Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A bem da Nação

ALGURES NO FACEBOOK

 

Tenho andado preocupado com esta situação do Bes/Ges e as acusações dos lesados de que desconheciam o que estavam a comprar. Ora bem, estive a ouvir com toda a atenção Ricardo Salgado, Zeinal Bava, Costa do BP, CMVM, etc, etc, e sinceramente fiquei esclarecido.

 

Fiquei a saber que houve um take over sobre a PT, o que provocou um downsizing na empresa e impediu o advanced freight.

 

Sendo assim, o asset allocation baseado num appraial report, que é o allotment indicado, provocou um average price muito baixo, reduzindo os back to back ao mínimo. Ora, o bid price provocou um dumping e uma floating rate incomportável com o funding previsto pelos supervisores.

 

Deixou, pois de existir um verdadeiro hedge, o que levou ao levantamento de hard cash em grande quantidade.

 

Se considerarmos que o ICVM, ao fim do período estava a deteriorar-se e os pay-out continuavam a baixar, a única solução seria o payable to the bearer de eventuais incomes da empresa.

 

Voltando um pouco atrás, o pool entre Bes e Ges, fez diminuir drasticamente o portfólio dos clientes, levando inevitavelmente a um revolving credit que abrangeu a maioria dos shareholders de ambas as empresas. Como é evidente o pricecut da Rio Forte foi inevitável e o take over sobre a mesma também. O gross profit baixou significativamente, aumentando o grade period e o bank rate.

 

Só para terminar e em jeito de conclusão creio que estamos perante uma grande quantidade de fillhosdaputing, que utilizando a corrupting ao nível central e local, foram delapidanding os recursos do país e continuam em casa riding da situação, deslocando-se de vez em quanding à Assembleia, fazer de parving os deputados e o poving em geral.

 

Tenho dito!

Zé Povinho.jpg Zé Povinhing

 

Recebido por e-mail, Autor não identificado

OS TRILHOS DA EDUCAÇÃO

 

Leio do texto de Vasco Pulido Valente – “Basta o que basta” – (Público de 5/4/15) sobre os efeitos da democratização do ensino na destruição dos valores culturais pela distribuição da cultura, ou seja, dos diplomas que a comprovassem, às várias camadas demográficas no acaso das admissões sem critério selectivo – exames dando lugar a passagens administrativas, primeiro, e, a seguir, muitas outras anomalias que o “deixai vir a mim as criancinhas” benfazejo das camadas revolucionárias destruidoras da pátria favoreceu em novos ideais de reconstrução pelo nivelamento social, no propósito de elevação dos antes desfavorecidos e afundamento dos das oportunidades anteriores. Tudo se foi recompondo, é certo, os PRECS nunca são eternos – como tudo o mais, de resto – mas a poeira levantada foi bastante e petrificou mesmo, para conveniência de muitos que dela se aproveitaram para singrar mais rapidamente, de acordo com as ambições e planeamentos de vida que, segundo o provérbio, pertence aos a quem não custa porque sabem viver.

 

E aqui estamos, com muitas mazelas do calibre das que historia Vasco Pulido Valente no seu “Basta o que basta”, entre as quais a fundação de Universidades Privadas, mais interessadas nos negócios interinos do que em postura honestamente educativa. E assim chega ao caso das miseráveis praxes, que não são de modo algum académicas, - se é que alguma vez as houve, na palhaçada infantil terminando num mascarado proteccionismo de veteranos, a troco de ajudas económicas dos respectivos caloiros protegidos, que já Verney condenara, no século XVIII. Nunca como hoje, contudo, em que as praxes parece corresponderem antes aos propósitos maléficos dos tais sem freio que matam vidas e destroem memórias em pedra de civilizações de milhares de anos, gratuitamente, numa provocação animal que as televisões captam, sempre no sítio certo e no momento certo para as denunciar. De facto, tragédias como a do Meco parecem antes corresponder a práticas criminosas nas tais praxes, que tanto responsabilizam os pretensos estudantes, como as universidades indiferentes, como as famílias desconhecedoras da gravidade delas, meras graças inocentes dos seus futuros doutores.

 

Igualmente severo e desesperadamente crítico, o texto de João Miguel Tavares «Os descamisados doutorados», (Público, 9/4/15), com mais uma achega às políticas educativas favorecedoras de doutoramentos sem conta nem medida – sem peso, certamente que também não – proporcionando um aumento catastrófico de desemprego jovem a acrescentar à tragédia do desemprego adulto, num país sem escoamento de quadros nem capacidade económica, reduzido que está à sua austeridade, tão satirizada pelos habituais “poetas” satíricos das boas intenções civilizacionais. Um artigo de uma ironia sem ilusões, de uma revolta igualmente sem ilusão. Admirável, por isso, na tentativa do alertar das consciências, tal como o anterior.

 

O país permanecerá vivo enquanto houver consciências críticas da demagogia interesseira. É a nossa esperança.

 

«Basta o que basta»

 

pulido-valente.jpg Vasco Pulido Valente

05/04/2015

 

Tudo começou com o prof. Veiga Simão, ministro de Marcelo Caetano e de Mário Soares, que foi o primeiro promotor da chamada “democratização” do ensino. Como se calculará, a “democratização do ensino” é, em si própria, uma política justa e necessária. Mas Veiga Simão entendeu que a melhor maneira de a executar consistia em abrir as portas ao maior número de estudantes possível, sem qualquer exigência académica ou material.

