Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A bem da Nação

O QUE RESTA DO MEU PAÍS

 

Bandeira humana portuguesa.jpg 

É proibido ficarmos tristes!

Mesmo que nos tenham vendido as nossas joias da coroa.

É proibido ficarmos tristes!

Mesmo que nos tenham vendido a nossa língua.

Aquela que nos foi ensinada por antepassados ancestrais,

E por velhas professoras de aldeia…

É proibido ficarmos tristes!

Por Abril.

Por terem posto o Povo à míngua.

Por nem sequer restar um caldo verde com broa,

Para mitigar a fome que grassa como erva daninha.

É proibido ficarmos tristes!

Por não termos resistido a uma alcateia

De animais famintos. Lobos.

A Corrupção é Rainha.

Vivemos uma clara Epopeia,

De miséria Moral e Cívica,

Que não é Epopeia,

Porque as Epopeias são cantadas em Glória.

Não há actos gloriosos na ganancia.

Nas mentiras criminosas e subtis.

Há crimes de usurpação do direito a uma vida digna.

Esse direito foi-nos roubado, por actos vis.

Só nos resta a proibição de ficarmos tristes…

E revoltados, podemos?

 

Luís Santiago.jpgLuís Santiago

CSIO DE LISBOA 2015

CSIOLx15.jpg

Concurso de Saltos Internacional Oficial de Lisboa – 2015

HOMENAGEM AO BRIGADEIRO HENRIQUE CALLADO

 

 

 

Henrique Alves Callado – de Cadete a Brigadeiro, sempre vencedor.

 

Natural de Alcochete onde nasceu a 12 de Junho de 1920, iniciou-se aos 13 anos em provas de obstáculos e a sua primeira internacionalização foi em Madrid no ano de 1943 aí ganhando o respectivo Grande Prémio no ano seguinte. Em 1958, sagra-se Campeão Nacional de Hipismo.

 

Integrado na equipa nacional, Henrique Calado disputou 22 Taças de Ouro da Península, com vitórias em 16 edições e 13 Taças das Nações, sendo por dez vezes o melhor cavaleiro em prova: três em Lisboa, três em Madrid, duas em Nice, uma em Roma e outra em Aachen. Foi cinco vezes Olímpico nos Jogos de Londres, Helsínquia, Estocolmo (7o lugar), Roma (10o lugar) e Tóquio.

 

Em concursos internacionais obteve 134 vitórias em competições realizadas um pouco por toda a Europa e não esqueçamos que durante quase toda a sua vida a Europa era o hipismo mundial. Do seu palmarés salientam-se também os triunfos em 62 Grandes Prémios, em três Taças do Generalíssimo, nas Potências de Madrid (duas vezes) e de Nice, nos Prémios Campidogllo, em Roma, no prémio do Principado do Mónaco, no Grande Prémio de França e, por três vezes, no Prémio Bucephale, do Concurso de Nice, e ainda em dois Prémios do Concurso de Dublin.

 

Entre os galardões que lhe foram atribuídos contam-se as medalhas de mérito desportivo, quer em Portugal quer em Espanha, a medalha de bronze da Ordem Olímpica do Comité Internacional, a medalha Nobre Guedes do Comité Olímpico Português e o emblema de ouro da Federação Equestre Internacional.

 

Morreu a 12 de Novembro de 2001 e deixou muitas saudades a quem com ele conviveu e a quem teve a honra de servir Portugal sob o seu superior comando. E por tantas vezes ter feito subir no mastro de honra a Bandeira Nacional dando-nos orgulho de sermos portugueses, lhe dizemos OBRIGADO!

 

Lisboa, 31 de Maio de 2015

 

Eu e «Uruguai» - início de appuyer a trote para Henrique Salles da Fonseca

AVISO À NAVEGAÇÃO

 

O artigo “Uma tragédia evitável” de Alberto Gonçalves (Notícias, 24/5/2015) é cheio de pormenores críticos sobre a actuação de António Costa na pré-chefia que se propõe em campanha, como preparação para a sua chefia futura, definitiva para muitos portugueses que até se sentem honrados com a sua postura, ora de meias tintas ora de tintas fortes, tergiversações só sensíveis às pessoas que não se deixam manipular por demagogias que há muito deixaram de fazer sentido, num panorama de insensatez instituída, onde os consertos prometidos não passam de palavras ocas, furtando-se à responsabilidade de um país que deve.

 

Para Alberto Gonçalves a governança futura de Costa, de ideologia leviana “à Syriza”, será uma tragédia. A análise que faz das acções de Costa - a sua mansidão apelativa de votos, relativizando comportamentos degradantes dos portugueses com a justificação, deseducativa, de uma generalidade mundial, o seu extenso projecto de programa eleitoral” como meio para aplicar terminologias em moda das mentiras linguísticas destes tempos, iludindo os leitores, «Em suma, pacotes, iniciativas, medidas, apostas, comissões, siglas e delírios, muitos delírios, as coordenadas exactas do embuste», um artigo de ironia feroz de Alberto Gonçalves, que só penetrará, naturalmente, nas mentes do costume.

 

Também o artigo «O jornalismo no museu» é uma sátira “desesperada” à parlapatice ou má fé jornalística noticiarística, tanto no uso de expressões bombásticas para manifestação de orgulhos nacionalistas despudorados na sua vanidade, como na expressão da criminologia e sentimentalidade actuais, como no exibicionismo perverso de uma ideologia de apoio ao crime no caso do crime antigo, o regicídio verificável num coche do Museu dos Coches, a memória do regicida Buíça acarinhada por José Alberto Carvalho.

