Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A bem da Nação

OS TRÊS «NÃOS» E OS QUATRO «SINS»...

 

Costa, 4OUT15.png

 

... DE ANTÓNIO COSTA NO DISCURSO DA DERROTA DE 4 DE OUTUBRO DE 2015

 

  • Não se demite da liderança dos socialistas;
  • Não aceita juntar-se à esquerda para uma maioria negativa contra a governabilidade;
  • Não irá apoiar a prossecução de políticas de austeridade por parte da coligação PSD/CDS.

 

O PS tudo fará para defender o programa com que se apresentou a estas eleições e enumerou quatro pontos-chave que vão orientar a acção socialista no próximo Parlamento:

  • Virar a página da austeridade e da estratégia de empobrecimento;
  • Defesa do Estado Social e dos serviços públicos na Segurança Social, na Educação e na Saúde;
  • Relançar o investimento na ciência e na inovação;
  • Assegurar o respeito pelos compromissos europeus e internacionais de Portugal.

 

(extracto do Jornal de Negócios)

 

Daqui concluo que:

 

  • Enquanto António Costa se aguentar à cabeça do PS, teremos com quem conversar no âmbito da governabilidade de Portugal pelo que nos interessa rezar a todos os santinhos para que ele se mantenha no cargo por muito mais tempo;
  • Não contando com o PS, a maioria de esquerda parlamentar não existirá;
  • O não apoio das políticas da Coligação poderá significar abstenção do PS na votação do Programa do Governo, na do Orçamento do Estado para 2016 e nos diplomas que se seguirão ao longo da Legislatura;
  • Para se alcançar esta atitude parlamentar, a Coligação deverá tomar em linha de conta os quatro pontos que António Costa considera fulcrais (os quatro «sins») integrando medidas específicas tanto no Programa de Governo como no OE16.

 

Tenho toda a confiança nos líderes da Coligação e não duvido de que esta minha leitura só peca por defeito mas entendo conveniente trazê-la aqui para que nós, as bases dos dois Partidos da Coligação, não nos deixemos atemorizar pelos jornalistas nem por outros profissionais do desgraçadismo.

 

De Denang para Hué.JPG 

Henrique Salles da Fonseca

 

OS CALOS DO NOSSO PATRIOTISMO

 

 

“Dói-me Portugal”: Um texto sombrio, socorrendo-se de referências a poesia de Espanha, poesia, segundo Pacheco Pereira, intraduzível noutras línguas em termos de musicalidade, embora ele tenha traduzido dois versos para a sua analogia não patriota, mas apenas pátria: “Uma das duas Espanhas há-de gelar-te o coração”: “Um dos dois Portugais há-de gelar-te o coração”.

 

E segue-se o tal aprofundamento das escrófulas sociais, de hoje como de ontem, é certo, mas por conveniência raivosa apenas responsabilizando os do governo que se pavoneia, os do empresariado em posição de vénia, todo o resto – “os de baixo” - no desemprego ou no emprego precário e, segundo a focalização dos empregadores, descritos como “feios, porcos e maus”, querendo receber sem trabalhar, à custa deles, dos patrões, em vez de “amocharem disciplinadamente”.

 

Já depois deste artigo despejando recalcamentos e ódios intemeratos, surgiu o tal esboço do rectângulo dividido em dois, na “Quadratura do Círculo” pelo mesmo Pacheco Pereira, antecipando – e sugerindo - a proposta pós-eleitoral de governação à esquerda, a qual esquerda cobre mais de metade do país, sem referir a quase metade populacional dos que se abstiveram de votar, o que faz propor a criação de um outro governo para estes, ou pondo-os a governar entre si, embora pelo seu desprezo em participar num acto importante de cidadania, me pareça que esses se estão nas tintas para quem quer que os governe – o que é amorfo.

 

E assim se fomenta o ódio, nestas generalizações de ataques raivosos de uma esquerda desejando ascender, tal como já o fizera anteriormente durante o Processo Revolucionário em Curso de má memória, e que Pacheco Pereira parece querer fazer renascer, com o seu historial sem ponta de equilíbrio, num radicalismo desafogado em mágoas e ódios, que não ressalva os tantos de uma população de facto “de brandos costumes”, não da hipocrisia de Salazar, mas da sua sabedoria e inteligência crítica. Mas Pacheco Pereira parece desejar mais os costumes jihadistas para expansão do seu Islão avassalador, ou mesmo apenas a garra combativa de uma Espanha dos idos de 36/38, atropelada em sangue fratricida, para expansão das suas teorias falsamente humanitárias e desprezadoras da sua pátria.

