Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A bem da Nação

CURIOSIDADES LISBOETAS - III

 

Um pouco de história... do Automóvel

 

Muitos estarão cansados de saber que o primeiro veículo auto propulsionado terá sido a invenção do senhor Nicolas-Joseph Cugnot que apareceu pela primeira vez em 1769. Um motor a vapor, de pistão rotativo, foi na ocasião um meio fenómeno, visto haverem já, máquinas a vapor, mas somente estáticas. Aquele era um avanço considerável sobre estas, mas, muito difícil de conduzir, devido ao enorme peso, sendo as duas rodas da frente, da direcção, comandadas por uma alavanca, que exigia muita força para se controlar. Em 1771 aquele veículo, chocou contra uma parede de tijolos, que derrubou, o que terá sido o primeiro acidente automóvel da história, e perdeu o interesse do público!

 

A verdade é o assunto da primogenitura automobilística não é tão simples assim.

 

Num ensolarado dia de Junho de 1781, o senhor Pierre Delaval apresentou em Portugal, à rainha D. Maria I, na sua quinta em Belém, um “carrinho que anda por si”!

 

Pasmem ó gentes! Portugal poderia ter tido a primeira fábrica de “carrinhos” do planeta!

 

A rainha gostou tanto da “viatura’ que mandou dar ao francês uma gratificação de 57$600 reis, conforme consta do respectivo recibo passado pelo inventor:

J’ai reçu par les Ordes de Son

Excelence Monseigneur le Marquis de

Marialva Douse monnaye d’or

aujurdouy, 19 Juin 1781.

 

À margem do recibo encontra-se esta elucidativa nota:

São 57$600 rs. que se entregão ao

Marquez de Marialva para este

homem que veio em 16 de Junho

à Quinta de Belém com hum carrinho 

que anda por si para verem suas Mag.es

 

Esta “notícia de última hora” foi publicada na Revista Portuguesa”, Ano VII, 2ª série, n° 11, Janeiro-Fevereiro de 1941, no Funchal, Ilha da Madeira.

 

Parece que nunca mais alguém soube do tal “carrinho” nem do senhor Delaval e seria muito interessante que alguém conseguisse vasculhar na Torre do Tombo para ver se mais alguma coisa existe sobre o assunto. (Delaval só encontrei um sr. Pierre Louis Delaval, nascido em Paris em 1790, óptimo pintor.)

 

Ficamos sem saber se o carrinho era tipo Ferrari, Cadillac ou... carrinho de corda.

 

Como a D. Maria ficou louca – talvez porque quisesse um carrinho daqueles para fazer uns ralis lá em Belém, quem sabe? – e como pouco depois a corte veio para o Brasil trazendo milhares de documentos da Biblioteca Nacional... pode até acontecer que o relato dessa misteriosa demonstração que deu origem ao recibo, esteja perdido na Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro onde, de quando em vez, se deixam roubar livros, documentos e outras coisas.

 

Um palacete chorando por cuidados

 

O antigo convento de Santo António da Convalescença, fundado em 1640, restaurado em 1746, hoje com aspecto de abandono, uma triste, rasgada e envergonhada bandeira nacional num mastrinho no primeiro andar, “ali” na Estrada de Benfica, 275, em Lisboa.

 

Pelo que dá a entender a vista pelo Google Earth, neste endereço funciona qualquer departamento do Estado, mas o Guia de Portugal de 1924, diz que nessa época tinha já sido transformado em casas de habitação.

 

FGA-O CONVENTO.jpg

 O “convento” (cerca de 1940)

Ainda se vê o que parece ser uma igreja ao fundo (hoje derrubada)

e três portas para a rua, das quais subsiste uma única.

 

Informa o Guia que a sua fachada “ainda” recoberta com azulejos do século XVII, deve esta “ainda” ao arquitecto José Maria Nepomuceno (1836-1895) porque foi este arquitecto que os comprou como entulho nas obras da Madre-de-Deus, que pertenciam a uma capela árabe*! Nesse “entulho” terão ido azulejos dos séculos XVI e XVIII.

 

FGA-ARQUITECTO.jpg

 O arquitecto Nepomuceno em 1884

 

No primeiro andar os azulejos que emolduram as janelas do corpo central e das extremas “são do mais apreciado que Sevilha fabricava na primeira metade de Quinhentos”. Como os outros, foram comprados junto ao entulho. Enfim uma grande mistureba!

 

Portas adentro há (ou havia?) mais coisas que Nepumoceno “colecionou” em Xabregas e outros lados.

