Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A bem da Nação

QUARESMA

Quaresma.png

 

Acabou o Carnaval, uma parte bela da vida dedicada mais ao exterior, para se seguir uma outra parte, também bela, que é a vida interior. Com a quarta-feira de cinzas começa a Quaresma (quarenta dias antes da Páscoa) em que cristãos e muitos não cristãos procuram dedicar espaço também para o jejum e abstinência. Quaresma é, para os cristãos, um tempo de purificação em que se participa na entrega e sofrimento da vida de Jesus, para preparar em si mesmo a realização da Páscoa. Trata-se de superar a rotina da vida para possibilitar a experiência da vida interior. Com o jejum adquire-se maior sensibilidade e maior presença de espírito nas relações humanas e espirituais.

 

Segundo a tradição, o jejum e abstinência implicam uma tríade: jejuar, rezar e dar esmolas. Tudo isso deve acontecer no silêncio e discrição para se não alimentar a ambição nem o narcisismo; isto tem como finalidade purificar a pessoa de maneira que se torne mais aberta e sensível para o próximo e para Deus, para o corpo e para a alma.

 

Há várias formas de jejum, entre elas, renúncia a tabaco, álcool, dispensa de doces, jejum do telemóvel, do querer levar a sua avante, etc. Deste modo fortifica-se também a vontade e ajuda-se a suportar a frustração. As satisfações exteriores diminuem-se um pouco para beneficiar as interiores. Tem-se o benefício de se sentir um tempo, uma pausa do habitual aparentemente inútil e sem um objectivo concreto. Isto possibilita a vivência de experiências diferentes das habituais e dá oportunidade à criatividade e à intuição.

 

António Justo.jpg

António da Cunha Duarte Justo

ISLÃO – CORÃO

 Islão.png

Um pouco de História

 

Eu tenho um amigo muçulmano, marroquino, a quem por graça trato por “primo” porque nasceu em Al Jadida, a antiga Mazagão, por onde terão andado antepassados meus. Eu posso ser e continuarei a ser seu amigo. Mas pode ele ser meu amigo, sem contrariar a “lei”? Vejamos, a sura 5:51:

 

“Ó fiéis, não tomeis os judeus e os cristãos como aliados. Na verdade são aliados um do outro. E quem é aliado a eles entre vós, em seguida, na verdade, ele é um deles. Com efeito, Deus não encaminha o povo iníquo.”

 

Em português comum isto significa: Tu não deves tomar os não-muçulmanos como amigos.

 

Ou a sura 4:89:

 

Anseiam (os hipócritas) que renegueis, como renegaram eles, para que sejais todos iguais. Não tomeis a nenhum deles por confidente, até que tenham migrado pela causa de Deus. Porém, se se rebelarem, capturai-os então, matai-os, onde quer que os acheis, e não tomeis a nenhum deles por confidente nem por socorredor.

 

E até hoje não entendo porque não posso ser amigo de qualquer um que tenha um sentido de religião diferente!

Logo no começo Maomé já era um “homem do bem”:

 

Em Khaybar, Maomé tomou Safiya como saque e como sua escrava sexual. Segundo Bukhari (2:14:5:68, p. 35; 4:52:74:143, p. 92; 4:52:168:280, p. 175), e Tabari (39:185), Safiya bint Huyayy era uma cativa de Maomé com quem ele se casou depois de matar o seu pai, irmão, marido e todos os homens da sua comunidade judaica de Khaybar.

 

Como é evidente não se podem aceitar, nem conceber algumas das “leis” que mandam nos “fiéis”, não só as anteriores como:

 

3:19 - Para Deus a religião é o Islão. E os adeptos do Livro só discordaram por inveja, depois que a verdade lhes foi revelada. Porém, quem nega os versículos de Deus, saiba que Deus é Destro em ajustar contas.

