Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A bem da Nação

CRIME ET CHÂTIMENT

 

Pedro-Passos-Coelho.jpg

 

Vem isto a propósito do crime fiscal de Passos Coelho. Crime que os homens honrados não desculpam. Daí que as vozes se elevem em gritos e ordens de expulsão do Governo, e as pedradas não faltem contra quem assim prevaricou, tal como, no poder, ele exige o castigo dos que prevaricam. Passos Coelho já não se livra dos apupos, por muito “confiteor” que pronuncie, e o seu grave erro de pecador confesso e sem remissão, ninguém lho perdoa. Ninguém se lembra de que fez estabilizar um pouco este pequeno país, de muita gente não só furtiva ao pagamento dos seus impostos, como adquiridora de bens por via fraudulenta. E todos rugem, poucos que somos, como ruge no oceano a procela despedaçadora.

 

E Vasco Pulido Valente uma vez mais expõe o seu saber a respeito dos corredores por onde deslizaram os passos desses até se alcandorarem em postos chave, não pela via do estudo e do sacrifício formativo, mas por via de ligação a facções de intriga e de interapoio, a que a sua penúria ambiciosa recorreu, embora complementada por posterior formação académica.

 

Outros o fizeram, e pecaram e se divertiram à brava, adquirido o posto, fruto de circunstâncias facultadoras, e viajando, e divertindo-se, despedaçando o erário público em traficâncias ou passeatas e, extinto o dinheiro do erário nacional, usando o do endividamento ao exterior, sempre em proveito próprio. Mas esses já não contam, souberam abafar as suas infracções de lesa-pátria em comportamentos exigentes da ampla idolatria bacoca nacional, ou embrenhados nas suas vidas posteriores, de demarcação ou ainda de solicitude para com a res publica, sem compromissos de maior, a não ser para o exibicionismo da vanglória, ou para o estrebuchar da indignação, nos apertos da austeridade.

 

Este pecador dos tempos jovens da ambição de uma carreira e de um estatuto não pagou durante anos o seu imposto. Fê-lo agora à pressa, e com justificações esfiapadas, de comiseração sobre as suas imperfeições. Mas a gente vingativa impõe castigo, troçando das justificações, ululando os seus modelos de expulsão democrática. Fingem ignorar o seu esforço salvador da nação em débito, à custa do sacrifício geral, é certo, o que o torna credor de maior sanha ainda dos que se inocentam, sem escrúpulo, do seu contributo para esse débito.

 

Vasco Pulido Valente condena sobretudo a pátria que fornece os tais aviários de ministros. Mas Alberto Gonçalves, no seu artigo de domingo, “Um perfeito político” revela uma dimensão de análise no seu confronto com a realidade, que admiro, pelo desassombro de admitir, jovem que é, que aquele é um pecado de menor calibre no cômputo geral dos pecados nacionais.

 

O artigo de Vasco Pulido Valente:

 

«Aviário de ministros»

Público, 07/03/2015:

 

Pedro Passos Coelho teve uma carreira típica. Entrou muito cedo na JSD, à força de trabalho e zelo conseguiu chegar a presidente dessa inconcebível organização e, através dela, entrou no Parlamento.

 

Quando saiu aos 35 anos, sem outra qualificação que não fosse o liceu, foi obrigado a começar uma vida normal: resolveu tirar um curso de Economia e, como entretanto se casara, arranjar um emprego. Por essa altura, jantei com ele meia dúzia de vezes, por sugestão de um amigo comum, Eduardo Azevedo Soares. Achei Passos Coelho um homem agradável e sensato, mas transparentemente inseguro. Também se via que o dinheiro não lhe sobrava e o futuro era para ele obscuro e, de maneira geral, pouco prometedor. Não acredito que naquele tempo lhe passasse pela cabeça chegar a primeiro-ministro.

 

Como ele, houve centenas de pessoas que, por causa de uma educação perversa nas “juventudes partidárias”, entraram na meia-idade (os 35 anos de que fala Dante) sem um passado profissional e com uma visão do mundo distorcida pela incessante intriga a que se reduzia a actividade interna do PS e do PSD e em que participavam de pleno direito e, às vezes, como personagens maiores. Pior ainda, esta espécie de currículo dava uma certa autoridade a gente a quem faltava qualquer outra. Não vale a pena falar de António José Seguro. Mas basta lembrar que António Costa proclama por aí com orgulho que se inscreveu no PS aos 14 anos, para se perceber a natureza da aberração que os partidos promovem, julgando manifestar a sua perenidade e a sua força. Como se a perenidade e a força consistissem em enganar inocentes, abaixo da idade do consentimento político.

