Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A bem da Nação

NOTÍCIAS ESCOLHIDAS

 

 

Zeitungen.png

 

 

DEZ MIL CÃES COMIDOS EM DOIS DIAS NUMA CIDADE DA CHINA APELO DE UM GATO ARREPENDIDO

Na China, todos os anos se realiza o Festival da Carne de Cão. Na festa realizada na cidade de Yulin de 21 a 22.06, terão sido consumidos 10.000 cães, segundo informam os meios de comunicação chineses.

Na China é tradição comerem-se cães e gatos, entre nós é tradição comerem-se porcos e vacas. Para amargura dos animais, cada tradição defende as suas desmoderadas predilecções!

Na minha consciência de gato humano, atrever-me-ia a fazer um apelo a todos os carnívoros: reduzam o consumo da carne a metade da ração semanal. Só assim poderemos contribuir contra o tratamento indigno de animais, diminuir o seu sofrimento e reduzir também a discriminação dos animais. AJ

 

NA ALEMANHA O NEGÓCIO COM A EUTANÁSIA É TABU

O Parlamento Federal alemão discute em primeira leitura a 2 de Julho quatro projectos de lei sobre a eutanásia para que ainda em 2015 seja possível uma lei sobre o tratamento de pacientes em estado terminal. Os projectos de lei vão da liberação da eutanásia desde que não se torne negócio, a um suicídio com assistência médica, até uma proibição da eutanásia. A Ordem dos Médicos alemã revela-se, com 80% dos médicos contra a eutanásia. O seu presidente disse na ARD-Morgenmagazin: “Não se deve morrer através das mãos do médico, mas ser acompanhado pela mão do médico na morte”. O negócio com a eutanásia floresce no estrangeiro causando o turismo da morte em países vizinhos. Situações conflituosas não deveriam porém ser criminalizadas. AJ

 

UNIÃO EUROPEIA OFERECE MILHARES DE MILHÕES DE EUROS PARA INTERNET RÁPIDA

A Comissão Europeia coloca imensos dinheiros à disposição na EU para a expansão da Internet de banda larga.

A Alemanha que tem bons peritos em questões de aplicações de dinheiros da EU conseguiu da Comissão a homologação de um apoio de três mil milhões de Euros para a expansão da banda larga na Alemanha.

Estes auxílios financeiros concedidos pela União Europeia podem ser requeridos por prestadores de serviços privados e por municípios. AJ

 

REFORMA DAS DIRETRIZES EUROPEIAS PARA PROTECÇÃO DE DADOS NA INTERNET

O fortalecimento da protecção de dados na Internet está em discussão avançada no parlamento europeu.

A espionagem americana e de outras instituições levaram a política a prosseguir esforços iniciativos relativamente à defesa da privacidade pessoal quanto a dados que lhe digam respeito incluindo o direito de esquecer por parte das tecnologias de informação.

A defesa da esfera privada deve obedecer a padrões mais elevados e iguais nos 28 países da EU. Será securitizado o direito a esquecer. Assim, o cidadão passa a ter o direito a apagar dados e fotos sobre a sua vida profissional e privada. O tratamento posterior de dados deve ser expressamente permitido pelos usuários. Deste modo impede-se a comercialização de dados dos utentes do Facebook que o pretendam. Muitos utilizadores dos motores de Internet viam-se perturbados com a recepção de e-mails e por vezes surpreendiam-se, no caso de candidatura para um lugar de trabalho, pelo facto de o entrevistador já ter informações sobre ele. Este abuso será dificultado com a nova legislação em via. No caso de circularem dados expressamente não permitidos, o utilizador pode reclamar. O parceiro de contacto para a reclamação é a Comissão Nacional de Protecção de Dados Pessoais Informatizados (CNPDPI) que está situada na Rua de São Bento n.º 148-3º 1200-821 Lisboa – Tel: +351 213928400 - e-mail: geral@cnpd.pt. AJ

 

PORTUGAL NUM DIA DE VERÃO FRIO NA ALEMANHA

Portugal é Norte e Sul, é mar e povo, é sol e vento, é rosmaninho com cheirinho a liberdade. Portugal das lanternas que deixam o desejo de liberdade na dança escorregadia do povo na calçada. Meu Portugal do coração, tu és grande porque ocultas em ti o mundo inteiro.

