Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A bem da Nação

NOTAS SOLTAS EM BLOCO PASCAL

 

 

Pertencem a Vasco Pulido Valente, vêm nos Públicos de 6, 27 e 28 de Março, um festival informativo de variedades, ilustradas por um pensamento coerente, sóbrio, preocupado e como sempre fortalecido pelo saber feito de estudo, ultimamente mais sintonizado com um inesperado conservadorismo de tipo “Velho do Restelo”, que a experiência de vida tornou mais entristecido, apesar da acutilância habitual.

 

«Tradições do Império» (6/3/15) utiliza o paralelismo entre o estalinismo responsável pela morte de 10 milhões, com o assassinato de um orador refractário – Kirov - desencadeador do “Grande Terror”, e o putinismo, provavelmente na origem de novo Terror, que o assassínio de Boris Nemtsov perspectiva: “E, por mim, acredito que a continuação da história provará que sim. Nemtsov é o Kirov do nosso tempo”.

 

«Henrique Neto» (27/3) entra de chofre com a descrição sobre um candidato socialista presidencial – mais um, e a procissão ainda vai no adro – desdenhado à partida por membros socialistas - talvez com repulsa por ser candidato bem sucedido, é certo, na realização laboral e capitalista, mas sem diploma universitário - entre os quais António Costa, a quem é indiferente, o que merece a Pulido Valente questionário cerrado a Costa sobre outros digníssimos candidatos socialistas, sinteticamente e significativamente descritos e com diplomas, mas afinal tão vazios ou nulos como os demais, prenunciando catástrofe. Quanto aos candidatos de direita, a ironia do articulista os destrói, donde se segue que Henrique Neto se torna o candidato aprovado por Pulido Valente: «No meio disto, desta pobreza e desta inconsciência, porque não a extravagância de Henrique Neto?»

 

«Viagem à Europa» historia o “passeio dos tristes” que António Costa tem feito pela Europa, exteriormente com fotografias de praxe e apertos de mão da pose sorridente, interiormente não se saberá talvez o teor das combinações, se algumas houve. É pessimista o conceito de Pulido Valente a respeito do futuro da União Europeia, pessimismo a que Costa não pode ser alheio, sem grandes ilusões sobre as suas políticas de futuro continuador ministerial, numa Europa a esfrangalhar-se.

Os textos de Vasco Pulido Valente, num folar pascal com os ingredientes precisos, envoltos em “sal ático” a substituir o pouco açúcar:

 

Tradições do império

 

Kirov.jpg

 

Sergei Mironovich Kirov, de quem hoje ninguém se lembra, era secretário da Comissão Central do PCUS (Partido Comunista da União Soviética) e também primeiro-secretário da organização de Leninegrado. Em 1 de Dezembro de 1934, foi assassinado por um militante desconhecido, Nikolaiev, protegido por Yagoda, nessa altura chefe da NKVD, predecessora da KGB.

 

Este crime, aparentemente inexplicável, inaugurou o “Grande Terror” de 1935-1938, em que morreram, pelo menos, 10 milhões de pessoas. Hoje está provado que Estaline o mandou matar. Porquê? Porque Estaline queria reduzir o Estado, o Partido, o exército e o povo a uma condição de obediência absoluta, eliminando qualquer possível centro de resistência ao seu poder e à sua vontade. Popular em Leninegrado e nos meios do PCUS, e ainda por cima um óptimo orador, Kirov não podia ser deixado à solta.

 

Não tendo a NKVD, nem o Gulag (como existia na URSS), Putin é obrigado a recorrer a uma espécie de milícias, que lembram as SA do nazismo antes de 1923, e a grupos de “segurança” indescritos que o Estado paga. Mas precisa, como Estaline, de eliminar a oposição (por fraca que pareça) para continuar a desenvolver a política, já abundantemente manifesta, de acabar com a União Europeia e a NATO e de rever a favor da Rússia o status quo, estabelecido em 1989-1991. A Rússia intervém hoje na República Checa, na Eslováquia, na Hungria (de Vítor Orban), na Grécia e até em França, para não falar da Crimeia e da Ucrânia. A dimensão e o radicalismo da estratégia de Putin exigem um clima de histeria nacionalista na Rússia e a liquidação imediata de qualquer dissidência.

 

Boris Nemtsov acabou com quatro tiros nas costas, porque tinha sido vice primeiro-ministro e chefe de partido; porque era conhecido e um activista; e porque naturalmente se opunha à louca e maléfica aventura de Putin. E é curioso que o próprio Putin, como Estaline, declare agora que o assassinato de Nemtsov foi um crime político, porque isso lhe permite daqui em diante descobrir conspiração atrás de conspiração e liquidar mansamente quem se atrever a contrariar os seus desígnios, à capa de um pretexto embaraçoso para o Ocidente. Alexandre Navalny, apesar de preso, declarou que Putin dera a ordem para matar Nemtsov. A lógica das coisas sugere que sim. E, por mim, acredito que a continuação da história provará que sim. Nemtsov é o Kirov do nosso tempo.

