Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A bem da Nação

TEORIA DO RESMUNGO

 

José Pacheco Pereira.jpg

Portugal é resmungão. É mesmo muito resmungão. Chegámos a elevar o resmungo a património nacional, ainda que ausente das listas oficiais. Tivemos até resmungões de génio, como Diogo do Couto, Bordalo Pinheiro ou Almada Negreiros. Para lá do valor cultural, frequentemente omisso, o tema ganhou candência pelo recente regresso da institucionalização do processo. Cada vez mais temos partidos, movimentos, blogues e organizações criados exclusivamente para resmungar. Os autodenominados "indignados", "inflexíveis" ou "revoltados", assumem claramente não pretenderem mais do que rezingar.

 

Entender o processo implica clarificar noções e estabelecer aspectos conceptuais. Tal exige uma teoria do resmungo de que aqui apenas se apresentam os prolegómenos.

 

O elemento definitório do resmungão é a sua natureza eminentemente negativa. Não afirma nada, não acha nada, não contém nada. Limita-se a grunhir desconforto. Resmungar tem ligações ao universo lógico do protesto, mas com especificidades próprias. Pode definir-se como um embrião, um esboço, um arremedo de protesto. O conceito é claro; a confusão resulta do pulular de resmungos disfarçados de outras actividades.

 

Quem protesta tem um alvo definido, uma questão substantiva, um fim determinado; quem resmunga pouco mais formula do que um incómodo. Um ataque ou insulto dirigem-se a vítimas concretas que pretende atingir, com um propósito particular; o resmungão limita-se a arejar irritação. Emitir um protesto honesto e sincero tem razões conscientes e válidas para acusar alguém. O resmungão finge protestar adoptando teorias alheias, das quais ignora não só a validade mas muitas vezes até o conteúdo. Limitar--se a apontar os "suspeitos do costume" não é protesto genuíno. Tais insultos devem em rigor ser despromovidos a resmungos.

 

O rezingão também se costuma disfarçar de crítico. Aliás a maior parte das pessoas que resmunga diz estar a fazer críticas, embora se encontre longe disso. De facto, ainda mais do que no protesto, uma crítica exige análise, identificação de causas, relações, efeitos e consequências. Claro que, para se mascarar assim, o resmungo tem de fingir basear-se em teorias e raciocínios fundamentados. Mas o menor abalo manifesta-os como postiços e frágeis. Em geral limita-se a invocar aquilo que "toda a gente sabe" e ele evidentemente ignora. Quando, por exemplo, culpa o euro, a Alemanha ou a troika pela crise nacional, o resmungão não faz a menor ideia dos efeitos da moeda única, subtilezas da política europeia ou alternativas ao programa de ajustamento. Limitando-se a repetir argumentos da moda não chega a criticar. Realmente apenas rezinga.

 

A diferença entre um resmungo e uma proposta não seria preciso explicar se tantos daqueles não viessem mascarados destas. É que, para se apresentar uma alternativa válida, é preciso definir detalhes, apontar métodos, identificar custos e obstáculos, descrever efeitos. Como a maior parte dos alvitres comuns carecem desta razoabilidade, as alegadas sugestões e projectos milagrosos não passam de rabugice.

 

Persiste, porém, o mistério: sendo por natureza negativo ou vácuo, por que razão o resmungo é tão popular? O motivo advém do prazer evidente que o gemer traz ao praticante. Como o grunhido sabe melhor em público, podemos considerar este como um vício social, o que explica o pulular de verdadeiros festivais de resmunguice, oficiais ou improvisados. A delícia é tal que, como vemos frequentemente, chega a gerar dependência. A cada passo encontramos pessoas viciadas em roncos e escravas de rabugice. Alguns até já o fazem em código, bastando nomear o assunto para se deduzir o dislate.

 

O prazer próprio da actividade é descarregar dos nervos, aliviar a tensão, arejar a mente. Embora este benefício seja significativo, sobretudo em momentos de sofrimento agudo, não chega para justificar a popularidade. O verdadeiro motivo que sustenta os resmungões profissionais, aditivamente presos ao vício, são os prazeres conexos, resultantes dos disfarces referidos. Quem resmunga acha mesmo estar a formalizar um protesto, por vezes até a analisar um problema ou mesmo a apresentar uma solução. Isto alimenta-lhe o orgulho, pois se sente mais capaz do que aqueles que injuria, mantendo a ilusão de ter a solução da questão ou, nos casos mais avançados, de ser o incompreendido salvador da pátria. Acima de tudo, isto é feito com custo mínimo, evitando os esforços e maçadas que uma verdadeira análise e proposta trariam. No fundo, um resmungo é uma solução grátis. E inútil.

 

João César das Neves.png

 JOÃO CÉSAR DAS NEVES

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D