Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A bem da Nação

OS DISTRAÍDOS DO NOSSO TURISMO

 

TURISMO.jpg

 

O DN apresentou um trabalho bastante desenvolvido sobre o nosso turismo donde ressalto algumas afirmações: o crescimento em volume de turistas e em receitas globais mas pouco ou nenhum crescimento na receita per capita, isto é por turista.

 

O que obviamente não espanta quem esteja ligado a esta actividade económica e não se tenha distraído pois durante as últimas décadas andámos a desenvolver o “sol e praia” gastando avultadas quantias em “promoção” esquecendo a definição de turismo e portanto não aplicando as regras básicas da gestão eficiente, que obriga a definir os objectivos a atingir, os meios para o conseguir, e o controle de resultados de forma a ir adaptando o trabalho a fim de ir melhorando a sua actuação.

 

Convém agora rever a definição de turismo que uso desde 1973 em que fui forçado a estudar este assunto quando fui responsável pela transformação do Funchal em navio de cruzeiros: actividade económica global e sistémica em que o produto a consumir não é levado ao cliente mas é este que vem consumi-lo.

 

Portanto é evidente que o cliente ideal é o que mais valor acrescentado proporciona, o que implica cuidar da qualidade do produto oferecido, o que aconteceu em alguns casos como por exemplo com a Quinta do lago, com Vale do Lobo, com os cruzeiros no Douro, com o aumento do golfe e está a acontecer agora com a nossa gastronomia, mas que a tolice do sol e praia foi o exemplo exactamente do contrário.

 

Entretanto já lá vão quase trinta anos que temos lutado contra este erro que já custou muitos milhões de prejuízo ao País e milhares de postos de trabalho que tanta falta nos fazem, sem que a comunicação social, os governantes e os responsáveis corporativos abandonem essa distracção, que tem sido o desprezo pela Marinha que é um factor essencial, uma vez mais na nossa história, para sairmos desta apagada e vil tristeza de sermos um País empobrecido e periférico, por ser mal governado.

 

Com efeito fazemos cais para receber navios estrangeiros com turistas que deixam cá algumas dezenas de euros cada um, mas quando quisemos ter navios nossos o governo (nos finais da década de 80 princípio de 90) proibiu essa iniciativa e acabou com a empresa privatizando-a e assim iniciando esta moda suicida de perder poder económico.

 

Temos enorme potencial de turismo náutico de elevado valor acrescentado em zonas como por exemplo no estuário do Tejo, no Sotavento Algarvio e no Alqueva, que em poucos meses podem criar milhares de postos de trabalho a atrair turistas do nível desejado, onde inclusive há projectos concretos há já vários anos que continuam parados nas gavetas de Presidentes de Câmaras e de Secretários de Estado sem que haja qualquer manifestação útil por parte dos distraídos atrás indicados.

 

Porquê?

 

Por preconceitos esquerdistas ou simplesmente de deficiente raciocínio por a Marinha de Recreio ser “fascista”, a Marinha de Comércio ser “colonialista” e a de Pesca ser de “pobres” ou por deficiência de informação resultante de nunca terem praticado e/ou estudado actividades náuticas?

 

E no entanto queixam-se do facto de Portugal se ter tornado num país periférico o que não era quando tinha a melhor Marinha da Europa e iniciou a globalização, mas nada fazem para alterar este rumo, que do ponto de vista previsto na nossa Constituição da preservação das nossas soberania e independência é suicida e inconstitucional.

 

Lisboa, 17 de Dezembro de 2014

 

Eng. J.C. Gonçalves Viana

José Carlos Gonçalves Viana

PAPA VAI CANONIZAR PADRE JOSÉ VAZ, DA GOA PORTUGUESA

Padre Vaz.png

 

O Papa vai presidir a 14 de Janeiro de 2015, no Sri Lanka, à cerimónia de canonização do Padre José Vaz, nascido na Goa portuguesa a 21 de Abril de 1651.

 

O sacerdote missionário no Sri Lanka, onde morreu a 16 de Janeiro de 1711, foi proclamado como Santo contando com os votos favoráveis da sessão ordinária da Congregação para as Causas dos Santos sem exigir um novo milagre.

 

A data de canonização foi decidida durante o consistório que decorreu no Vaticano, sob a presidência do Papa.

 

José Vaz, sacerdote da Congregação do Oratório, foi beatificado por São João Paulo II em Janeiro de 1995, também durante uma viagem ao Sri Lanka.

 

O futuro Santo foi recordado, na sua beatificação, como "um grande Padre missionário", tendo vivido de forma pobre numa época de perseguição aos cristãos, apesar de ter nascido numa família da casta dos brâmanes.

 

O sacerdote foi preso e ajudou clandestinamente as comunidades católicas, celebrando Missa de noite, para além de ter traduzido o Evangelho para as línguas tâmil e cingalês.

 

A comunidade católica em Goa está a dialogar com as Autoridades da Igreja no Sri Lanka sobre a possibilidade de organizar um encontro de cerca mil fiéis com o Papa.

 

A viagem de Francisco ao Sri Lanka vai decorrer entre os dias 13 e 15 de Janeiro de 2015, seguindo-se uma passagem de quatro dias pelas Filipinas.

 

No início de Outubro de 2014, o Papa recebeu no Vaticano o Presidente do Sri Lanka em audiência privada após a qual expressaram votos de que a viagem pontifícia "possa ser acolhida como sinal de proximidade à população" e como "encorajamento aos que trabalham pelo bem comum, a reconciliação, a justiça e a paz".

 

 

Agência Ecclesia

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D