Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A bem da Nação

A EUROPA FOI ANEXADA!

 

 

República do Irão.jpg

 

A Europa foi anexada ao Estado Islâmico!

 

Parece incrível não é? Mas é verdade!!

 

O Estado Islâmico, obviamente nunca poderia realizar este sonho militarmente, todavia a sua inteligência política não falhou! A arma é abusar da sensibilidade humana pois (in)felizmente o mundo cristão tem coração! Para o europeu a mulher representa a ternura, a beleza e o amor; para o ocidental a criança é o fruto desse amor, é alegria e esperança.

 

A imagem de uma criança que morre afogada dilacera o coração de qualquer ser humano que goza de alma, qualquer ser humano familiar com os valores humanísticos, valores estes que acodem uma mulher grávida protegendo-a... venerando-a... mas vejamos a visão islâmica:

 

- Uma criança morre: "Foi a vontade de Allah...esta noite fazemos outra"

- Uma mulher grávida "não faz mais do que a sua obrigação, enfim para isso é que existe"

 

Estamos aqui perante as armas do Islão (i.e crianças e mulheres sobretudo as grávidas) para conquistar, destruir e roubar os "hereges" não esquecendo que A UNIÃO FAZ A FORÇA.

 

Se um individuo tentar atravessar as fronteiras sem passaporte válido com um visto carimbado, estará a infringir a lei que pune tal acção mas se em vez de um forem 380.000???? Uma simples infracção transforma-se num direito humano e se a lei continuar a punir a infracção, o direito humano estaria a ser violado pelos próprios criadores de direitos humanos. QUE IRONIA!!!

 

Por fim, todos os refugiados afluíram da Síria e do Iraque (o cerne do Estado Islâmico) e do Afeganistão (o cerne do Al-Qaeda o aliado do EI) para a Europa e só e unicamente para a Europa… olhem que COINCIDÊNCIA…

 

Perguntemos com o juízo presente: E a Arábia Saudita? Os Emirados Árabes Unidos? O Egipto? Todos ricos e da Fé Sunita porque NINGUÉM se dirige para esses lados?

 

 

Autor devidamente identificado que escreve sob anonimato por razões de segurança pessoal

OPINIÕES – 2

 

Quanto às preferências caprichosas de Maria Filomena Mónica, acho que têm o seu quê de contraditório, pois reconhecendo valores da direita, nessa não vota, por se afirmar de esquerda que, ao que parece, defende o mito homem livre, sabendo quão falso é esse dogma, que entre nós não provém de um conceito espiritual mas apenas grotesco, na má criação das suas permissividades agressivas.

Berta Brás.jpg Berta Brás

 

Uma Entrevista

 

Maria Filomena Mónica.jpg 

Maria Filomena Mónica

“Ninguém me consegue amarrar”

(Excertos):

Armando Vara também está em casa e não era propriamente rico…

Pois é…isso é verdade. Não sei porque é o que o Salgado está em casa e o outro está na cadeia. Vou fazer só um parêntesis: a corrupção em Portugal é muito engraçada, porque muitas das pessoas que mais criticam a corrupção são elas mesmas corruptas. Muitas delas, ao longo dos anos, têm-se gabado – é isso que acho mais extraordinário – de fugirem aos impostos. Não fujo aos impostos, porque acho que numa sociedade civilizada se deve proteger os mais fracos, e por isso vivo como se a minha cabeça fosse escandinava. O Christopher Hitchens, um jornalista inglês que depois foi viver para os EUA, que morreu no ano passado, ensinou-me isto, viver como se. Eu vivo em Portugal como se vivesse em Inglaterra ou na Escandinávia. Vivo como se respeitasse o governo. Nunca meti cunhas nem pedi. E nunca me importei de pagar impostos. O que me importo é que depois os serviços não sejam bons.

Essa qualidade do SNS é algo que devemos à UE?

Dantes era muito pior! Os portugueses estão esquecidos disso! No prefácio («do seu livro sobre a Europa que acabou de entregar à editora, com impressões sobre a Europa com que sonha, por oposição à União burocrática em que estamos integrados») tenho uma nota optimista, que não calha bem comigo mas é o que penso: as pessoas não se podem esquecer do que era Portugal antes do 25 de Abril, do que era a pobreza que vi e vivi. E se sou de esquerda é porque, quando percebi que havia pobres, fiquei indignada.

Quando percebeu?

