Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A bem da Nação

OPINIÕES

 

Passos e Portas.jpg

 

Confesso que gostei dos discursos deles. O de Paulo Portas, mais literato, mas cheio de verdades e de frases desafiantes, com a necessária clareza e elegância; o de Passos Coelho no realismo caseiro da sua experiência já longa, feita da “estreiteza” (para muitos) tacanha de um pensamento “honesto” (para poucos), cujo fito foi, desde sempre, o de salvar a nação de um desastre económico. Mas, é claro, os programas televisivos de ajuizamento desses discursos já estavam de antemão artilhados e explodiram de imediato, sem darem tempo a reflexão, aliás, também desnecessária, já de antemão fabricados segundo a fórmula de sempre e obedecendo aos critérios do partido de que dependiam, indiferentes aos condicionalismos financeiros impostos ao Governo, na adopção das políticas de austeridade e aos êxitos ainda mínimos mas reais do novo status.

 

António Costa foi o primeiro entrevistado e nada trouxe de novo, no seu ataque de melodrama inflamado segundo os parâmetros usuais da inflamação. Jerónimo de Sousa também foi entrevistado a sós e introduziu um dado novo, o da saída da NATO, que ele disse estar subentendida na Constituição de 76 que, ao que parece, isenta o Estado Português de intervencionismos militares do foro mundial, já industriados os que a produziram – a Constituição de 76 - pela isenção autodeterminada de intervencionismo militar nacional em tempos, embora tal norma não estivesse contida na Constituição de 33. A jornalista que o entrevistou, creio que a mesma Clara de Sousa que entrevistou Costa e Passos, ainda falou da queda do muro como determinante de um menor relevo do comunismo actual, mas Jerónimo de Sousa garantiu que o nosso comunismo é todo ele feito de normas seguidoras do cristianismo exigente do pão de cada dia para as classes trabalhadoras, sobretudo, embora me pareça isso uma falsidade, ao aperceber-me de que os concertos musicais e outros eventos culturais específicos da nossa cultura continuam a produzir espaços cheios, com bilhetes caros, o que comprova um certo bem-estar material, apesar do que se clama por aí de pobreza, para a qual, de resto, várias organizações caritativas acorrem, como foi sempre regra entre nós.

 

Mas, ao ouvir hoje, na Opinião Pública da SIC a iracúndia dos que ligaram para dar o seu parecer sobre os discursos de ontem, perguntei ao meu marido o que pensava de tanta violência oral e respondeu:

- Se aqueles que têm dados, que sabem que o país está mal são contra, porque o que querem é o poleiro, o que se pode pensar das pessoas que apenas sentem quando se lhes toca no bolso? Destes não há que esperar outra coisa, é o seu imediato, não sabem outra coisa além de o dizerem de uma maneira pouco educada, usando a palavra gatuno para qualificar o 1º Ministro, como se estivessem no arraial. O que deviam perguntar é como é que este país pôde fazer tanta construção sem dinheiro.

 

Concordei, é claro. Mas lamentarei sempre que seja assim.

 

Berta Brás.jpgBerta Brás

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D