Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A bem da Nação

A GRÉCIA E NÓS

 

GREXIT.jpg

 

A vida será dura para os gregos, o que não é indiferente às pessoas de boa vontade. Mas temos de pensar na nossa casa e os políticos — da actual ou duma futura maioria — devem ter cuidado com a palavra.

 

A discussão sobre se somos iguais aos gregos é pouco interessante; a querela de quem tem razão, se o resto da Europa se a Grécia, já passou. Agora é apenas saber os que nos poderá acontecer. A nós portugueses, hoje, e ao projecto europeu a médio prazo. O que poderá acontecer ao projecto europeu, pode ficar para outro dia. Agora a casa do vizinho está a arder.

 

Antes de prosseguir devo salientar que sou, desde a primeira hora, um crítico do MoU que assinámos com a troika. Não tínhamos alternativa mas havia aspectos técnicos graves nas políticas negociadas. E havia que reconhecer que, dois anos passados, a taxa de desemprego estar em mais do triplo da chamada taxa natural de desemprego era a prova provada de que alguma coisa de muito errado havia com as políticas e com a política. O caso grego, que eu conheço menos bem, não fugiu à regra.

 

O que nos pode acontecer hoje, segunda-feira? Directamente, nada acontece; indirectamente veremos…

 

Se os gregos entrarem em incumprimento, vulgo bancarrota, e está quase lá, nada acontece de materialmente significativo no resto da Europa. A dívida grega está nas mãos das “instituições” ou de bancos gregos, pelo que não há outros bancos em perigo. Poderá haver ainda algum CDS (seguro de crédito) por aí perdido mas não deve ser significativo, caso contrário saberíamos há muito dessa possibilidade. Não será assim para os que vivem na Grécia e essa história será bem triste como já se está a perceber. Não sei se o Syriza tinha mandato eleitoral para fechar os bancos e introduzir controlos de capitais mas aí estão e para ficar. Para o resto da zona euro e para o resto do mundo directamente nada acontece.

 

Indirectamente, muita coisa pode ainda vir aí, e tudo pode ser bem diferente. O tal plano B — no caso de não acordo com as autoridades gregas — não o conheço mas deveria ser acompanhado de fortes intervenções verbais das autoridades europeias, de Merkel e Hollande (e por que não de Cameron, ficava-lhe bem) e, acima de tudo do BCE. No curtíssimo prazo — hoje, amanhã, depois…— tudo pode depender de Draghi e do BCE. E quanto mais forte e atempada for a intervenção verbal daquele, menos terá o BCE de gastar no dia seguinte nalguma intervenção de mercado.

 

O chamado efeito de contágio vai certamente afectar os nossos credores e as taxas no mercado secundário vão subir. O mesmo se passará em relação a Espanha ou a Itália. Tal já se viu, há umas semanas atrás, e foi parcialmente desaparecendo, mas agora podemos ter uma escalada nas taxas se não surgir algum apoio europeu. O facto de o Tesouro português não necessitar de se financiar até, pelo menos, ao final do ano são excelentes notícias. Dá-nos tempo e ter tempo é agora precioso.

 

Há um outro tipo de contágio que dificilmente poderá ser completamente contrariado. Também não é certo que possa existir de forma significativa mas a ver vamos. A economia portuguesa estava a ter um bom desempenho (não excelente mas melhor do que antecipado por muitos, incluindo o Governo). O crescimento para este ano estaria mais próximo dos 2% que da previsão do Governo de 1,5%, o investimento estrangeiro tem estado em alta e o investimento nacional sem dúvida a retomar. Podemos somar a tudo isto os bons sinais de subida — não esperada — da inflação a fazer-nos crer que a deflação nacional era história. E, depois de uma pausa, o desemprego estava necessariamente a baixar. Nada de brilhante mas os bons sinais eram consistentes por toda a economia portuguesa.