… Vivia na Rodrigo da Fonseca e estive 14 anos numa escola de freiras que era na Artilharia 1. Esse colégio, das Doroteias, quando eu tinha aí 13 ou 14 anos, achou por bem, para nós exercermos a caridade, levar-nos a um bairro da lata, onde são as Amoreiras agora, e cheguei lá e não queria acreditar! Percebi que o privilégio da Rodrigo da Fonseca era um escândalo, porque ao lado havia miúdos que não iam à escola porque não tinham sapatos, que estavam doentes, as mães tinham sete, oito filhos dos quais só tinham sobrevivido dois, gerou em mim uma enorme revolta que nunca passou. A sensação de que não posso viver numa sociedade em que, a meu lado, há estas pessoas com este grau de miséria. Não estou a dizer que seja possível haver sociedades totalmente iguais, mas devem ser dadas oportunidades aos filhos dos pobres para terem alguma ascensão social, se forem suficientemente trabalhadores e inteligentes, e isso não acontecia em Portugal. Marcou-me muitíssimo, até hoje! E a minha relação com os impostos deriva desta sensação de que não é bom viver numa sociedade com graus de desigualdade gritantes. E a crise, desde 2007 até hoje, principalmente nos EUA, tem aumentado muito mais a desigualdade social.

Vai voltar a votar branco em Outubro?

Vou. De resto não me entusiasma nem o Passos Coelho nem o António Costa. Também a campanha tem sido tão desinteressante de ideias… Não é que ache que as ideias são muito importantes, não leio os programas, mas a personalidade misturada com as ideias é importante e nenhum deles tem uma personalidade forte.

Na última entrevista ao i, e a propósito do livro sobre o Eça que publicou, disse que Passos Coelho era um produto inexistente no século XIX e que Sócrates era Dâmaso Salcede, ‘chic a valer’.

E viu-se como é que acabou o chic a valer, não é? Ele tinha um fascínio pelos aspectos externos da riqueza, carros, casas, um curso, sem se dar ao trabalho de se esforçar. Quer dizer, até admito que uma pessoa que não é particularmente rica e que vem da província possa querer as mesmas coisas que os lisboetas têm, mas tem de se dar ao trabalho de tirar um curso decente, de não fazer exames ao domingo. Já em 2009 tinha escrito, para uma revista chamada GQ que não sei se ainda existe, o retrato do Sócrates. A minha embirração com ele já vem daí, porque percebi que era um vigarista.

Na semana passada voltou ao ataque no “Expresso”, chamou-lhe mitómano.

Sim, porque duvido muito que aquilo seja uma tese de mestrado. Acho que é um aldrabão nato, mente até sobre o sítio onde nasceu… O Passos Coelho tem uma vantagem: é calmo. Não sei se é aldrabão, houve aquela baralhada da Tecnoforma, mas não tem nenhum carisma… Para se fazer política há uma parte que é emocional. Não é que eles devam ser teatrais, não estou a dizer isso e não gosto nada de populismo.

Paulo Portas tem isso?

Tem, dos líderes políticos é o que tem mais e é capaz de falar sem um papel, porque os nossos deputados e os nossos líderes políticos para dizerem ‘bom dia, até amanhã’ têm de levar um papel escrito. O Portas não, o Portas sabe falar em público, exprime lá as suas ideias, com as quais não estou de acordo, fiquei vacinada contra a direita. Às vezes penso: se não tivesse nascido no meio social em que nasci, será que era de direita agora?

Diz que é de esquerda pelo ateísmo e pela liberdade mas que há muita gente que acha que é de direita. Porquê?

Porque acham que sou meritocrática e muito rigorosa e dura com as pessoas e quero que os meus alunos saibam tudo, mas isso não é uma coisa de direita. Muitas pessoas acham que, sei lá, gosto de ter uma casa bonita e que para ser de esquerda tinha de viver num buraco com um sofá cheio de nódoas, não sei.

Para si o que defende a esquerda?

A igualdade social, as liberdades. Em Portugal não há tradição nenhuma da defesa das liberdades políticas ou de costumes, nunca houve. A direita nunca defendeu as liberdades.

A esquerda defende mais a liberdade de pensamento do que a direita?

Alguma esquerda defende a liberdade de pensamento. Não o Partido Comunista, porque aí há o centralismo democrático e o que diz o chefe é o que vale, é como com os evangelhos.

Acha que há mais corrupção quando há um governo socialista do que de direita?