 

3:42 a 52 - Os anjos disseram: Ó Maria, é certo que Deus te elegeu e te purificou, e te preferiu a todas as mulheres da humanidade! Ó Maria, consagra-te ao Senhor! Prostra-te e genuflecte, com os genuflexos! Estes são alguns relatos do incognoscível, que te revelamos (ó Mensageiro). Tu não estavas presente com eles (os judeus) quando, com setas, tiravam a sorte para decidir quem se encarregaria de Maria; tampouco estavam presentes quando rivalizavam entre si. E quando os anjos disseram: Ó Maria, por certo que Deus te anuncia o Seu Verbo, cujo nome será o Messias, Jesus, filho de Maria, nobre neste mundo e no outro, e que se contará entre os dilectos de Deus. Falará aos homens, ainda no berço, bem como na maturidade, e se contará entre os virtuosos. Perguntou: Ó Senhor meu, como poderei ter um filho, se mortal algum jamais me tocou? Disse-lhe o anjo: Assim será. Deus cria o que deseja, posto que quando decreta algo, diz: Seja! e é. Ele lhe ensinará o Livro, a sabedoria, a Tora e o Evangelho. E ele será um Mensageiro para os israelitas, (e lhes dirá): Apresento-vos um sinal do vosso Senhor: plasmarei de barro a figura de um pássaro, à qual darei vida, e a figura será um pássaro, com beneplácito de Deus, curarei o cego de nascença e o leproso; ressuscitarei os mortos, com a anuência de Deus, e vos revelarei o que consumis o que entesourais em vossas casas. Nisso há um sinal para vós, se sois fiéis. (Eu vim) para confirmar-vos a Tora, que vos chegou antes de mim, e para liberar-vos algo que vos está vedado. Eu vim com um sinal do vosso Senhor. Temei a Deus, pois, e obedecei-me.

 

Sabei que Deus é meu Senhor e vosso. Adorai-O, pois. Essa é a senda reta. E quando Jesus lhes sentiu a incredulidade, disse: Quem serão os meus colaboradores na causa de Deus? Os discípulos disseram: Nós seremos os colaboradores, porque cremos em Deus; e testemunhamos que somos muçulmanos!

 

Dificilmente dá para acreditar nesta apologia de Cristo! Sobretudo porque remata com um testemunho dos muçulmanos! E continua:

 

4:84 - Dize: Cremos em Deus, no que nos foi revelado, no que foi revelado a Abraão, a Ismael, a Isaac, a Jacó e às tribos, e no que, de seu Senhor, foi concedido a Moisés, a Jesus e aos profetas; não fazemos distinção alguma entre eles, porque somos, para Ele, muçulmanos.

 

Mais adiante desmente tudo e começa a cizania:

 

9:30 - Os judeus dizem: Ezra é filho de Deus; os cristãos dizem: O Messias é filho de Deus. Tais são as palavras de suas bocas; repetem, com isso, as de seus antepassados incrédulos. Que Deus os combata! Como se desviam!

 

4:151 - Infundiremos terror nos corações dos incrédulos, por terem atribuído parceiros a Deus, sem que Ele lhes tivesse conferido autoridade alguma para isso. Sua morada será o fogo infernal. Quão funesta é a morada dos iníquos!

 

4:24 - Também vos está vedado desposar as mulheres casadas, salvo as que tendes à mão. Tal é a lei que Deus vos impõe. Porém, fora do mencionado, está-vos permitido procurar, munidos de vossos bens, esposas castas e não licenciosas.

 

4:101 - Quando viajantes pela terra não sereis recriminados por abreviardes as orações, temendo que vos ataquem os incrédulos; em verdade, eles são vossos inimigos declarados.

 

5:82 - Constatarás que os piores inimigos dos fiéis, entre os humanos, são os judeus e os idólatras. Constatarás que aqueles que estão mais próximos do afecto dos fiéis são os que dizem: Somos cristãos, porque possuem sacerdotes e não ensoberbecem de coisa alguma.

 

Será por estarem “mais próximos” que os matam e perseguem?

 

7:166 - E quando, ensoberbecidos (os judeus), profanaram o que lhes havia sido vedado, dissemos-lhes: Sede símios desprezíveis!

