Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A bem da Nação

DEITAR PÉROLAS…

 

Mais uma achega à rejeição do AO de 1990, com que nos vamos entretendo e entristecendo, no ocaso da ilusão do “Surge et ambula” da inteligência nacional que, tão embrulhada como a sua alma mater, fez resvalar a língua para uma mixórdia inconcebível de asneiras, lançadas no papel ou no vento, ao sabor das sapiências cada vez mais débeis, das escritas e das pronúncias, a que esse acervo de monstruosidades, deu direito. Trata-se de um artigo esplendidamente esclarecedor dos motivos por que se fala – e deixará de falar – de uma determinada maneira e não de outra, com assento na etimologia das palavras, que asnaticamente se decidiu simplificar na sua escrita, com consequências asneirentas sobre a pronúncia. Creio que é caso único, na história do mundo dito civilizado, tal praga ortográfica com consequências na ortofonia de um povo que fora criador de nações. A verdade é que, ao perder, sem pejo, essas nações, também se não importaria, naturalmente, de perder a língua, embora reclame muito pela perda da TAP e de outros trastes do seu território escarrado.

 

Mas admiro sempre quem ainda se atreve a protestar, tão brilhantemente inútil, como o professor da Universidade de Évora que escreveu no Público ontem.

 

Berta Brás.jpg Berta Brás

 

O AO90 e o afastamento entre as variantes da língua portuguesa

Hélio J. S. Alves.jpg Hélio J. S. Alves

Professor da Universidade de Évora

Público, 8/10/15

Há uns anos, fora de qualquer conversa sobre ortografias e acordos, uma amiga exclamou comigo, quase indignada: “Mas por que razão dizes vàcina?! Escreve-se vacina, toda a gente diz vacina, não percebo essa tua mania.”

Apanhado de surpresa, só podia dizer que não sabia, não tinha pensado nisso. Achei então que aquele A escancarado devia ser algum resquício meu de sotaque nortenho. Mais tarde ocorreu-me que dizer vacina, com aquele primeiro A tépido e preguiçoso, poderia ser outro tipo de sotaque, de Lisboa, já que a minha amiga é lisboeta. E como nunca se fala em sotaque de Lisboa (Lisboa pensa que, sendo Lisboa, não tem sotaque), a minha amiga estaria a ser vítima de mais um caso de lisbonocentrismo (palavra que, se não existe, devia existir). Fosse como fosse, nunca mais esqueci o remoque. E mais tarde percebi o que aconteceu. Eu dizia vàcina, sem o saber, porque a palavra vem do latim vaccina e a consoante geminada no latim produz certos efeitos na evolução das línguas românicas que podem ter a ver, como no caso do português, com a articulação da primeira consoante e/ou com a abertura ou prolongamento da vogal anterior. Um caso de oralidade instintiva. A minha amiga, pelo contrário, dizia vacina porque é alfabetizada e sabe ler. Quer dizer, eu abria muito aquele A porque essa é uma das formas que existem em português para manifestar a presença fónica da palavra latina original. A minha amiga fechava o mesmo A porque, com a consagração da grafia vacina, deixou de ver, e bem, qualquer razão para o conservar aberto.

As reformas ortográficas da língua portuguesa realizadas no século XX (em 1911, em 1945 etc.) transformaram grafias como vaccinaem vacina. Contribuíram assim, decisivamente, para a alteração da prosódia, a alteração da maneira como a palavra é articulada nos sons, na sua duração, timbre, ritmo etc. Deixou de existir uma das marcas, um dos sinais, que indicava a pronúncia correcta da palavra. Como tal, a pronúncia foi mudando até chegar àquela vacina de hoje, com o tal A lânguido e abatido.