Hoje (22.06), aqui na Alemanha, liguei o aquecimento para também sentir um pouco de Portugal! AJ

 

O QUE A UNIÃO EUROPEIA PRECISA É DE UMA ECONOMIA PACÍFICA!

O que a UE precisa é de subsidiariedade social, fomento do federalismo, autogestão, distribuição das centrais das multinacionais pelos diferentes países e política económica pacífica não deixando transformar o Parlamento Europeu nem a Comissão Europeia em centos estratégicos de propaganda ideológica e de poder dos lóbis.

Enquanto se não criar um imposto de solidariedade em toda a Europa para apoiar as economias mais fracas deveria ser interrompida a política de austeridade imposta aos mais fracos. AJ

 

VIOLÊNCIA SEXUAL EM JARDIM INFANTIL – ONDE AS CRIANÇAS JÁ CHEGAM

Segundo informações do bispado de Mogúncia houve, entre as crianças de um jardim-de-infância de Mainz-Weisenau, violências sexuais graves, violência, extorsão e numa criança até ferimentos nas partes sexuais. Quase todas as 55 crianças foram afectadas; as crianças eram obrigadas a mostrar as partes sexuais e deixar-se bater e introduziam objectos no ânus, sendo ameaçadas de morte, se não se envolvessem nos jogos. Todo o pessoal empregado foi despedido por ter falhado nas suas funções de supervisão e o jardim infantil foi encerrado até Setembro. As queixas apresentadas pelos pais causaram grande espanto e consternação no bispado.

Os especialistas em psicologia partem do princípio que as crianças para chegarem a tal comportamento terão visto filmes pornográficos ou terão feito experiências de abuso.

Crianças precisam de uma protecção especial. Não devem ter acesso à Internet e no caso de o terem não deveria ser sem um certo controlo. Os resultados tornar-se-ão desastrosos para as próximas gerações. Embora a política da EU, por razões ideológicas e para conseguir a introdução de novos códigos morais, use e abuse da regulamentação da educação sexual nas escolas, isto não deve constituir motivo para abandonar as crianças a si mesmas. AJ

 

CURANDEIRO/VIDENTE CONDENADO A TRÊS ANOS DE PRISÃO POR VER DEMAIS

Na Alemanha, em Kassel um feiticeiro/mago auto proclamado foi condenado pelo tribunal a três anos de prisão por agiotagem em 28 casos. O curandeiro, de 66 anos, entre 2000 e 2009, conseguiu receber de uma só senhora 680.000 euros por cartomancia, acender velas e por actos de círculos de protecção com incenso e rituais de obstruções de sepulturas. Como havia perigo de fuga o juiz decretou prisão imediata.

Todo o curandeiro que, para poder detectar o futuro, problemas ou doenças de pessoas, leve dinheiro é sinal de aldrabice. De facto o dinheiro turba o espírito e não deixa ver longe! AJ

António Justo.jpg

 António da Cunha Duarte Justo

UBERABA – MINAS GERAIS – 2

 

BOI ZEBU.jpg

 

 Um pouco da história do Zebu no Brasil

 

Fico muito recompensado quando alguém comenta ou esclarece o que escrevo. Sempre uma oportunidade de aprender mais e divulgar assuntos que se não interessam à maioria dos leitores, sendo história do que quer que seja, é sempre válida.

 

De um amigo, agrónomo, recebi o seguinte comentário:

 

Meu caro

 

Como eu tenho quase trinta anos de Uberaba (agora vivo, aposentado, em Portugal) e sou cidadão honorário, adorei ler as tuas observações que me trouxeram boas recordações... mas gostaria de te fazer uma observação cá da minha profissão e experiência. Vou procurar ser sucinto – e desculpa não saber descrever com a beleza da tua caneta. (gentileza do amigo!)