No caso de Sócrates sim, mas não é sempre. Os ricos portugueses habituaram-se a um certo sentimento de impunidade.

Os ricos estão melhor com que governo?

Os ricos estão com todos os partidos e dão dinheiro a todos, como se viu com o Salgado, que deu dinheiro à Fundação Soares, outro escândalo nacional. Gostava que um jornalista averiguasse bem como é que aquela fundação foi feita, quanto é que recebeu do Estado. Da câmara sei que recebeu, mas e do Estado? O que me disseram foi que em alguns dos primeiros anos de vida da Fundação, esta, que é privada, teve mais dinheiro do Estado do que a Torre do Tombo ou a Biblioteca Nacional. Que dinheiro é que foi para essa fundação?

O caso BES rebentou, ou teve o seu auge, precisamente no governo Sócrates.

Penso que este governo tem menos corrupção do que o governo Sócrates, sim. Mas se formos ver no passado… Não me lembro bem, não dou atenção à peripécia política, mas penso que, num país pobre que, de repente, tem fundos europeus, a corrupção tende a grassar.

Está a falar do governo de Cavaco.

Sim, e a responsabilidade não é só dos políticos, é do povo português, porque o povo pensa ‘se lá estivesse se calhar fazia o mesmo’. Não há, por parte da população, uma crítica genuína à corrupção, é como em Itália, é-lhes indiferente, estão habituados à corrupção, é um bem de cultura. E aqui também. Às vezes pensava, dizia isso ao António [Barreto], se calhar a direita, como são ricos, não precisam tanto de ser corruptos, mas depois pensei que não é verdade, eles são é corruptos de outra maneira.

Como?

Não são corruptos à Sócrates. Comprar um apartamento no Heron Castillo eles acham que é uma possidoneira de morte, querem lá casas no Heron Castillo, querem é na Quinta da Marinha, com árvores, resguardadas. São corruptos de outra maneira. Para os ricos, os políticos estão abaixo deles, são marionetas ao serviço deles, enquanto a esquerda é gananciosa. O [Armando] Vara e as outras pessoas devem pensar ‘isto é uma oportunidade bestial para agora começar a arranjar empregos para os meus amigos, primos, para mim’, e de repente aparece um Carlos Santos Silva da Covilhã com milhões. Os ricos já são ricos, o que eles acham é que devem ser feitas leis de acordo com o que querem e desprezam os políticos. Veja lá se vê alguém com um apelido sonante a ir para a política, é o vais! O que acho que se nota depois da revolução de Abril, e durante muito tempo não reparei nisso, é a mobilidade social. Há a ascendente, ou seja, os filhos dos trabalhadores e da pequena burguesia que, até então, não tinham tido acesso à Universidade, e que passaram a poder sonhar em frequentar o ensino superior. Não apenas a sonhar, mas de facto a ela ter acesso. Com tantos sociólogos que andam por aí a estudar os graffitis e outras parvoeiras, é lamentável que não saibamos qual é a percentagem de filhos de gente com apenas a instrução primária que passaram a frequentar a Universidade. A grande novidade é a mobilidade social descendente, ver que alguns filhos das grandes famílias nacionais tiveram de emigrar para ter um emprego. Até certo ponto, para a elite social a garantia de perpetuação do privilégio desapareceu. Portugal é hoje uma sociedade mais aberta, mais competitiva e meritocrática, o que evidentemente considero uma coisa boa.

Falou de Passos Coelho e de Sócrates. De Seguro diz que era um totó. E António Costa?

Está a fazer uma campanha desastrosa. Nunca leio programas, não preciso, prefiro que me digam nos jornais ou na televisão como é que eles vêem o mundo. E não vejo uma visão muito diferente, no caso do António Costa, da visão do Passos Coelho. O que acontece é que, no meio da crise, o que eles têm é de gerir. Mesmo assim, o António Costa deveria dizer ao seu eleitorado socialista o que o preocupa genuinamente e o que vai fazer. Não é dizer ‘vou criar não sei quantos postos de trabalho’, depois afinal já não é criar, é uma estimativa. Isto são coisas pequeninas que fazem as pessoas desconfiar. A cena dos cartazes em si até nem tem uma grande importância, suponho que em todos os países se arranjem cartazes lá na instagram ou como se chama.

Nos bancos de imagens.