 

E o “niño que empieza a vivir” terá o coração gelado num desses dois Portugais, como já acontecera na Espanha, nos lamentos de musicalidade intraduzível de António Machado, donde a conclusão de Pacheco Pereira, ambicioso de um Portugal valiente, como a valiente España, desta vez imitando as mágoas de Unamuno: “me duele España”, dói-me Portugal».

 

Berta Brás.jpg Berta Brás

 

Dói-me Portugal

Pacheco Pereira.png José Pacheco Pereira

Público, 5/9/15

 

O poema de Antonio Machado intitulado Españolito é, como muitos poemas seus, intraduzível.

Eugénio de Andrade dava os poemas de Antonio Machado como exemplo da impossibilidade, no caso da poesia, de encontrar noutra língua, não as palavras certas, o que ainda era possível, mas a “música” do poema, o modo como fluía o som dessas palavras. Por isso, aqui vai no original:

Ya hay un español que quiere

vivir y a vivir empieza,

entre una España que muere

y otra España que bosteza.

Españolito que vienes

al mundo te guarde Dios.

una de las dos Españas

ha de helarte el corazón.

É um poema sinistro tanto quanto pode ser um poema. Estamos a caminho da ferocidade da guerra civil espanhola: “uma das duas Espanhas / há-de gelar-te o coração”. Não é hipotético, é certo. Morrerás em breve por uma ou por outra dessas “duas Espanhas”. Como Machado, enterrado junto da Espanha mas do lado francês, para onde fugiu quando a guerra estava perdida para a República.

O tema das “duas Espanhas” é muito antigo e não é alheio também ao pensamento português contemporâneo desde o século XIX. A ideia de que há “dois Portugais” também por cá circulou, mas sem a dramaticidade e a fronteira talhada à faca, com que existiu em Espanha. Houve sempre por cá mais mistura, mesmo nos momentos em que “um Portugal” defrontou o “outro”, nas lutas liberais, na República e na longa ditadura que preencheu metade do século XX português. A essa mistura Salazar chamava a “brandura dos nossos costumes”, uma enorme mentira em que os poderosos desejam acreditar e nem ele acreditava. Também ele era capaz de, com o seu enorme cinismo, agradecer aos portugueses terem sido tão “pacíficos” durante a crise.

Hoje, “dois Portugais” existem e vão a eleições. Um está à vista todos os dias, outro tornou-se invisível, mas está cá. Como é que é possível ele ter desaparecido de modo tão conveniente neste ano eleitoral? É conspiração dos media, é censura induzida, é habilidade de um dos “Portugais”, é apatia, resignação do outro “Portugal”, é incapacidade do sistema político representar ambos, ou só um, é o efeito daquilo que os marxistas chamavam “ideologia dominante”`? É, porque já não há dois, mas apenas um só, e este é o Portugal feliz, redimido dos seus vícios passados, empreendedor, cheio de esperança no futuro, deixando a “crise” para trás, virado para o “Portugal para a frente”? É tudo junto, menos a última razão.

Um dos “Portugais” está de facto invisível nestas eleições. Quem devia falar por ele, não fala e quem fala não é ouvido. Criou-se uma barreira de silêncio onde apenas se ouve a propaganda. Vejam-se as miraculosas estatísticas. Começa porque há as estatísticas de primeira e as de segunda, as que valem tudo e as que não valem nada. As “económicas” são de primeira, as “sociais” são de segunda. Das primeiras fala-se, as segundas ocultam-se.

As estatísticas “da recuperação económica”, escolhidas a dedo e trabalhadas a dedo, são comparadas com os anos que mais convém, umas vezes 2000, outras 2008, outras 2010, outras 2011, outras 2012, outras 2013, etc.. Todas a subir, pouco mas a subir, com “tendência” para subir. Os “do contra” ainda dizem que são tão milimétricas essas subidas e tão condicionadas pelo bater no fundo, tão longe do que seria necessário, tão dependentes de factores externos, que, ao mais pequeno abanão, o castelo de cartas ruirá. Como, para não ir mais longe, se vê com a venda do Novo Banco, o “bom”. (Embora suspeite que mesmo a pior das vendas vai ser apresentada como um excelente resultado, comparada com qualquer hipotética operação mais ruinosa, que “poderia ter acontecido”, mas nunca existiu. É uma das técnicas habituais apresentar sempre o mal como o mal menor.)

Quem é que quer saber, destes pequenos incidentes? Até às eleições servem bem, no dia seguinte, se os seus criativos autores ganharem, voltam a ler com toda a atenção os relatórios do FMI para justificar a continuação da austeridade. Ver-se-á como o défice vai subir, vai-se ver como as coisas são piores do que se apresentou neste ano eleitoral, mas já é passado, não conta.