 

O que não é evitável é a tragédia da mal formação mental.

Alberto Gonçalves.png

Uma tragédia evitável

por ALBERTO GONÇALVES 24 maio 2015

 

Apesar de lamentar a balbúrdia cometida por adeptos da bola no centro de Lisboa, António Costa lembrou, a título de consolo, que actividades semelhantes também acontecem "noutros locais". Para mim, que moro a centenas de quilómetros do Marquês de Pombal, chega. Para os lisboetas, sobra. Para todos os portugueses, eis uma amostra da liderança serena que o Dr. Costa se prepara para aplicar ao país em peso, logo que as sondagens comecem a traduzir a real vontade do eleitorado e retirem o PS de fundilhos anes justificáveis pela brandura de António José Seguro: qualquer maçada, problema ou cataclismo devem ser relativizados sob o imbatível argumento de que, algures, já houve igual ou pior.

 

Se, por exemplo, um dia funesto Condeixa-a-Nova for bombardeada pelo inimigo, o Dr. Costa recordará Dresden e Pearl Harbor. Se três quartos do Alto Minho desaparecerem graças a um vírus maligno, o Dr. Costa não demorará a evocar a sida em África e a gripe espanhola. Se um surto de canibalismo irromper no Barlavento algarvio, o Dr. Costa acalmará as hostes mediante comparações com o Donner Party e a fome soviética de 1932. É para isto que serve um líder.

 

Quanto a um candidato a líder, serve para apresentar um "projecto de programa eleitoral". Dividido em quatro capítulos, 21 pontos e incontáveis alíneas, o projecto de programa é um sítio tão bom quanto outro qualquer para o PS semear palavras que acha cativantes (flexibilidade, proximidade, agilidade, qualidade, sustentabilidade, valências, alavancagem, dicotomia, etc.). Ao longo de 134 páginas que se lêem com o prazer com que se arranca um dente, oscila-se sem surpresas entre os grandes conceitos (a liberdade, a democracia, o sol, o vento e a água) e o detalhe maníaco (melhorar a "qualidade das emissões da RTP Internacional"). Ou entre promessas lindas (a "eficiência do Estado") e a sua contradição imediata (a criação da essencial "Unidade de missão para a valorização do Interior"). Ou entre promessas esquisitas (os direitos de "reserva da intimidade da vida privada e do bom nome") e a sua contradição imediata (a "conciliação dos mecanismos da vigilância electrónica com os de teleassistência no apoio a vítimas de violência doméstica"). Ou entre o ocultismo ("construção de equipamento e navios de suporte para O&G e Mining Offshore") e, literalmente, a arte de encher chouriços (há um "programa integrado de certificação e promoção de produtos regionais"). Ou entre a comédia farta (um "Programa subtemático para o setor [sic] do leite") e a retórica vazia ("Um mundo que nos devolva o lugar da comunidade, valorizando a vida quotidiana"). Ou entre os sintomas de amnésia (a "consolidação das contas públicas") e o orgulho no currículo (as garantias de apoios a tudo o que mexa - e principalmente não mexa - são infinitas). Por pudor, não desenvolvo "o equilíbrio de género no patamar dos 33% nos cargos de direção para as empresas cotadas em bolsa". Por estupefacção, não comento a abolição da austeridade através de decreto.

 

Em suma, pacotes, iniciativas, medidas, apostas, comissões, siglas e delírios, muitos delírios, as coordenadas exactas do embuste. Pura política? Sem dúvida, e sobretudo puro PS. Corre por aí que o Dr. Costa contratou especialistas de marketing para perceber o que vai na cabeça dos portugueses. A vantagem dos portugueses é saberem de antemão o que vai na cabeça do Dr. Costa, um seguidor confesso do interessante Syriza. Se depois elegerem o PS pode sempre dizer-se que, de Mário Soares a José Sócrates, já houve desastres iguais. Duvido que tenham sido piores: a luz ao fundo do túnel é o TGV.

 

O jornalismo no museu

 

Peço desculpa pela terminologia, mas a homepage do meu browser é o Google News. Foi aí que nos últimos dias e em diversos sites informativos li: "Cláudia Vieira arrasa em Cannes"; "Sara Sampaio arrasa em Cannes"; "Cristina Ferreira arrasa em Cannes", "Irina Shayk arrasa em Cannes". Não sei se devemos celebrar o sucesso de tantas concidadãs (ou ex-namoradas de concidadãos, o que para efeitos nacionalistas vai dar ao mesmo) ou lamentar que a passadeira onde em tempos desfilaram Anna Karina e Brigitte Bardot seja hoje tão impressionável por pessoas que nem eu sei bem quem são ou o que fazem.

 

Certo é que Cannes está arrasada, e é entre as suas ruínas metafóricas que medito naquilo que agora passa por notícia. E concluo que, apesar de tudo, antes este patriotismo apatetado do que os telejornais cheios de sangue e sentimentalismo, que a cada dois dias agitam uma indignação ou uma polémica para animar o povo.

 

E mesmo a exploração de crimes recentes é preferível à exaltação de crimes remotos, ou a José Alberto Carvalho, em directo do Museu dos Coches, a lembrar o regicídio ("uma data considerada funesta para os monárquicos"), a evocar com carinho a memória do Buíça e a constatar, com certo pasmo, que "mais de um século depois estes princípios republicanos ou de humanidade são ainda objecto de debate". Se os princípios eram a herança francesa do terror, é melhor não conhecer os fins. Já o fim do jornalismo, pelo andar da carruagem (ou do coche, caso apreciem trocadilhos), não deverá andar longe disto.

 

Berta Brás.jpgBerta Brás

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D