Isso. Simplesmente aquelas eram particularmente infelizes porque diziam ‘Eu sou desempregada’. E depois aquilo ficou assim tudo numa névoa, num pântano. E agora ele aparece no cartaz cor-de-rosa! Não percebo o que lhes passou pela cabeça para fazerem aquele cartaz! Não acredito que o António Costa tenha a menor vergonha em assumir que tem sangue indiano, até porque ele tem orgulho no pai. Fazem-no branco para quê? E os jornais não falam nisso porquê? Porque têm medo de serem apelidados de racistas? Não tem explicação! Não me tem atraído, não me convenceu ainda a votar nele.

Nem noutros candidatos?

Não, na direita não voto, nunca!

Referia a esquerda.

Não, porque a esquerda é como o Syriza e o Podemos, sonham com um mundo que já não existe, que é um mundo, como disse, das classes trabalhadoras, provavelmente com uma ditadura do proletariado, esse mundo desapareceu. Hoje em dia há a globalização, há fenómenos absolutamente novos como o desaparecimento da classe operária, e portanto o mundo do Bloco é um mundo anacrónico. A única deputada que respeito é a Mariana Mortágua, porque desempenhou um óptimo papel e porque mostrou aos portugueses o que é ser deputado, é uma mulher que vai para casa e que prepara as coisas e portanto interroga. Até votava na Mariana Mortágua se ela fosse do círculo da Lapa e se não fosse do BE e eu não tivesse que pôr a cruzinha no BE. Imagine que havia círculos uninominais, como acho que devia haver, e que a Mariana se candidatava. Fiquei com confiança nela, porque percebi que ela trabalhava. Os outros estão lá e nem sei os nomes deles. Levantam-se, sentam-se, levantam-se, sentam-se. Pff. Não me interessa.

Vê-se que a Mariana estudou o dossier e que sabe do que fala, mas não haverá mais gente assim que não vemos na televisão? Não estaremos a ser injustos?

Não, não estamos a ser injustos, leio três jornais diários e todos os semanários, e deixei de ver o telejornal, deixei de ver televisão portuguesa completamente, agora desde que estou doente só vejo séries à noite quando paro de trabalhar. Não considero que haja políticos que estejam a fazer coisas maravilhosas e que nunca tenha dado por isso, não.

Mas e criar, acha que Mariana, se estivesse no poder, conseguiria criar?

Não sei, por isso digo que não votaria nela do ponto de vista ideológico, porque ela sonha com uma sociedade e com acção política para uma sociedade que não existe. Portanto eles podem querer o que quiserem, isso desapareceu. Por exemplo, acho que o Rui Tavares é um homem inteligente, mas o modelo na cabeça dele da sociedade portuguesa não é o que existe.

E para a sociedade real, que propostas é que deveriam ser feitas?

Olhe, têm de discutir a Europa, alguma vez viu a Europa ser discutida? Não, nem fazem ideia. A globalização? Zero. A concorrência dos chineses, a escola pública, há imensas matérias sobre as quais eles poderiam ter uma opinião. Só para dar um exemplo, deve ou não o Ministério da Educação subsidiar escolas privadas que são frequentadas por meninos ricos, nomeadamente escolas católicas cujos pais têm dinheiro? Para que é que o Estado está a subsidiar? Concordam ou não concordam? Perguntas concretas! Você é ou não a favor dos numerus clausus nas universidades? Como devem ser determinados? Mantendo-me ainda no domínio do ensino, que é o que conheço melhor, acha que o acesso às universidades deve ser feito por um computador como é feito agora, com base nas notas dos exames, ou as universidades devem dar-se ao trabalho, porque são preguiçosas, de elas próprias escolherem os alunos como deve ser? Os problemas concretos não são discutidos no parlamento nem na campanha. Andam a discutir a porcaria dos cartazes porque é a única coisa que veio ao de cima. A impreparação total do ponto de vista técnico impede o PS de montar uma campanha decente. Os outros, como diz o Marcelo Rebelo de Sousa, estão todos a fazer de mortos e se continuam a fazer de mortos até às eleições vai haver uma enorme abstenção. Porque as pessoas olham para aquilo e cresce uma coisa que me apavora, que é a raiva contra os políticos, que acaba sempre mal. Felizmente estamos na Europa, porque senão isto podia acabar muito mal.

Texto de

joana_viana.png Joana Viana

e de

vítor raínho.jpg Vítor Raínho

Jornal I 29/8/15

 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D