 

A estória do Zebu tal como te foi apresentada pelo La Roque (Nota: Não foi o meu parente La Rocque que me falou dos zebus, mas...) é pura fantasia dos uberabenses originada pelos descendentes dos tugas (leia-se “portugas”!) na maioria para não falarem a verdade, não pode ter fundamento real tal como é contada e descrita.

 

As Naus quando vinham da Índia traziam zebus indianos e africanos. As naus que vinham de África traziam zebus africanos... e muitas expedições no regresso dos orientes deixaram animais pelo litoral de aí... como deixaram na região do Cabo e em Cabo Verde.

 

Os antigos colonos tugas e outros europeus nunca acharam que o Zebu fosse boi... sempre preferiam criar o bovino europeu. O zebu era mais para o lado das cabras; mas os Jesuítas e Engenheiros Militares que passaram pela Índia e Cabo Verde e fizeram depois comissão no Brasil, sabiam das vantagens do zebu e azebuados.

 

Quando o comboio chegou ao Rio Grande e os comerciantes de Uberaba que levavam carretas de mercadorias com bois azebuados (sobretudo de África) ao Tocantins e Campo Grande e acima, se aperceberam que levavam menos tempo e morriam menos naquelas grandes distancias que os bovinos exclusivamente europeus.

 

Foi nessa observação que um grupo de corajosos comerciantes se decidiu ir à Índia comprar reprodutores corpulentos para puxar e obter descendentes para ir e voltar com menos tempo e menos perdas. Alguém do grupo estaria bem informado das questões climáticas que já eram discutidas na Inglaterra e Bélgica na 2ª metade do século XIX, mas claro, posteriormente não quiseram dar o braço a torcer sobre a origem deixada pelos navegadores tugas pelo menos mais de dois séculos antes, e inventaram estórias sem pés nem cabeça, como o naufrágio de um Circo, importação de Jardim Zoológico e outras patranhas sem pés nem cabeça, claro que a "malta " nem se apercebe das fantasias originadas por contadores de estórias (comerciantes mentirosos natos).

 

Tudo começou com a chegada do trem ao Rio Grande e quando transportar mercadorias de Uberaba para Goiás e Mato Grosso foi um excelente negócio, depois claro vem a ousadia e sabedoria fazer bem como fizeram, de seleccionar e etc. e, claro que com os azebuados ganhavam muito mais "massa" (leia-se “grana”).

 

No site abaixo encontramos outra fonte de muito interesse:

http://stravaganzastravaganza.blogspot.com.br/2011/02/as-importacoes-brasileiras-de-racas_25.html

 

O primeiro registro de entrada de zebuínos no Brasil foi em 1813, quando um casal de bovinos, oriundo da costa do Malabar na Índia foi desembarcado no porto de Salvador. Embora estudiosos especulem que os primeiros bovinos que chegaram a São Vicente em 1534, foram mestiços com algum sangue de Zebu.

Mais tarde, da África vieram em 1826, dezenas de animais da região do Nilo e entre 1810 e 1890 do Senegal, do Congo e da Nigéria. Do Madagáscar também vieram animais em 1891. Infelizmente não foram deixados registros sobre a identificação das raças dessas importações.

 

Em 1868, um navio inglês descarregou um casal de zebuínos em Salvador e o puseram à venda. Não se sabe quem adquiriu e o que aconteceu com ele.

 

Em 1870, o 1º barão de Duas Barras, importou um touro Guzerá para a sua fazenda de Cantagalo, na província do Rio de Janeiro.

 

No início, os zebuínos eram animais exóticos e adquiridos dos zoológicos europeus.

Em 1874, o barão do Paraná, importou um touro e uma vaca da raça Ongole (Nelore) do jardim zoológico de Londres. Fez outra aquisição da mesma raça do mesmo local em 1877.

