Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A bem da Nação

O RIO DA MULA

 

HSF-abdicação D. Juan Carlos I

 

No dia em que D. Juan Carlos I de Espanha abdicou do trono, foram muitas as coisas de que me lembrei...

 

Foram historietas do foro pessoal sem qualquer expressão política mas que fazem lembrar muitas coisas da política durante o reinado que então terminou, felizmente que em vida.

 

Um dia estava eu na Quinta da Marinha, em Cascais, a espreitar uns cavalos dentro das boxes e olhando para o lado deparei com o Rei de Espanha, com a Rainha e com a Infanta Dona Pilar, irmã do Rei, espreitando os mesmos cavalos. Discretamente, afastei-me e segui em silêncio respeitando o anonimato de que a Família Real Espanhola estava a gozar.

 

De outra vez, estava eu no «Van Gogo», então a mais famosa “boite” de Cascais, a dançar com uma namorada e constatei que sou muito mais baixo que o Rei de Espanha que ali mesmo dançava com a Rainha.

 

Muito antes disto, no ringue de patinagem do Cruzeiro (no Monte Estoril), o meu primo Tomás chocou com outro rapazola e deu-lhe uma bofetada, ao que o outro respondeu por igual. À noite, ao jantar, a minha tia contou a cena identificando o outro chocante, o então Príncipe das Astúrias, futuro Rei de Espanha. E o meu tio[1], com o humor que lhe era característico, avisou o meu primo de que nunca mais haveria de ser autorizado a ir a Espanha. É claro que tudo não passou duma rapaziada inconsequente.

 

Sim, D. Juan Carlos estava (está e estará sempre que puder e quiser) em Cascais como qualquer um de nós. Com uma diferença: ele sempre foi um Senhor; nós, nem todos.

 

Ele bebeu água da Barragem do Rio da Mula; nós também.

 

Sim, foi destas coisas que me lembrei no dia em que D. Juan Carlos abdicou.

 

HSF - retrato por FGA Henrique Salles da Fonseca

 

[1] - O escritor Branquinho da Fonseca

BICHOS

 

Os cães são bichos simpáticos, dedicados ao dono, toda a gente sabe disso, inteligentes também, lê-se nos livros, vê-se nos filmes, contam-se exemplos.

 

A minha Zepa foi um exemplo, numa inter-relação de carinho que a fazia pôr-se no sítio onde os meus pés iam estar. Foi o que aconteceu um dia em que eu estava a pôr roupa a secar, no estendal do quintal e tive que lhe dizer, em voz branda, sem nenhuma inflexão mais forte, Zepinha, estás-me a estorvar, sem pensar que ela me entendesse. Mas a Zepa deu meia volta imediata, embora eu nem a tivesse mandado embora, só lhe disse sem nenhuma inflexão especial que me estava a estorvar e foi pôr-se noutro lugar, à sombra de um banco de jardim, velho como a casa de mais de cinquenta anos.

 

Percebi a frase que ouvi muitas vezes sobre a inteligência dos cães “Só lhes falta falar!”, pois na verdade parece que percebem as falas, sobretudo se deles se fala, mas eu nem me debrucei para lhe falar, à Zepa, estava a pendurar uma peça de roupa, de braços erguidos para o arame, mais preocupada com a gestão do meu tempo.

 

Pouco tempo depois, a Zepa morreu, doze ou treze anos de vida livre e várias ninhadas. Andavam a fazer uma piscina na casa atrás de nossa e o estrondo das escavadoras fez a Zepa fugir, já arrastando-se, vivendo os seus últimos dias, que julgávamos ainda distantes do fim. Dessa primeira vez, consegui encontrá-la debaixo duma cadeira de uma esplanada onde ela ia connosco, faltei a uma aula, levei-a de volta a casa, deixei-a ali fechada. Mas no dia seguinte, a Zepa desapareceu de novo, com a carga de dinamite daquele dia que a assustou. Foram inúteis as buscas, dizem que os cães vão morrer longe da casa onde foram amados e comprovei-o com a Zepa, na sua delicadeza discreta.

 

Não assim com o Nick seu filho, que morreu anos depois, a escutar os meus soluços agarrada a ele.

 

Sempre jurei que não queria bichos em casa, para não sofrer as suas dores e as suas mortes, mas afinal a Zepa, que me foi largada um dia, às três da manhã, por uma cadela a quem dávamos de comer, foi o início de gerações de cães e de martírios, até para os distribuir. Mais tarde apareceram os gatos também, de uma gata vadia, e os meus filhos contam da dedicação do Rosso, a substituir a gata, sua esposa, no aconchego dos filhos.

 

Histórias perdidas no tempo, guardadas na moldura que lhes contém o retrato – a Zepa, o Nick novo, o Rosso, o Nick velho, fiéis amigos, companheiros de folguedos dos meus filhos.

 

Fox-Professora Berta Brás.jpg

 

Vem isto a propósito do Fox, que para o mês que vem passa o seu décimo quarto aniversário. Foi um cão com as vacinas todas enquanto na infância, pertencente então ao meu filho Luís, muito responsável na altura, mas que o despachou para os pais assim que o Bruno nasceu. Não teve mais vacinas, mas foi ao veterinário sempre que precisou. A trela que trouxe só serviu nos primeiros tempos, quando ia com o meu marido comprar o jornal. Mas a experiência de vida tornou-o hábil a livrar-se dos carros, foi um cão livre de trela, tal como os anteriores. Adaptou-se bem a este apartamento e de manhã põe-se em riste para ir lá fora, ladrando lá no rés-do-chão quando quer entrar. Um cão esperto, com bastante mimo e dores nas pernas que se vão mitigando com os comprimidos próprios. Ainda se entretém com as e os camaradas do seu prazer, embora comedidamente, e o resultado disso é que se esgota e por uns tempos come menos, o que me aflige, naturalmente. Assim aconteceu há dias, diante do prato com frango e arroz que não se dispunha a comer. Como o meu marido deixou em cima da mesa o courato restante de um pedaço de presunto que a minha filha lhe trouxera das suas férias no Norte, resolvi acrescentar esse courato ao arroz não com favas mas com frango e cebola e alho, que acrescento ao granulado vitaminado, atirando-o para o prato.

 

À noite, estava eu a passar a louça para a máquina por água, quando olhei para o prato do Fox. Estava totalmente limpo, e fiquei satisfeita, naturalmente. Mas aos meus pés encontrei o courato, ali largado e admirei-me, pois eu tinha-o posto no prato do Fox. Fiquei intrigada e voltei-me para trás, talvez para o chamar e lhe fazer uma festa por ter comido tudo, menos o courato, é claro, que, aliás, eu não pensara que comesse. O Fox estava estendido sobre o respeitável ventre, as duas patas para a frente, e olhava-me com um ar humano, que nunca lhe vira – um olhar simultaneamente de desprezo, de dor, de orgulho ofendido, de profunda frustração, se não indignação, por lhe ter posto courato no prato. E não é que me senti envergonhada pela minha acção jamais praticada antes, de misturar courato de porco na comida do Fox? Quando me voltei novamente, nem sei se para lhe pedir desculpa, o Fox desaparecera. Dera-me a lição merecida com o seu ar de reprovação e voltara altivamente para o seu tapete.

 

Já contei esta história várias vezes, sempre na estranheza e no riso: eu nunca vira um ar tão enevoado e humano no meu Fox, Hoje contei à minha irmã e o Fox escutava, prostrado, mas de olho vivo, a compreender.

 

Berta Brás 2.jpg Berta Brás

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D