Uma das consequências mais espectaculares desta mudança ou simplificação ortográfica foi a de afastar o português falado de Portugal do português falado do Brasil. Os brasileiros continuam a dizer

vàcina, pelas razões que eles lá saberão, nós por cá já não vemos razões para dizer senão vacina. Com a ideia de unificação gráfica entre variantes da língua portuguesa, o que se conseguiu foi precisamente o contrário ao nível da oralidade. Curiosamente, as mesmas pessoas que defendem tal simplificação e unificação ortográficas são as mesmas que lamentam a forma cerrada como os portugueses pronunciam a sua língua hoje. Pudera! Se as palavras vão perdendo os sinais escritos que indicam a prosódia, como se pode esperar que o português falado de Portugal, onde os níveis de analfabetismo absoluto são cada vez mais residuais, conserve vogais abertas e consoantes articuladas?

O acordo ortográfico de 1990, ao declarar que se deve escrever “receção”, “setor”, “deteta” e “ativo” porque essas palavras se pronunciam assim em Portugal, não somente está a levar ao delírio velhas e bafientas noções de simplificação e unificação, mas está também a construir uma gigantesca mistificação. Essas palavras ainda não se pronunciam assim em Portugal. Mas, como aconteceu com vaccina/vacina, virão em breve a pronunciar-se como surgem escritas, se não se acabar o mais depressa possível com o AO90. Assim, “receção” não vai distinguir-se oralmente de “recessão”, nem “deteta” se deixará de parecer com “de teta”. O AO90 literalmente educa-me para não dizer “activamente”, como eu sempre disse – com aquele primeiro A bem aberto --, mas sim “ativamente”, com aquele A prostrado, historicamente errado, e, ainda por cima, completamente irreconhecível para um brasileiro. Isto é, o AO90 consegue concretizar duas grossíssimas asneiras ao mesmo tempo: deseduca-me como falante do português e presta um péssimo serviço à unidade transcontinental da língua.

Para evitar acusações como aquelas que acabo de formular, o AO90 apressou-se a oferecer alternativas. Certas palavras passam a poder escrever-se de mais do que uma maneira. Com P ou sem P, com hífen ou sem hífen, com acento agudo ou com acento circunflexo, com letra maiúscula ou com letra minúscula, e por aí fora. Salvando assim a unidade da Língua. Haverá escrita para todos os paladares; no fundo, deixará de haver ortografia (“escrita correcta”) para haver, dizem, língua portuguesa. Uma vez que o acordo é, então, a consagração dum desacordo, o absurdo do argumento nem merece resposta. Infelizmente, porém, a sopa-de-letras-para-todos-os-gostos que é o AO90 dá-me todas as opções menos a de redigir vaccina, para perceber donde vem a palavra, como se escreve e pronuncia, e porquê. O AO90 dá tudo, tudo, a portugueses, brasileiros, angolanos, moçambicanos e tantos mais, menos a única coisa que talvez nos interesse na língua portuguesa: escrever e dizer bem.

 

UMA HORTA NA ESCOLA

 

 

 

Em tempos antigos, nomeadamente no fim do século XIX e princípios do século XX, ensinava-se agricultura nas escolas primárias. Ilustres agrónomos escreveram livros para esse ensino, onde os alunos aprendiam o estudo do solo, a biologia das plantas, as diferentes formas de cultivo, as várias doenças que as afectavam, etc.

 

Embora esse ensino já há muito não conste dos Programas, nalgumas escolas cultivam-se plantas nos terrenos disponíveis. Penso que essa prática devia ser estimulada, sempre que haja um professor interessado e alunos a ajudarem. É uma actividade de grande valor didáctico, mesmo para aqueles alunos que tencionam ter a sua vida futura em sectores muito diferentes, pois contribui para uma ampla cultura geral. Por essas razões, pareceu-me ter interesse divulgar um caso de que tenho conhecimento.

 

MM-Horta na Escola.jpg

 

Na Escola Secundária da Quinta do Marquês, em Oeiras, sob a direcção de um professor de Educação Visual e uma professora de Ciências, com a colaboração de vários alunos, foi instalada uma pequena horta, como se vê na figura. Chamam-lhe “Horta da Marquesa”. Embora ocupe uma pequena área, ali são cultivadas algumas plantas hortícolas, tudo trabalho dos alunos. São casos como este que seria útil generalizar em todo o país.

 

Publicado no "Linhas de Elvas" de 8 de Outubro de 2015

Prof. Miguel Mota.jpg Miguel Mota

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D