 

8:12 - E de quando o teu Senhor revelou aos anjos: Estou convosco; firmeza, pois, aos fiéis! Logo infundirei o terror nos corações dos incrédulos; decapitai-os e decepai-lhes os dedos!

 

9:4 e 5 - Cumpri o ajuste com os idólatras, com quem tenhais um tratado, e que não vos tenham atraiçoado e nem tenham secundado ninguém contra vós; cumpri o tratado até à sua expiração. Sabei que Deus estima os tementes. Mas quanto os meses sagrados houverem transcorrido, matai os idólatras, onde quer que os acheis; capturai-os, acossai-os e espreitai-os; porém, caso se arrependam, observem a oração e paguem o zakat (imposto), abri-lhes o caminho. Sabei que Deus é Indulgente, Misericordiosíssimo.

 

Por aqui se pode imaginar quanto o Islão tem de religião de paz. Infelizmente. Islão não é uma religião mas uma lei, só uma lei, em que se fala de Alá, Deus, para que todos a aceitem, com medo, obrigando os incautos a guerrearem para tomar conta do mundo e a seguir se matarem uns aos outros.

 

Por muito que queiramos disfarçar, e até procurar manter amigos que há anos ou por tradição são muçulmanos, a verdade é que esta escalada do extremismo está a dividir o mundo, semeando o terror e a desconfiança entre todos e por todos os continentes.

 

Há dias mais um vídeo dos selvagens mostrava a decapitação de vinte e um cristãos coptas do Egipto. Só porque eram cristãos! Um horror. Devem ser eles, coptas, quem nos dias de hoje mais ataques sofrem dos fundamentalistas, sem que o “mundo” se manifeste. Finalmente o novo presidente, general Al-Sisi, decidiu começar a pôr cobro à perseguição e morte de egípcios por egípcios e outros.

 

Por todo o lado os ataques à liberdade, de imprensa, de estudar, das mulheres, às sinagogas e às igrejas que sobram em territórios de maioria muçulmana, se intensificam.

 

Quando isto vai parar? Pelas atitudes que se têm visto tomar pelos políticos de todo o lado... NUNCA.

 

No “politicamente correcto”, nos “direitos humanos”, a covardia é evidente.

 

Para França, por exemplo, foram milhares de imigrantes portugueses. Que problema causaram no país? Nenhum. Enquadraram-se, mesmo tendo saído dum país católico aceitaram o laicismo francês.

 

O que é verdade é que os princípios de cultura vinham da mesma fonte: greco-romana e cristã. Os que lá chegam agora, imbuídos desta “lei” do “mata o outro”, dificilmente se irão adaptar e serão sempre os que irão abrir a porta para a invasão dos extremistas terroristas.

 

Os judeus, nas suas colónias, dificilmente se integram à cultura dos países onde vivem, mas não perturbam. Seguem, quase totalmente endógamos fechados nos seus princípios e no Live and let live.

 

Ainda mais um pouco sobre o islamismo na Índia de que já tanto escrevi:

 

No ano 986 um sultão muçulmano, Sabutkin, devastou as províncias de Kabul e Panjab; as suas forças “massacraram os infiéis”. Como os hindus eram “infiéis” o sultão ordenou o massacre com o argumento de que “Alá mandou matar os infiéis todos, e a ordem de Alá não se muda”.

 

Em 1018 voltou a atacar povos indianos e regressou com um espólio de vinte milhões de dirhams (algo como 60 toneladas de prata) e 13000 escravos.

 

Em 1210 atacaram a cidade de Varanasi, demoliram os ídolos de milhares de templos, e dali levaram 1400 camelos carregados com os tesouros roubados.

 

Em 1527 Zahir-ud-in-Muhamad, Babur, para reconquistar o Rajasthan, declarou que a guerra era santa, a jihad, e assim fez mais uma carnificina de 15000 indianos.

 

Em 1909 quando era grande a movimentação para se abolir o colonialismo inglês, os muçulmanos queriam fazer eleições separadas para o Congresso. Queriam mais um dar-ul-islam, um “mundo do Islão” separado, o que veio a acontecer com a separação do Paquistão e depois com o Bangladesh.