 

Qual o impacto da crise grega nos investidores internacionais e nacionais em Portugal? Ninguém sabe se esse efeito de contágio vai ser significativo e só o saberemos com o tempo. A privatização no Novo Banco pode dar um sinal claro desse contágio ou não.

 

Agora a vida vai ser dura para os gregos e qualquer pessoa de boa vontade deve pensar nisso. Mas também temos de pensar na nossa casa. É bom que os políticos — da actual maioria ou de uma futura maioria — tenham cuidado com a palavra. Ela não pode faltar, mas tem de ser clara e não deixar dúvidas quanto à posição do nosso País face às suas dificuldades do passado recente, do presente e do futuro próximo. Uma palavra errada pode custar caro a todos nós, a cada português: mais impostos, juros mais altos e desemprego mais agravado.

 

29/6/2015

 Luís Campos e Cunha

O ACORDO ORTOGRÁFICO DE 1990 – 1

 

 NAO-AO.jpg

 

Qualquer crítica – e qualquer defesa – que se baseie sobretudo em chamar nomes aos defensores e aos críticos, não é crítica nem defesa: é mero desabafo, auto- regozijo pela certeza que transborda da alma de cada um. Não vale nada.

 

Por isso não me atrevo a ser contra a adopção do Acordo Ortográfico de 1990 sem

apresentar as razões em que me baseio.

 

Os argumentos que se seguem são de ordem operatória, fonológica, morfológica, de linguística histórica, sociológica, diplomática, económica e de preservação histórica.

 

Há mais, porém fico por aqui.

 

  1. Argumento da pouca eficácia

 

Segundo um estudo de Maria Regina Rocha, o AO90, em vez de diminuir o número de palavras que se escreviam diferentemente em Portugal e no Brasil, aumentou‐o consideravelmente: 2.691 palavras que se escreviam de modo diferente, mantiveram-se diferentes; 1.235 palavras que eram iguais tornaram-se diferentes; apenas 569 que eram diferentes se tornaram iguais; 200 palavras mudaram apenas em Portugal, dando origem a soluções aberrantes como aceção, conceção, confeção, contraceção, deceção, impercetível... enquanto no Brasil se continua a

escrever acepção, concepção, confecção, contracepção, decepção, imperceptível....

(Jornal Público,

19.01.2013.)

 

Retomado em

 

https://ciberduvidas.iscte-iul.pt/artigos/categorias/acordo/a-falsa-unidade-ortografica/2772

 

(continua)

Manuela Barros Ferreira, Mértola.jpg

Manuela Barros Ferreira

Campo Arqueológico de Mértola

O PAPA SEM FILTRO

Papa Francisco.png

 

PAPA DA POBREZA DA ECOLOGIA E DA MISERICÓRDIA

 

Tema “Família” no 2° Sínodo dos Bispos em Outubro

 

No Vaticano sopra um vento sul forte, um vento oceânico de fora da Europa que, ao suflar nas batinas da Cúria romana, habituadas à brisa mediterrânica, causa perplexidade. Francisco I, no seu discurso de 22 de Dezembro diagnosticou 15 doenças em pessoal da Cúria e em muita outra gente acomodada que não se controla: “Alzheimer espiritual”, “terrorismo das conversas”, críticas aos “fariseus”, são palavras não diplomáticas que abanam muitas árvores da cúria chegando a atingir até as raízes de alguns “cedros do Líbano”.

 

No Vaticano, como na política há posições controversas, uns mostram-se mais comprometidos com a doutrina, outros com a praxis, como é natural numa tradição de dialéctica frutífera entre doutores e pastores. A um Papa teólogo segue-se um Papa pastor. É profético e quase de obrigação programática o facto de a História ter reunido dois Papas ao mesmo tempo sob o mesmo tecto romano, como que a avisarem: a praxis é a flor da doutrina; a pastoral não se deve dissociar da doutrina embora aquela deva constituir um desafio a esta. Um grupo conservador receia que Francisco I mude a doutrina quando ele apenas quer pôr a pastoral na ordem do dia. Aguentar a tensão é o que a Igreja católica sempre conseguiu tornando-se assim em modelo institucional para a humanidade.

