Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A bem da Nação

A INVASÃO DA EUROPA

 

ACDJ-REFUGIADOS.png

 

A grande maioria das pessoas é boa, gosta e defende a vida, a liberdade, a propriedade, a segurança e a dignidade.

Mas cuidado! A democracia deve ser tolerante mas nunca cobarde, nem cega, nem surda, nem muda...

Honra e virtude nunca foram negociáveis.
 

Manuel Ferreira.jpg Manuel Ferreira

(Instituto Liberal do Espírito Santo, Brasil)

A EUROPA E O FUTURO

 

Europa.jpg

 

 

Viveremos na zona errada do mundo? É costume há décadas lamentar a crise europeia, alvitrando um futuro dominado noutras longitudes. Será que o continente se apresta a perder o comboio da história?

 

Na marcha da humanidade nada é garantido. Vimos grandes potentados em ruínas e culturas menores atingir a pujança. A extrapolação é o pior vício da análise histórica, como na económica, social e política, porque o futuro é incerto. É verdade que nos últimos 500 anos a Europa conseguiu uma hegemonia global espalhando a sua influência e civilização por todo o planeta, único exemplo de supremacia mundial de uma região, para mais tão pequena. Mas esse episódio já acabou, e acabou muito mal, com duas guerras europeias incendiando o globo. Hoje, quando finalmente ultrapassámos os escombros dos conflitos e os muros que deles resultaram, o mundo prepara-se para uma nova fase que ninguém ainda conhece.

 

Terá a Europa um lugar digno, senão influente, nesse futuro?

 

As condições físicas deste cantinho são extraordinárias. Com um clima bastante ameno e sem os vastos desertos e selvas que atravancam outras regiões, a Europa tem, apesar disso, suficientes obstáculos geográficos para dificultar a dominação por uma única autoridade. Ao longo dos séculos muitos tentaram a unificação imperial, mas os sucessos foram sempre efémeros ou fluidos. Mesmo nos tempos romanos o controlo central era muito mais diáfano que o dos mandarins Ming, por exemplo. Isso trouxe uma abertura e flexibilidade à região, repartida entre pequenos reinos concorrentes, que gerou o seu sucesso.

 

Abertura e flexibilidade foram os ingredientes que propulsionaram os dois grandes domínios globais, primeiro comercial e colonial, depois industrial e técnico. A liberdade para experimentar, acertar e falhar foi a força que impeliu o progresso e a hegemonia planetária europeia. A zona que inventara a filosofia, o direito e a ciência foi a mesma que criou os dois regimes sociais de abertura e flexibilidade mais bem sucedidos da história: a democracia na política e o capitalismo na economia. Estes segredos do sucesso europeu são também as suas mais populares exportações. Outras zonas, da América à Austrália, da Índia à China e Japão adoptaram as três invenções europeias e praticam, à sua maneira, os dois regimes institucionais. Hoje nem filosofia, nem direito ou ciência, nem sequer democracia e capitalismo se podem dizer europeus.

 

A história da Europa, se manifesta o grande valor e eficácia destes meios, revela também a sua fragilidade. O fio de ouro da liberdade e criatividade está sempre estendido sobre dois terríveis abismos, como a história europeia manifesta claramente: a violência caótica e o totalitarismo paralisante. A recente e trágica experiência da "primavera árabe" mostra, nos nossos vizinhos próximos, a actualidade desse terrível dilema. Isso aponta para um último ingrediente indispensável a um futuro de sucesso, o mais etéreo, mas também o mais indispensável de todos.

 

Abertura e flexibilidade são condições importantes, como são essenciais os seus produtos, filosofia, direito e ciência. A combinação destes elementos nos dois regimes da democracia e capitalismo tem provas dadas. Estes permanecem, apesar de todos os defeitos, as alternativas menos más. Mas todos estes meios são exteriores ao ser humano. Raciocínios, regras e descobertas são determinantes para a vida, mas dentro de cada pessoa existe um universo único. A aplicação de métodos e sistemas depende de um factor essencial, interior a cada uma das pessoas concretas que os aplica. O ser humano permanece um mistério para si mesmo. O espírito que o conduz é o elemento mais decisivo do futuro pessoal e colectivo.

 

Aqui, a Europa tem também uma situação especial pois o continente não gerou uma grande religião. Há milénios que as mitologias autóctones desapareceram, substituídas por importações, curiosamente provenientes quase todas do mesmo canto do mundo. Dos mistérios egípcios e persas que dominaram Roma até ao judaísmo, cristianismo e islamismo, o espírito europeu veio do Médio Oriente. Este é o verdadeiro segredo do seu sucesso.

 

É verdade que a Europa sofreu muito em sangrentas guerras religiosas, das cruzadas à Reforma; mas foi paradoxalmente nessas épocas que o continente prosperou e dominou o mundo. Os totalitarismos que depois a asfixiaram e as revoluções e guerras que a destruíram nasceram de ideologias europeias, ateias ou deístas, que repudiaram a alma da Europa. A decisão sobre o futuro está no espírito.

 

10 de Junho de 2015

 

Joao César das Neves.jpg João César das Neves

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D