 

Se não fosse a presença britânica, o que é hoje a Índia teria ficado um retalho de pequenos estados, que aliás se guerrearam até ao finalzinho do século XX. Indus com muçulmanos, estes e aqueles com siques, e todos com todos. E continua hoje uma grande tensão nas fronteiras Índia-Paquistão!

 

(É de notar que na Alemanha pré nazista, e ainda no começo desse horrível tempo, os judeus também não se consideravam alemães, mas “parte do povo judeu vivendo na Alemanha!”)

 

Se ninguém quer abdicar da sua religião, por tradição ou receio de ficar isolado, pior ainda no Islão de poder ser condenado à morte, poderiam seguir o princípio elementar do siquismo (sikhismo):

 

A religião não assenta em palavras vazias.

É religioso quem considera todos os homens e mulheres seus iguais.”

 

É um desastre esta escalada do terror. Que não pode ficar sem resposta e vai obrigar a que sejam os civis, muçulmanos ou não, os principais sacrificados.

 

E como vai reagir a Europa, sobretudo a Itália, França, Bélgica e Grã-Bretanha, com esta invasão imparável dos que diariamente atravessam o Mediterrâneo?

 

18/02/2015

Francisco Gomes de Amorim Francisco Gomes de Amorim

DIÁRIO DE VASCO DA GAMA

HSF-Réplica caravela «Boa Esperança».png Réplica da caravela «Boa Esperança» a navegar no rio Tejo durante as comemorações do Dia do Porto de Lisboa, a 31 de Outubro de 1990.

 

A UNESCO reconhece na viagem pioneira à Índia "um dos momentos-chave que mudaram o rumo da história do mundo".

 

O diário da primeira viagem de Vasco da Gama à Índia foi um dos 54 documentos inscritos no Registo da Memória do Mundo pela Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO).

 

A aprovação da lista, pela Directora Geral da UNESCO, Irina Bokova, foi feita na sequência de recomendações do Comité Consultivo Internacional do Programa Memória do Mundo numa reunião realizada em Gwangju, na Coreia do Sul e, para o Secretário de Estado da Cultura, Jorge Barreto Xavier, "reforça o valor simbólico do papel de Portugal no processo de globalização".

 

A cópia mais antiga - e a única que se conhece - do texto original do "Roteiro da primeira viagem de Vasco da Gama à Índia, 1497-1499", encontra-se na Biblioteca Pública Municipal do Porto (BPMP) desde 1834, proveniente do Mosteiro de Santa Cruz, em Coimbra.

 

A Faculdade de Letras da Universidade do Porto disponibiliza-o on-line, na Colecção Gâmica da Biblioteca Digital, numa leitura crítica do investigador José Marques.

 

O original do diário da viagem de Vasco da Gama à Índia, em 1497, é atribuído a Álvaro Velho, do Barreiro, e esteve exposto naquela biblioteca em 2008.

 

Criado em 1997 para proteger o património documental mundial, o Registo Memória do Mundo integrava 245 itens, três dos quais são portugueses e fazem parte do Arquivo Nacional da Torre do Tombo (ANTT).

 

Nestes novos 54 registos – seleccionados num total de 84 candidaturas – além do diário de Vasco da Gama, foram também inscritos dois documentos do Brasil: o arquivo do arquitecto brasileiro Oscar Niemeyer e as viagens do imperador D. Pedro II no Brasil e no estrangeiro.

 

Além destes, do universo da Lusofonia, também foi inscrita a colecção de documentos audiovisuais da colecção do jornalista e realizador Max Stahl sobre o nascimento de Timor-Leste como Nação.

 

Neste momento, o Registo da Memória do Mundo da UNESCO conta com 299 documentos e colecções documentais dos cinco continentes, conservados em todo o tipo de suportes, da pedra, ao pergaminho ou gravações audiovisuais.

HSF-Chegada Vasco da Gama à Índia.png Chegada de Vasco da Gama à Índia

 

 

João Paulo Trindade.jpg João Paulo Trindade

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D