 

A condição dos membros das várias “juventudes” dos partidos (que vão até aos 30 anos) acaba por ser uma condição de relativa irresponsabilidade, sobretudo para aqueles que exercem cargos no “aparelho”. Os deveres para com a sociedade e o Estado são obscurecidos pelas pequenas lutas domésticas pelo poder e pela grande questão de saber se a seita consegue ou não ocupar o governo e o Estado – fonte de favores, recompensas, influência e dinheiro. Este mundo fechado sobre si próprio não se importa muito com o mundo exterior e não exige um comportamento cívico exemplar. Pelo contrário, tolera uma imensa quantidade de “erros”, por assim dizer, em nome do interesse superior da facção. Do incidente fiscal de Pedro Passos Coelho só uma coisa se deve concluir: as “juventudes partidárias” precisam de ser abolidas, como primeiro acto para a regeneração do regime. Os jovens que se inscrevam onde quiserem na idade de votar e que sejam tratados como o militante comum. Que os partidos não sirvam mais de educadores da “classe política” e aviário de ministros. Basta o que basta.

 

O artigo de Alberto Gonçalves:

 

«Um perfeito político»

 

Um político, e para cúmulo um político particularmente zeloso face às obrigações dos contribuintes, deve acumular um currículo de desleixos fiscais? Talvez não. Haverá políticos imaculados nesta matéria ou em matérias mais graves, do mero arranjinho à pura corrupção? Dificilmente. Será saudável que os delitos e os eventuais crimes cometidos pelos políticos na vida "privada" ou "pública" (se quiserem, depois discutimos subtilezas) tenham consequências? Não duvido. Convém escrutinar previamente a seriedade dos políticos? Com certeza. Estamos preparados para dispensá-los a todos? A tentação é responder. "E depressa, por favor!". Mas a realidade impõe cautela.

 

Pedro Passos Coelho não se explicou com particular clareza na história dos atrasos à Segurança Social e ao IRS. Porém, acertou se calhar inadvertidamente em cheio quando jurou não ter, "ao contrário de outros", usado o cargo para enriquecer. De facto, há que separar os pecadilhos cometidos por quem não espera mandar nisto e os esquemas elaborados por quem manda. E não se trata apenas da dimensão das falhas: terríveis ou minúsculos, os deslizes que regressam para prejudicar os senhores no poder não são comparáveis aos deslizes que advêm desse mesmo poder e beneficiam os respectivos titulares. A imprevidência não é igual ao abuso.

 

José Sócrates, que enfiou o barrete com esplendor, está detido por suspeita, presumivelmente fundada, de artimanhas complicadas e decorrentes de funções governativas - não por assinar belas moradias na Beira Interior ou concluir licenciaturas ao Domingo. Espertezas destas não são um achado jornalístico: são a regra no "meio", aliás confirmada nas notícias que de imediato se espalharam sobre a lisura cívica dos que implícita ou explicitamente desataram a pedir a cabeça do primeiro-ministro, do Dr. Costa (alegadas trapalhadas na sisa) ao Sr. Alegre (reforma de três mil euros por três meses na RDP).

 

É evidente que Pedro Passos Coelho não sai beatificado do episódio, que no mínimo mostra tiques de incoerência, alguma presunção de impunidade e, indirectamente, uma carreira profissional típica, na órbita dos partidos, do Estado e dos interesses dos partidos no Estado. Sucede que, nos desgraçados tempos que correm, estes defeitos constituem as virtudes possíveis de um político. A alternativa é quase sempre pior. Do que se sabe até agora, os "crimes" de Pedro Passos Coelho não diferem dos perpetrados por inúmeros cidadãos comuns. Se daqui em diante não se vier a saber mais, exigir a demissão do homem e condenar, a título de "populista", uma lei contra o enriquecimento ilícito não é só ridículo: é certificar o óbito da classe política em peso, proeza menos sensata do que parece. Afinal, é necessário existir alguém que nos obrigue a pagar impostos, ainda que fora de horas.

Berta Brás.jpg Berta Brás

CHEFS D’OEUVRES

Panos Kammenos.jpg

No melhor pano cai a nódoa

 

Sem saber exactamente como pegar no assunto de tão porco ele me parece, fico espantado com a ameaça de Panos Kammenos, Ministro grego da Defesa, sobre uma putativa invasão europeia de gregos esfomeados e jihadistas raivosos caso a UE não lhes dê o dinheiro que eles querem continuar a esbanjar.

 

Mas o homem é radical de direita e eu fiquei de início admirado como conseguia ele chantagear-nos daquele modo. Até que me lembrei de que ele não é um radical livre mas sim um syrizado assumido com Tsipras.

 

E quando no berço da democracia só se fala de hors d’oeuvres, como havemos nós de responder com chefs d’oeuvres?

 

Ando cá desconfiado que as ameaças, completamente alheias às obras prima da diplomacia, nada têm a ver com o posicionamento político mas sim e apenas com a falta de carácter.

 

Março de 2015

 

C-HSF-Mékong.jpg

Henrique Salles da Fonseca

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D