 

Henrique Neto

 

Henrique Neto.png Henrique Neto, um velho socialista, achou de repente que o país precisava das suas luzes e resolveu apresentar a sua candidatura a Presidente da República.

 

Está no seu direito, mas foi logo zelosamente insultado pelas luminárias do PS. Ao admirável José Lello, lembra Beppe Grillo. Para Augusto Santos Silva, com a sua elegância habitual, não passa de um bobo. E António Costa declarou à pressa que o episódio lhe era “indiferente”: Henrique Neto, para efeitos práticos, não existia. No que não deixa, em certa medida, de ter razão. Sem dinheiro, sem apoio no partido, sem uma organização própria, sem um nome nacional, Neto com certeza que não irá longe. Costa podia talvez mostrar alguma curiosidade pelos motivos que levaram um homem de 78 anos, modesto e com uma excepcional carreira na indústria, a sair da sombra. Infelizmente, Costa não se interessa por essas bagatelas.

 

Só que, posto de parte cavalheiramente este fantasma da Marinha Grande, ficam algumas perguntas, que merecem resposta. Será, por exemplo, que, a benefício de uma amnésia incurável e total, Costa já esqueceu o que foram os bons tempos de António Guterres: a indecisão diária, a desordem no Governo, a ausência de autoridade, o populismo intermitente de um primeiro-ministro católico? A sério que gostava de ver esse melancólico espectáculo repetido em Belém? Ou prefere Vitorino, o advogado de negócios, que nunca abriu a boca sobre o estado, o destino e o caminho de Portugal? Ou a invenção de Soares, que dá pelo nome de António Nóvoa, e que não se recomenda por mais do que uma oratória com um século de atraso e uma vacuidade absoluta? Esses não são bobos, nem Grillos, nem indiferentes?

 

A direita não comentou a candidatura de Henrique Neto. Por motivos tácticos mais do que óbvios, mas também porque evidentemente não se sente segura. Durão Barroso, eleito pelos portugueses para primeiro-ministro, arranjou na “Europa” um emprego melhor. Marcelo Rebelo de Sousa é um comentador (exclusivamente preocupado com a “apresentação” das políticas) a quem, ao fim de 30 anos de televisão, não se conhece uma convicção, um princípio, um objectivo. Rui Rio, fora a importância que ele a si mesmo se atribui, é uma personagem secundária do Porto. E Santana Lopes continua heroicamente Santana Lopes. No meio disto, desta pobreza e desta inconsciência, porque não a extravagância de Henrique Neto?

 

Viagem à Europa

 

António Costa.jpg Chegou a vez de António Costa fazer o passeio dos tristes. Foi a Itália falar com Renzi (e aproveitou como bom jacobino para cumprimentar o Papa de “esquerda” e o convidar para vir a Lisboa, com um pretexto frívolo). A seguir foi a França falar com Hollande (um grande amigo, claro) e exibir-se sorridente e grave à porta do Eliseu.

 

Fora que nem Renzi, nem Hollande o podem ajudar, a viagem talvez não tenha sido inútil. É possível que esta espécie de turismo eleitoral impeça Costa de repetir as figuras de Varoufakis em Bruxelas, para as quais, de resto, não é emocionalmente dotado. E também não é de excluir que de caminho aprendesse em primeira mão alguma coisa sobre o estado lastimoso da Europa e sobre o pouco que pesam as desgraças de Portugal na balança política dos “grandes”.

 

Claro que António Costa já lera com certeza centenas de relatórios sobre o assunto. Mas nada substitui a confirmação de quem sabe e viu. A sra. Merkel e o sr. Hollande (já sem força política) estão os dois perante a presuntiva desagregação da Europa. Ao contrário do mito que mais tarde sustentou a propaganda oficial, a Europa nasceu de uma série de circunstâncias largamente aleatórias e, mais do que isso, irrepetíveis. Acontece que hoje as circunstâncias lhe são desfavoráveis. Para a Europa do Leste (que a Rússia ocupava), a “Europa” era a solução para o seu isolamento e a sua pobreza. Mas não foi. O Estado social, sempre uma ilusão, continua hoje como era ontem; a democracia é, excepto na Polónia, uma democracia limitada e muito vigiada; a miséria não desapareceu e até, para muita gente, aumentou; e o isolamento continua. A sra. Merkel e o sr. Hollande, com pouco dinheiro ou sem dinheiro nenhum, precisam de mudar tudo isto.

 

Não vale a pena insistir nas depredações que a evolução do mundo acabou por trazer à economia da Europa Ocidental. Vale a pena perceber que o desastre não foi uniforme e que a Catalunha, a Lombardia, a Escócia, os departamentos do Sudeste da França, que não deixaram de prosperar e de se expandir, se querem livrar dos velhos limites nacionais numa Europa que não interfira na sua vida. Para tratar destes problemas os “contribuintes líquidos” variam entre quatro e cinco e contribuem regularmente menos. É neste campo de aflição e derrota que António Costa desembarca, agitando as desventuras de Portugal. Não se deve surpreender se não o tratarem com a compreensão e complacência que ele espera.

 

Berta Brás.jpg Berta Brás

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D