Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A bem da Nação

OS LOBOS E OS FAUNOS – 5

 

A sagração da concorrência

 

 

Fauno, rei do Lácio, filho de Pico e neto de Saturno a quem estabeleceu culto público, elevou a mulher – Fauna – e o pai à honra dos altares privados acabando ele também por ver os romanos reconhecerem-lhe atributos divinos e prestarem-lhe culto oficial. Ficou na mitologia romana como divindade campestre assobiando em conjunto com centenas de melros a melodia que nos campos ouvimos das flautas mágicas em protecção da fecundidade dos rebanhos.

 

O Senhor Carlos é o único sapateiro remendão do meu bairro. Não dá trabalho a mais ninguém, pratica os preços que quer e fecha à hora do almoço durante duas horas. Monopolista, é um sovina que não distribui os lucros com empregados. Como se constroem os preços que ele pratica? Para quê uma pausa de duas horas ao almoço?

 

Isto não podia continuar assim, pensaram os autarcas cá da freguesia; havia que trazer alguém de outro lado para que a concorrência se fizesse sentir e o mercado passasse a ser transparente com preços correctamente formados. E se bem o entenderam, melhor o fizeram tratando de criar condições à vinda de uma grande cadeia internacional de oficinas de reparação de calçado com sede em Frankfurt usando modernos materiais sintéticos em substituição do couro e utilizando resinas de tecnologia de ponta em substituição do velho grude. Deu gosto ver a chegada da maquinaria e os autarcas, de orgulhosos, até puseram gravata nesse dia.

 

Que bom! Parecia que todos tínhamos estado a guardar os sapatos velhos à espera da abertura desta multinacional e no primeiro dia foi um rodopio fantástico. O trabalho durou uma semana e ao fim do primeiro mês o Gerente começou a pensar que seria necessário mandar os aprendizes embora pois não tinham contrato de trabalho e como não havia trabalho para eles, mais valia que não estivessem ali a empatar os mestres e contramestres. De facto, era gente a mais na oficina mas os aprendizes sempre eram pagos pelo Instituto do Emprego e Formação Profissional enquanto os contramestres estavam a recibo verde e, esses sim, davam prejuízo. Ao terceiro mês só ficaram os mestres e os aprendizes e se não se tivesse feito uma substancial redução na tabela de preços, nem para os vencimentos haveria dinheiro quanto mais para a Segurança Social . . . Ao quarto mês, um dos dois mestres meteu baixa com uma dor ciática e isso foi perfeitamente providencial pois não havia trabalho para tanta gente. Felizmente, o sapateiro remendão decidira ir de férias durante dois ou três meses e a multinacional ficava com o mercado do bairro só para si. Mas como apareceu um mestre sapateiro romeno a oferecer-se para trabalhar por metade do salário do português, o Gerente pediu à casa-mãe um apoio financeiro para despedir e indemnizar o português ficando de amortizar o empréstimo com a poupança que iria obter na substituição pelo romeno. Mas o romeno não sabia falar português, as reclamações dos fregueses começaram a chover e os aprendizes chegaram ao fim do estágio remunerado pelo IEFP. Foi na altura em que a oficina comemorava seis meses de actividade cá no bairro que o Gerente convenceu a sede da multinacional a desistir deste mercado. Os prejuízos apurados foram consolidados nas contas globais em Frankfurt e o IRC a pagar ao Estado alemão foi por isso menor.

 

Agora andamos todos à procura do Senhor Carlos para tentarmos convencê-lo a reabrir a sua antiga chafarica. Mas ele já estava reformado das Oficinas Gerais de Fardamento e Calçado, fazia este trabalho para ganhar mais uns cobres, continuar a descontar para a Segurança Social pelo ordenado mínimo nacional e poder ir actualizando a pensão não ficando parado sentindo-se um parasita da sociedade. Ah! Aquelas duas horas de intervalo ao almoço, já me esquecia. Por incrível que possa parecer, o Senhor Carlos ainda tinha Pai e Mãe, ambos com mais de 90 anos de idade e era ele que lhes ia dar o almoço . . . É que nem todos os filhos mandam os pais para os asilos que agora se chamam lares para a terceira idade e são pagos a peso de ouro. Aos fins-de-semana o Senhor Carlos e a mulher iam para o parque de campismo da Caparica com os netos. Será que agora se deixam ficar por lá?