 

No ano de 1878, outro fazendeiro comprou um lote de zebuínos Nelore da ‘Casa Hagenbeck’ de Stellingen, Alemanha, que levou para a sua fazenda de Sapucaia (RJ), onde sobre controlo científico iniciou o aperfeiçoamento da raça. Na década de 1940, um outro criador adquiriu alguns animais e continuou o seu trabalho de aperfeiçoamento.

 

Outras empresas foram envolvidas na importação de gado da Índia, como a ‘Friburgo & Filhos’, sedeada no Rio de Janeiro, importantes fazendeiros de café. A ‘Crashley & Co’, de capital inglês, também se envolvia no agenciamento de importações de zebuínos.

 

Porém, uma das empresas mais actuantes foi a ‘Hopkins, Causer & Hopkins’ de Birmingham, Inglaterra, que tinha filiais no Rio de Janeiro, São Paulo e Juiz de Fora (MG), que efectuou muitas importações entre 1908 e 1910, a maior quantidade para o governo de Minas Gerais. Importante também foi a ‘Casa Arens’, sedeada no Rio de Janeiro e com filial em São Paulo.

 

Nas décadas de 1910 e 1920, começaram as importações directamente da Índia. Estas importações foram realizadas através das casas especializadas em animais do Rio de Janeiro e por famílias de origem alemã do interior do Rio de Janeiro, principalmente do município de Cantagalo. Os primeiros animais eram da raça Ongole, que ficou entre nós conhecida como Nelore. A razão do nome é que os brasileiros compravam os melhores animais da raça Ongole e usavam a província de Nelore como local de embarque dos animais para o Brasil. A partir destes primeiros animais foram povoados os Estados do Rio de Janeiro, Minas Gerais e Bahia.

Nas primeiras décadas do século XX, embora tenha aumentando o número de criadores, os plantéis ainda eram pequenos e aos seus proprietários, não tão prósperos, faltavam fundos até para substituir os reprodutores que envelhecessem. Queriam melhorar, porém, não tinham incentivos do governo e nem oportunidades comerciais.

 

Pelas estimativas, da Índia podem ter vindo 6.000 cabeças de bovinos das raças Kankrej (Guzerá), Ongole (Nelore), Gir, Sindhi, Kangayan, Mysore, Malvi, Hissar, Tharparkar, Krishna Valley, Mehwaty, Deangi e Deoni. Apenas as quatro primeiras raças prosperaram e produziram descendentes, Das outras, os rebanhos existentes eram pequenos ou desapareceram.

 

Em 1920 o Governo Federal decidiu suspender temporariamente a importação de gado Zebu de origem indiana, até que ficasse completamente comprovada a inexistência de epizootias no gado importado, o que era comum no país de origem.

 

Só em 1962 foi oficialmente sustada essa proibição, porém todos os animais importados deviam permanecer em quarentena de 8 meses na ilha de Fernando de Noronha, chamados na época de ‘lazaretos’ para ficar sendo monitorado, nos mesmos moldes do sistema adoptado pelos Estados Unidos.

 

Naquela época, havia no Brasil uma notada resistência em aceitar o gado zebuíno. Um relatório do Ministério da Agricultura reconhecia que o gado zebuíno em geral, fornecia mais carne do que o de outras raças, porém a carne não era tão ‘boa’. O governo brasileiro solicitou então, informações oficiais ao governo dos Estados Unidos sobre a qualidade do gado Zebu, que também estava sendo importado pelo país. Em resposta, numa carta datada de 14 de Fevereiro de 1920, o chefe do sector de Zootecnia dos Estados Unidos, informava que o gado zebuíno teve um grande desenvolvimento nos últimos três anos, principalmente na região do Texas. Observou que o gado era muito mais resistente à seca do que o gado europeu.

