Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A bem da Nação

CURTINHAS SOBRE A NOSSA ECONOMIA – 1

A VOL D’OISEAU

(Os diagnósticos sobre o estado da economia portuguesa enchem páginas e páginas de brilhante prosa. Mas será que não se pode resumir tudo isso em duas ou três frases esclarecedoras, que qualquer um, por mais desinteressado, entenderá sem dificuldade?)

 Nós, portugueses, exigimos emprego, mas sonhamos com bens (e serviços) que não está ao nosso alcance produzir (ou prestar) – e, não obstante, temos tido dinheiro para comprá-los
 Nós, portugueses, queremos ganhar como europeus, mas, se houver por aí bens (e serviços) a preços chineses, corremos a comprá-los – e o dinheiro para isso não nos tem faltado
 Nós, portugueses, ainda nos custa a crer que a regra do jogo seja só esta: ganhar a vida consiste em ter para oferecer algo que outros apreciem e estejam na disposição de pagar por isso bom dinheiro - mas não é que tem havido tanta gente interessada em adquirir o nosso endividamento, que oferecemos, aliás, de boa vontade e sem nenhum esforço?

A.PALHINHA MACHADO

...

"Ordinariamente, todos os ministros são inteligentes, escrevem bem, discursam com cortesia e pura dicção, vão a faustosas inaugurações e são excelentes convivas. Porém, são nulos a resolver crises. Não têm a austeridade, nem a concepção, nem o instinto político, nem a experiência que faz o estadista. É assim que há muito tempo em Portugal são regidos os destinos políticos. Política de acaso, política de compadrio, política de expediente. País governado ao acaso, governado por vaidades e por interesses, por especulação e corrupção, por privilégio e influência de camarilha, será possível conservar a sua independência?"

(Eça de Queiroz, 1867 in "O distrito de Évora")

Crónica do Brasil - 2

"Na babugem do êxodo"
Um livro de Inácio Rebelo de Andrade
Editora Vega – Lisboa 2005

Em sub-título está indicado que se trata de um romance. Não vou dizer que seja mentira – jamais me atreveria a contradizer o autor ou até autoridades em literatura. Este livro do Inácio Rebelo de Andrade é, não um romance, mas um muito valioso documento histórico.
Escrito sem pretensões literárias, que só o valoriza, texto simples, pode até chamar-se-lhe de modesto, claro, directo, tem nessa sua simplicidade grande parte do seu interesse.
O restante vem, como seria de esperar, pelas descrições que faz, com pequeninos e incríveis detalhes que, para quem viveu situações semelhantes, as revive com um colorido tão natural que chegam a impressionar, e pela clareza com que nos mostra o que foi o fim de uma época.
Ali estão os corredores estreitos dos navios passageiros, aquele cheiro perturbador misto de tinta e comida, os menus em cima das mesas, os detalhes das paragens no Funchal e S.Tomé, a viagem na “carrinha” até ao Longonjo, a vida nas casas comerciais do “mato”, os nomes das ruas e lojas de Nova Lisboa e, por fim, o desmoronar de tantas vidas construídas com um imenso e sempre jovem entusiasmo e dedicação, em cima do absentismo e ignorância política duma metrópole longínqua, cega, surda e gananciosa.
O entusiasmo e a vontade de crescer e transformar um “mato” num país, conseguiram enganar os olhos aos que queriam ignorar o óbvio: o fim desastroso de todos os lugares em África, com uma rara excepção, para a África do Sul anos mais tarde, que o deve a um dos maiores líderes mundiais do século XX, Nelson Mandela.
Sem dúvida que este livro é um precioso documento para a história daquele lugar a que hoje eufemisticamente se chama de Huambo, porque nada quase existe do que foi uma cidade trabalhadora, bonita, agradável, limpa e em constante progresso.
Completam o “documento histórico” as referências a leis, decretos e nomes de indivíduos que ocuparam em Angola lugares de responsabilidade, sempre relativa, porque a falta de liberdade não lhes permitia, mesmo que tivessem querido, proceder de modo diferente.
Obrigado ao Inácio por nos deixar um retrato tão vivo e autêntico daquela época, daquele lugar e das gentes de viveram e sofreram para serem de repente jogadas no lixo da política ignorante e incapaz.
Obrigado ainda por se ter abstido de pretenciosidades pseudo literárias, onde a maioria de outros que procuram debruçar-se sobre o mesmo tema, acabam se perdendo nas palavras em prejuízo da visão e da vivência.
Só não posso agradecer o ter terminado a sua leitura tão rapidamente. O livro com mais de trezentas e cinquenta páginas... de repente acaba, porque se lê de um só fôlego! Queria mais!

Rio de Janeiro, 27 Nov. 05

Francisco G. de Amorim

REFORÇO DA LUSOFONIA – 2


A Delegação em Goa da “Fundação Cidade de Lisboa” pretende apoiar grupos de conversação em língua portuguesa constituídos por antigos alunos dos cursos de português ministrados em Panjim e Margão.

Os grupos serão constituídos por um máximo de 10 pessoas, funcionarão durante cerca de 6 semanas e deverão ser orientados por monitora em regime de voluntariado.

Aquela Instituição pretende obter a colaboração de voluntária portuguesa, de preferência com licenciatura de nível superior, que se proponha monitorar os referidos grupos de conversação.

Viagens aéreas de ida e volta, custos de permanência e “dinheiro de bolso” assegurados.

Para mais informações, contactar:

Dr. Jorge Renato Fernandes
Tel: 00 91 0832 2226398
163-Campal
Panjim 403001
Goa – Índia
drjorge75@hotmail.com

REFORÇO DA LUSOFONIA – 1


A Universidade Lusíada de Angola pretende admitir professores para as seguintes áreas:

 Relações Internacionais
 Informática
 Recursos Humanos
 Psicologia.

Os eventuais interessados deverão contactar:
Dr. Nuno Junça
Universidade Lusíada de Angola
Tel: 00-244-222 370 298; 00-244-222 370 346
Fax: 00-244-222 370 346

Pág. 1/3

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Contador


contador de visitas para site

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2005
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2004
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D