 

Na Universidade, para falar só dela, meteu milhares de adolescentes em edifícios caducos do século XVIII ou XIX, que já tinham pertencido à Igreja, e que a I República adaptara à mais nobre função de espalhar as “luzes” entre o povo (e a classe média) que o “jesuitismo” deformara; o ISE, por exemplo, agora ISEG, nasceu assim no convento do Quelhas.

 

Professores quase não havia e os que havia passeavam o seu espanto e a sua angústia pelo meio do caos. A agitação política cresceu até 1976 e mesmo daí em diante não aprovar um aluno com 18 ou 19, como ele se achava com direito, era contribuir para uma “sociedade de classes”, ditatorial e exploradora. Perante esta catástrofe e a absoluta falta de espaço físico para acomodar a elite da democracia, o Estado decidiu permitir “universidades privadas” sob forma de cooperativas. Não vale a pena entrar aqui na história pouco edificante dessas putativas universidades. Basta dizer que não existia, nem podia existir, entre elas e a verdadeira coisa a mais leve semelhança. As “privadas” não passavam de um negócio, em que a produção e a transmissão de ciência não ocupavam lugar e em que a educação não fazia parte dos fins gerais da empresa.

 

Como sempre sucede em Portugal, depois de um “escândalo” com um ministro, embora o escândalo fosse há anos público e notório, o prof. Nuno Crato mandou abrir um inquérito à Universidade Lusófona. E esse inquérito apurou que em 152 casos – um número extraordinário – os diplomas daquela augusta casa não deviam ser considerados válidos, por erro na avaliação de “equivalências” várias. Sobre isto, que deixa ver como funciona e para que serve a “Lusófona”, cresceram e floresceram as “praxes” que levaram aos seis mortos da praia do Meco, com absoluta ignorância da gente em posições de autoridade, a quem incumbia garantir a saúde e a segurança das crianças (porque eram crianças) que lhes tinham confiado. O prof. Crato devia fechar imediatamente a Lusófona e entregar o caso à Procuradoria-Geral da República. Basta o que basta. Principalmente para um Governo que não se preocupou de mais com a observância da lei e a limpeza cívica.

 

Os descamisados doutorados

João Miguel Tavares.jpg João Miguel Tavares

09/04/2015

 

Nem por acaso: enquanto eu andava entretido a debater a qualidade “científica” do Observatório sobre Crises e Alternativas e as peculiaridades ideológicas do Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra, o presidente da Fundação para a Ciência e Tecnologia, Miguel Seabra, apresentava a sua demissão, após um desgraçadíssimo mandato.

 

Ora, a FCT e a ciência social ao estilo CES – que a sua própria direcção classifica como (juro) “ciência social crítica” ou “ciência cidadã” – estão ligadas por um cordão umbilical que diz muito acerca das debilidades estruturais deste país e do perigo da aposta acrítica na “qualificação”, o cavalo favorito de António Costa e dos governos socialistas.

 

Dir-me-ão: mas então não é tão bonito investir na educação, na formação, na qualificação, e em outras palavras acabadas em “ão” que enchem a boca e o coração? É, é. Só que, quando juntamos 1) a política de doutoramentos e pós-doutoramentos criada por Mariano Gago e patrocinada pela FCT; 2) as limitações e a falta de competitividade da economia portuguesa; e 3) a chegada em força da austeridade e o aumento dramático do desemprego jovem; o resultado deste cocktail mortífero só pode naturalmente ser um: a criação de um exército de descamisados doutorados, completamente dependentes da boa-venturança do senhor professor que dá uma ajudinha para conseguir a bolsa do pós-doc, e que chegam aos 35 e aos 40 anos numa situação lastimável, sem forma de ingressar nos quadros das universidades (que estão fechados e cheios de gente menos competente do que eles), sem uma vida profissional estável e com excesso de qualificações para os empregos disponíveis.

 

Os números não mentem (enfim: às vezes mentem, se torturados por cientistas cidadãos). Em 1997, ano em que a FCT foi criada, doutoraram-se 579 portugueses. Em 2013 (dados Pordata), doutoraram-se 2668. Os doutorados quintuplicaram numa década e meia. Quando se olha para o gráfico dos doutoramentos anuais desde 1970, a evolução a partir do final dos anos 90 é uma subida de montanha de primeira categoria. Ou seja, enquanto em termos económicos o país afocinhava, naquela que já é conhecida como a “década perdida”, as qualificações dos portugueses não paravam de subir. Seria fantástico, em termos de competitividade, se – e este é um grande “se” – o sector privado conseguisse absorver um quinhão significativo dos doutorados. Infelizmente, não consegue.

 

Um estudo de 2009 sobre a situação profissional dos doutorados em Portugal indicava a existência de 17.010 a trabalhar em investigação e desenvolvimento. Mas sabem quantos é que o faziam fora das universidades, em empresas privadas? 196. Ou seja, pouco mais de 1% do total. É esta a força da investigação e do desenvolvimento em Portugal. E se olharmos para o domínio específico das ciências sociais, não é difícil adivinhar o seu credo da última década: “fora da universidade (ou do laboratório associado) não há salvação”.

 

Reparem como sou moderado: por um lado, não gosto nada do que o CES faz; por outro, compreendo que o queira fazer. Boaventura Sousa Santos, José Manuel Pureza e Carvalho da Silva têm um batalhão de doutorados descamisados, frustrados e politizados às suas ordens, que lhes foram oferecidos por Mariano Gago, uma economia débil e um país intervencionado. Há que entendê-los: a tentação de criar as condições para que um dia possa nascer um Pablo Iglesias do Mondego é demasiado grande. E é para isso que eles trabalham. “Cientificamente”.

 

Berta Brás.jpg Berta Brás

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D