 

O médico e filósofo positivista Luís Pereira Barreto em diversos artigos publicados no jornal ‘O Estado de S. Paulo’ entre os anos de 1917 e 1921, desancava a raça. Dizia que o Zebu era ‘selvagem, impossível de domesticar’, que ‘a carne tem catinga’ e ainda que ‘os europeus só a comeram durante a guerra porque tinham fome’. Os fazendeiros mineiros eram chamados de ‘boiadeiros e não criadores’, ‘levianos’ e ‘velhacos’, ‘verdadeiros passadores de notas fiscais’. Muitos cientistas e políticos aderiram à causa, defendendo a raça Caracu como a ideal para o Brasil.

 

Os criadores de Zebu mineiros não ficaram preocupados com a veemência dos artigos do médico. Um velho fazendeiro do Triângulo Mineiro, disse: ‘Nesta região deveria ser erguido um monumento a Pereira Barreto porque sua campanha impediu que os campos paulistas se enchessem do gado Zebu, trazendo riqueza ao Triângulo, que passou a abastecer os frigoríficos paulistas. ’

 

Novamente em 2007, dessa vez foram os irlandeses que incomodados com a posição brasileira no mercado mundial de carne, decidiram levantar uma polémica. Membros da ‘Associação dos Fazendeiros Irlandeses’ alegaram que a ‘carne bovina’ produzida no Brasil e exportada para a Europa não seria a ‘autêntica carne bovina, mas um produto híbrido, resultado de um cruzamento de boi com búfalo’. Os produtores e governo brasileiros demonstraram a falácia dos irlandeses.

 

A carne do Zebu é a mais adequada para a produção de um tradicional produto italiano, a ‘bresaola’ que é preparada de carne bovina seca bem magra, curada no sal por 10 dias e curtida no Sol e vento por quatro semanas. É um produto típico da região da Valtellina, no norte da Itália. A carne do Zebu brasileiro é a mais adequada para fazer ‘bresaola’. As carnes do gado europeu são gordas demais e ‘marmorizadas’ e não agradam aos exigentes consumidores.

 

Em 1939, foi importada uma dezena de animais da raça Africânder dos Estados Unidos, sendo que os animais eram provenientes da África do Sul.

 

Na década de 1990, foi iniciada a importação de animais da raça Brahman dos Estados Unidos, o que é uma raça bem parecida com o Tabapuã. Até 1994 a raça Brahman esteve legalmente impedida de entrar no Brasil. A liberação veio num esforço conjunto de três criadores e duas maiores entidades encarregadas de promover as raças zebuínas no mundo, a ABCZ e a ABBA. Os primeiros animais chegaram por via aérea no dia 17 de Março de 1994. Vieram 18 animais. etc.”

 

Enfim, uma história interessante, de que se podem tirar várias:

 

1.- É assim que o Brasil cresce, muitas vezes – Graças a Deus – à revelia de governos ineptos e inaptos, como o actual, fruto da força, entusiasmo e dedicação de trabalhadores, empresários e do povo em geral, num país ainda jovem e cheio de promessas e reservas para o futuro;

 

2.- Não há dúvida é que a carne dos zebuínos é tão boa que o Brasil assumiu a liderança mundial nas exportações, com um quinto da carne comercializada internacionalmente e vendas em mais de 180 países.

 

3.- No Brasil o agronegócio é um dos pilares que mantém a máquina do Estado! O valor bruto da produção de leite e carne ultrapassa R$ 70 bilhões!

 

Quem quiser saber tudo direitinho sobre a história dos zebus no Brasil, procure; tem muito livros bons sobre o assunto.

 

Por fim, esqueci de assinalar no texto anterior sobre Uberaba, um importante detalhe: regressei daquela terra, carregando além do desejo de ali voltar, umas garrafas de óptima “pinga minêra” que... é uma delícia!

 

Melhor ainda tomada enquanto se discute a história dos zebus no Brasil. Aliás... em qualquer ocasião!

 

Tchim, tchim! Bota abaixo.

 

Francisco Gomes de Amorim, Junho 2013, Lisboa.jpg 

Francisco Gomes de Amorim

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D