 

De facto, a Igreja encontra-se em diferentes contextos; foi a primeira instituição global quando os países nasciam e lutavam ou lutam ainda pela sua identidade regional; como tal, a Igreja tem diferentes rostos segundo os continentes e as culturas subjacentes, o que poderá originar diferentes práticas pastorais.

 

Francisco I também manifesta compreensão para com os gays de boa vontade que “não se devem condenar, mas pelo contrário ser integrados na sociedade”. As suas expressões espontâneas e palestras livres na missa matinal tornam-se motivo de observações teologais por parte de alguns prelados.

 

O Papa pretende a reevangelização do mundo. Até os seus críticos reconhecem nele grandes qualidades incontestáveis. Ele sabe olhar as pessoas nos olhos. Ao escolher a Casa Santa Marta (a casa de hóspedes do Vaticano) para residência preferiu o contacto directo com a realidade universal. O Papa revela-se à altura dos tempos e tem sido muito oportuno em iniciativas para as religiões no sentido de serem fiéis à sua tarefa primordial e dando também impulsos muito concretos para a política internacional: genocídio dos arménios, impedimento dos ataques dos americanos e do ocidente contra a Síria, relações diplomáticas entre Cuba e USA, apela para “não desprezar a Rússia”, e tem conseguido transparência na banca vaticana etc.

 

Ano Santo da Misericórdia

 

Em Abril, anunciou um ano santo extraordinário, o Ano Santo da Misericórdia que vai de 8 de Dezembro de 2015 até 20 de Novembro 2016. O bem da igreja e das almas é prioritário.

 

Uma igreja precisa de mística, doutrina e pastoral. As reformas na moral e na pastoral são precisas tendo muito em conta as assimetrias culturais e sociais das diferentes sociedades. A revelação divina acontece na Bíblia, na Igreja, na Comunidade e na História que vai sempre mostrando novas facetas da realidade global que é Jesus Cristo.

 

O Pontífice é servidor e não senhor da verdade, por isso não pode mudar a doutrina/dogmas, pode criar prioridades na forma de tratamento pastoral. Por isso, na sua bula sobre o ano da misericórdia acentua: a ”misericórdia é o caminho que une Deus e o Homem”. Misericórdia para quem merece uma pena é uma questão que na visão secular parece contraditória…

 

Bento XVI era um teólogo, Francisco é um pastor, a teologia permanece na tensão entre doutrina e interpretação e a pastoral segue as circunstâncias dos tempos e das idades. O que se faz e o que se crê não são a mesma coisa, a fé permanece embora a prática seja mais importante. A verdade é processo e o Papa tem a função de encaminhar as diferentes forças em direcção a ela. Francisco I esforça-se no sentido de tornar o espírito de Jesus mais visível e mais experimentável. Sabe que não é seu papel adaptar a Igreja ao gosto do tempo mas que a partir dele se torne experimentável o espírito de Deus. Esta será a sua tentativa.

 

Há pessoas que se sentem sempre indignadas com o que o papa diz. A indignação nem sempre é sinal de empenho e responsabilidade; hoje é, muitas vezes, uma forma fácil de se destacar e ser notado. Destacar-se perante alguém conhecido ajuda o “santo” ego.

 