 

Para quem vive em Portugal, uma visita ao antigo convento... deve valer a pena. Mas como nos aparece... é uma pena!

 

No entanto a opinião sobre o senhor Nepomuceno... não agradava a toda gente. Num próximo texto falaremos da Igreja da Madre-de-Deus, onde este senhor superintendeu às obras de mais um restauro (foram muitos durante quatro ou cinco séculos), mas para já fica sobre este arquitecto a opinião do Conde de Sabugosa (um dos famosos Vencidos da Vida):

 glomerado por uma recente ‘restauração’ (?) se.. a indignação não tem limites quando ao observar o mistifório (miscelânea, embrulhada) aglomerado por uma recente ‘restauração’ (?) caracter religioso da fund

“... a indignação não tem limites quando ao observar o mistifório (miscelânea, embrulhada) aglomerado por uma recente ‘restauração’ (?) se nos patenteiam intenções pretenciosas colhidas na mofina dos Violet le Duc, e que até fazem supor intuitos sectários de profanar o caracter religioso da fundação. Verdadeiros atentados contra o bom gosto, a arte e a arqueologia.

Azulejos arrancados em alguns sítios, noutros acrescentados com enxertos trazidos de vários monumentos (Farol do Cabo de São Vicente, Convento de Santa Ana, etc.) azulejos mandados fazer modernamente ‘imitando antigo’; fantasias ampliando os quadros da sacristia, e tudo isso num amálgama que não se sabe se o intento foi restaurar, se modernizar, se fazer servir o monumento de ‘reclame’ a ceramistas e azulejadores. Uma confusão!

Mas onde todos os que tiverem algum critério ou simplesmente uns pós de bom-senso, de bom-gosto, ou de consciência artística, sentem invadi-los uma onda de repulsão, é quando, ao examinar os capitéis no pavimento superior do claustro pequeno, verificarem a resolução estapafúrdia que o ‘restaurador’ tomou de substituir alguns que se achavam mutilados por outros onde se encontra figurado ‘um comboio com a sua máquina fumegante’ (!) e alguns símbolos maçónicos (!).

Isto num claustro do séc. XVI!”

 mofina dos Violet le Duc, e que até fazem supor

FGA-CAPITEL.jpg

 Nota: Se já em 1781 mostraram à Rainha um “carrinho que andava por si”... porque não esculpir uma máquina a vapor num capitel a fingir que era do século XVI?

 

E os símbolos maçónicos? Como a maçonaria foi iniciada em 1717 na Inglaterra, e maçon significa pedreiro, nada mais lógico ao senhor Nepomuceno do que mostrar o óbvio: as colunas foram feitas por maçons, e assim ali deixaram a sua assinatura.

 

O que julgo interessante é uma visita aos lugares descritos neste texto e conferirem. Pode ser que outro posterior restauro tenha melhorado os caprichos e estas mensagens cripto-líticas.

 

09/10/2015

 

Francisco Gomes de Amorim, Junho 2013, Lisboa.jpgFrancisco Gomes de Amorim

EASTERN PICTURE

 

ver-filmes.jpg 

 

Estou a ver o filme: o Presidente da República encarrega o Dr. Passos Coelho de formar Governo e, passados dias, dá-lhe posse; o Programa desse Governo não passa na Assembleia e o Governo é despromovido a «Governo de Gestão»; como não é possível dissolver a Assembleia durante os seguintes 6 meses, teremos esse «Governo de Gestão» até que constitucionalmente possa haver a dissolução da Assembleia e sejam marcadas novas eleições legislativas.

 

Consequências?

 

Muitas e variadas: não haverá novos Decretos-Lei e apenas poderão entrar em vigor novas Portarias, Despachos Normativos e Despachos simples; em 2016 (até que haja novo Governo pleno) funcionarão os duodécimos do Orçamento de 2015.

 

Será isto assim tão mau?

 

 

Henrique Salles da Fonseca, Curaçao (2011)

Henrique Salles da Fonseca

GOLPE DE ESTADO!!!

 

GOLPE DE ESTADO.jpg

 

Ainda estou para perceber se estamos numa estranha democracia de valores obtusos ou se estamos numa democracia de obtusos com estranhos valores.

 

A esquerda, que PERDEU as eleições e apregoa que as ganhou, faz jogos de bastidores para ganhar na Secretaria o que politicamente perdeu nos votos de facto expressos em liberdade.

 

Está em curso um autêntico GOLPE DE ESTADO e nós, quietos, a vermos o que não passa de uma vilania política de inversão de valores.

 

De Denang para Hué.JPG

Henrique Salles da Fonseca

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D