Há mais de um milhão de desempregados, “desencorajados”, desempregados de longa duração que desapareceram das estatísticas, falsos estagiários, e pessoas que só não estão nas listas do desemprego porque emigraram. Porque queriam? Não. Porque não tinham alternativa e ainda faziam parte daqueles que podiam emigrar. Se estão felizes é por mérito da Suíça, da Grã-Bretanha, da Alemanha, da França e das competências e conhecimentos que ganharam em Portugal, imperfeitos que fossem, antes de 2008. O Portugal que lhe deu essas competências também já está a encolher, a acabar. Estamos a falar de várias centenas de milhares de pessoas. É muito português.

Voltemos aos desempregados que, ó céus!, também não deixaram de existir. São muitas centenas de milhares de pessoas, à volta de um milhão se somarmos, como devemos somar, várias parcelas de pessoas que não tem emprego. Não é sequer emprego sem direitos, é que não tem emprego. Ponto. Por muita imaginação que se possa ter, é suposto que não estejam felizes com a sua vida. Nem eles, nem as suas famílias. É muito português.

Depois, mais um número que se sobrepõe aos outros, uma em cada cinco pessoas é pobre, dois milhões de portugueses. Onde estão eles que não se vêem? Depois de uma overdose pontual de miséria nos anos mais agudos da crise, desapareceram as pessoas que vivem mal de Portugal. Não são boa televisão a não ser como “casos humanos” extremos – a idosa sem pleno uso das suas faculdades mentais que vive imersa na sujidade e na miséria mais extrema numa casa sem vidros, nem água, nem luz – e não é disso que estou a falar. Estou a falar da pobreza que é estrutural, da que recuou dez anos para trás, mas que, neste recuo enorme em termos sociais, perdeu qualquer esperança, aquela que ainda podiam ter no início da década de 2000.

E aqueles a quem cortaram a magra pensão na velhice e a reforma com que pensavam viver os últimos anos, também estão felizes, a aplaudir o PAF? E aqueles que não eram pobres ou tinham deixado de ser pobres depois do 25 de Abril e que agora estão a escorregar para esse “estado” de que já não vão sair até morrerem? Estão felizes e contentes, perdido o emprego, a pequena empresa, o carro, a casa? Sim, as estatísticas de segunda, as sociais, revelam as penhoras, as devoluções, as humilhações, o esconder de uma vida sem esperança, ou seja desesperança. É muito português.

O discurso oficial, o do “outro” Portugal, diz que tudo isto é “miserabilismo”. Diz-nos que apenas o crescimento da “economia”, daquilo que eles chamam “economia”, pode resolver as malditas estatísticas “sociais”. Outra conveniente ilusão, porque, a não haver mecanismos de distribuição, a não haver equilíbrio nas relações laborais, a não haver reforço dos mecanismos sociais do estado – tudo profundamente afectado pela parte do programa da troika que eles cumpriram com mais vigor e rapidez – o “crescimento” de que falam tem apenas um efeito: agravar as desigualdades sociais. Como se vê.

No grosso das notícias, ministros e secretários de estado pavoneiam-se com grupos de empresários em posição de vénia, por feiras, colóquios dos jornais económicos, encontros liofilizados para que não haja o mínimo risco e, quando abrem a boca, é apenas para fazer propaganda eleitoral, a mais enganadora da qual se faz falando do “estado” redentor do país que agora já “pode mudar”. Eles falam do lado do poder, do poder que aparece nas listas dos jornais económicos, os novos “donos disto tudo”, chineses, angolanos, profissionais das “jotas” alcandorados a governantes, advogados de negócios e facilitadores, gestores, empresários de sucesso, a nova elite que deve envergonhar a mais velha gente do dinheiro, que o fez de outra maneira. O “outro” Portugal, o que é tão visível que até cega, com todas as cores, luzes a laser, aplausos de casting, feérico e feliz.

Não é este o meu Portugal. Não lhes tenho respeito. Uns fazem por si, outros fazem pelos outros. Conheço-os bem de mais. Não gostam dos de “baixo”. Acham que eles são feios, porcos e maus. Querem receber sem trabalhar. Querem viver à custa dos outros, deles. Se estão pobres é porque a culpa é sua. Se estão desempregados é porque não sabem trabalhar. Se se lamentam da sua sorte, são piegas. Deviam amochar disciplinadamente para serem bons portugueses. Não. “Há-de gelar-te o coração”.

Direi pois, como o velho Unamuno, “me duele España”, dói-me Portugal.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D