Alguns radicais e eternos insatisfeitos que procuram aproveitar-se do bem e do mal para danificar a Igreja apelam à venda de igrejas e obras religiosas para com esse dinheiro se ajudar os pobres. Esta medida encheria o estômago de alguns pobres por algum tempo mas o problema continuaria. “Pobres sempre os tereis…” (Jo. 12,1-9. A igreja oferece não só pão mas também cultura, arte onde as pessoas encontram paz, conforto e meditação (Não só de pão vive o Homem!). Imagine-se a presença e o contributo contínuo da Igreja para o património cultural dos povos. (Uma instituição sem memória não comporta o futuro). Nas igrejas podem reunir-se os pobres e os que sofrem do frio da sociedade; a Igreja é também o seu porta-voz. Os templos e as obras religiosas são também elas as mãos da natureza, de cidades e aldeias e do povo crente a apontar para a transcendência, a apelar para a verticalidade num mundo cada vez mais horizontal e massa inerte. A expressão espontânea brota do coração e transmite o calor do amor, a expressão da inteligência reflectida espalha a luz do amor. O amor guarda espaço para a pobreza consciente e interior que se preocupa com o bem estar material e espiritual da humanidade. A pobreza espiritual é a maior causa da pobreza material. Precisa-se de uma rede de pessoas de boa vontade. O Pontífice trabalha no sentido de uma utopia que quer um mundo melhor, ao contrário das ideologias que prometem um mundo perfeito. Fronteiras e limites devem ser mantidos apenas como as membranas que ligam os órgãos do mesmo corpo.

 

2° Sínodo em Roma

 

Em Outubro deste ano realizar-se-á o 2° sínodo em Roma. Prevê-se uma forte luta entre a defesa da tradição da doutrina da Igreja sobre a família e os que seguem o coração das pessoas que aceitam que divorciados que se encontrem na situação de segundo casamento civil possam frequentar os sacramentos. Aqueles argumentam que a Igreja não deve submeter-se aos caprichos do mundo. Entre eles, o cardeal Raymond Burke e vários cardeais africanos e da Europa de leste e da Itália receiam que Francisco mude a praxis da doutrina do matrimónio. Sem ser necessário mudar o dogma chegar-se-á a um consenso entre teóricos e pragmáticos. A doutrina fica a mesma, tal como acontece nos Estados em parte com a Constituição mas que se usa das leis para adaptar a constituição à situação concreta. Assim se responderia à necessidade da dogmática (lei fundamental) e de uma pastoral (aplicação da mesma no concreto).

 

De facto o matrimónio dá-se muitas vezes numa situação de conhecimento e consciência diferente daquela que a realidade depois vem a mostrar; chega a haver casamento mas sem sacramento, apesar da liturgia realizada. Há doenças que um dos parceiros pode trazer consigo que não permitem uma verdadeira relação a nível interior e exterior. Para isso o recurso à anulação do casamento, por falta das condições iniciais necessárias, deveria torna-se num instrumento mais normal. Muitas pessoas trazem nelas doenças psicóticas (ou maldades) escondidas que só o convívio do dia-a-dia vem revelar e podem impedir o desenvolvimento espiritual e levar ao sofrimento dos parceiros a vida inteira.

 

Violência doméstica pode ser motivo para separação

 

O Papa Francisco tem compreensão para a separação no casamento em determinadas circunstâncias. “Certamente também há casos em que a separação de consortes se torna inevitável. Às vezes é até moralmente necessária”. Quando disse isto referia-se especialmente aos casos de violência doméstica, opressão do parceiro mais fraco ou de crianças pequenas.

 

Certamente um assunto muito complicado mas o “Casamento” não pode ser argumento de justificação de arrastamento de casos de violência repetida ou de impedimento de desenvolvimento individual e comunitário. No caso de matrimónios católicos há um instrumentário muito adequado que deveria ser mais utilizado e que constitui no recurso ao pedido de anulamento do matrimónio. Os episcopados deveriam ser mais receptivos e rápidos na decisão sobre pedidos de anulação. Por vezes faltam já de início as condições necessárias para a efectivação do sacramento.

 

Também Jesus comparou o Reino dos Céus a um reino em que o rei fez o convite a muita gente para a boda de casamento do filho; muitos convidados não vieram e então ele convidou todo o mundo, bons e maus (Mateus 22:1-14). De facto a Igreja não se reduz a um povo eleito ou a uma cultura, por isso Jesus convida todo o povo a entrar no seu reino.

 

António Justo.jpg

António da Cunha Duarte Justo

Teólogo

 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D