 

Os autarcas confiam ansiosamente na curteza da nossa memória, dizem que fomos nós, os fregueses, que boicotámos a modernização e transparência do mercado e já estão a pensar nas recandidaturas . . .

 

É um escândalo que em Malta só haja uma concessionária de auto-estradas e que no Vaticano só se possa ser católico.

 

Lisboa, Maio de 2006

 

Henrique Salles da Fonseca

SIX CITIES IN SEVEN DAYS

 

The great artistic match of Rembrandt versus Caravaggio, at the  Van Gogh Museum, in Amsterdam, ended, in my opinion, with the  victory of the latter.

"Sacrifício de Isaac" - Caravaggio

 

"Sacrifício de Isaac" - Rembrant

 

But I must acknowledge that Rembrandt did better than expected and at least in one round overtook his master. I am referring to  the "quasi sacrifice" of  Isaac -  Abraham’s son -  at the hands of his father. Rembrandt’s treatment of this subject impressed me more that anything Caravaggio produced. But, in the end, when you dive into Van Gogh’s collection, you feel happy that Caravaggio or Rembrandt’s school  ended with them.

 

"Girassóis" - van Gogh

 

Jette and  I were staying  at Ryan’s splendid mansion in The Hague.

The Hague, with Richard as a cicerone, becomes the home of gourmandise.  Anyt city of a reasonable dimension patronised by Richard acquires immediately such quality.  We even had a wine taste at Delft.

Who cares for the tulips and ceramics. The white Bourgogne [and Vermeer] made the day.

 

We intended to return to Amsterdam to see the Portuguese Synagogue, but finding the road jammed we decided to switch to Utrecht and did not regret it.

There, you can park at the very urban centre and discover the city  walking. Very picturesque: besides the canals, there is an interesting medieval Cathedral in 2 separated sections. It was about time to see something like that. Why should Cathedrals be always in one single piece?  As for the sefarditas, I found another book [The subject continues to fascinate me]. This writer suggests that Jews created both capitalism [Pentateuch] and anti-capitalism [Karl Marx].

 

In that afternoon, we drove down to Bruges where, by lucky accident, we landed on a charming family hotel  (Flandres Hotel]. 

We stayed there 2 nights. There are only three Van Eyks available in town [one very good]; even so, Bruges vaut bien une visite. Besides good restaurants and several well appointed museums, we had Schumann and Brahms played by the excellent local Orchestra at a 1/3 of the Lisbon cost for similar performances. Very touching.

 

Waterloo justifies the visit altough I do not see it from a military point of view.

 

What puzzles me is the manipulation behind it. What make people accept the idea that dying young in a battle field is a duty and even an

honour.

 

I am quite sure that those who were fighting and while they were doing it were quite happy. (Coincidence: BBC 4 started yesterday a programme with similar accents – how the film industry helped to “sell” the necessary idea at each phase of the IIWW).) 

 

The voyage ended in Brussels, a city too big for our taste and age.

 

Now , back home, I am already missing Richard’s talk . When described by him, the world seems a very interesting place. He can recreate people like Joyce and Becket, make them sit in front of you and participate in the conversation, expressing themselves in their own genuine slang. And more. Besides the poetic vein, he is a man of the world and he can successfully produce  clear interpretations of facts where others fail.    He can even give a meaning to a thing like the UN!  In my opinion, more people should have a chance to hear him. So, I asked him to put himself in printing, but he is reluctant.

 

Love to all

Estoril, Maio de 2006

 

Luís Soares de Oliveira

 

Pág. 2/2

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D