos um inquietante vazio na alma do cínico.

 

Quem é convencido pelo cínico? Certamente que as pessoas de má-fé, que sempre aspiram a ter um cínico por mestre. A má-fé aprecia o esplendor do cinismo, o quase heroísmo do seu desprezo pela verdade e a sua magnífica ausência de pudor. Vê nele uma liberdade que ela própria não possui. Mas convence igualmente os ingénuos, particularmente aqueles predispostos a acreditarem na omnipotência do pensamento de que falava Freud, que criou a expressão para descrever a crença primitiva, ou simplesmente neurótica, numa eficácia imediata do pensamento sobre o mundo. O descomprometimento com as ideias do cínico permite-lhe sugerir que, no fundo, tudo é possível. E que melhor sugestão do que essa para quem aspira a uma transformação mágica da realidade? Os puros pensamentos agem sobre as coisas e modificam-nas. O desejo e a vontade actuam sobre o mundo sem necessidade de quaisquer mediações. A realidade exterior é abolida e substituída por uma projecção que satisfaz a psique. Uma perfeição. Com o ligeiro inconveniente – que, obviamente, não preocupa o cínico – de, por definição, conduzir a maus resultados.

 

Até onde pode ir o cínico? Ou, dito de outra maneira: como se sai da hora do lobo, do tempo de indistinção e de falta de confiança em que o cínico nos mergulha? É uma boa pergunta. Talvez quando aqueles que o toleram em benefício próprio o traírem. Talvez quando, passada a surpresa inicial, aquele inquietante vazio que habita a alma do cínico se tornar excessivamente palpável e a sua fragilidade última se revelar. Talvez quando a má-fé daqueles de que o cínico se alimenta se comece a desvanecer, por uma razão ou outra, surto de boa-fé ou interesse de salvação pessoal. Talvez quando a bruta realidade destruir a ilusão da omnipotência do pensamento que o cínico habilmente instilou em muitos e de que precisa como pão para a boca para sobreviver. Mais tarde ou mais cedo estas coisas acontecem todas, e mais cedo do que tarde acontecerão. A questão que se coloca é: e em que estado estaremos nós quando finalmente chegar esse momento?

 

Paulo Tunhas.png Paulo Tunhas

 

In Observador 22/10/2015

 

 

[1] - Sentido actual de cinismo, não o sentido clássico. Para este último, v. p. ex. em https://pt.wikipedia.org/wiki/Cinismo (HSF)

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D