Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

BURRICADAS - 3

 

 

Chuva de molha-tolos ( III )

v      Enquanto na esfera real decorria o “efeito-valsa” entre preços de activos e taxas de juro nominais, no restrito círculo financeiro preparava-se o cenário para o “efeito-dominó”.

v      Aí, a rede de responsabilidades cruzadas não parava de se adensar, agora com novidades de tomo: (1) já não eram só os Bancos a estruturarem-na – as EIC/Entidades de Investimento Colectivo disputavam-lhes, palmo a palmo, esse papel (exemplo claro da celebrada desintermediação); (2) muitos desses feixes de relações financeiras também não passavam já pelos mercados interbancários, nem sequer por qualquer mercado organizado (as operações OTC/Over-the-Counter, com especial destaque para os “derivados de crédito”, iam ganhando peso substantivo); (3) e, por consequência, escapavam ao controlo directo das Autoridades Monetárias situações que buliam com a estabilidade financeira.

v      Esta configuração talvez não fizesse deslocar em definitivo, dos mercados interbancários para o mercado de capitais, o centro de gravidade do sistema financeiro. Mas criava para o risco sistémico um novo epicentro, o mercado de capitais, e um novo factor de risco, o risco de mercado (aqui entendido como risco cotação, ou risco preço), que assim vinha juntar-se ao risco de crédito, enquanto causas da instabilidade.

v      Entretanto, as Autoridades de Regulação e Supervisão continuavam, como no passado, mais preocupadas em medir, com milimétrica precisão, o risco de crédito a que os Bancos se encontrassem directamente expostos (isto é, descuravam o que se escondia logo ao virar da esquina).

v      Não restam dúvidas de que, a haver crise, será o risco de mercado a desencadeá-la. Por isso, bem avisados têm andado a Federal Reserve e o BCE (tal como o BoE e o BoJ) quando, através dos Bancos, não cessam de injectar liquidez no sistema financeiro, com o evidente propósito de evitar que as EIC, para não soçobrar, comecem a despejar títulos no mercado.

v      Todavia, a medida, sendo inevitável para já, não só não é completa, como levanta, a prazo, um novo problema, aliás, bem bicudo. Vamos por partes.

v      Não é completa porque nem todos as EIC podem recorrer indiscriminadamente a empréstimos bancários: as Seguradoras, os Fundos de Pensões e tantos Fundos de Investimento estatutariamente impedidos de contrair dívida, não podem (pelo menos, nos volumes de que talvez venham a necessitar). A plena eficácia da medida fica assim circunscrita aos Hedge Funds e aos Fundos de Investimento “alavancados”. Já não é pouco, mas pode não ser suficiente.

v      Por outra parte, toda esta liquidez que está a ser lançada em circulação para conter o risco de mercado (e, assim, garantir a estabilidade do sistema financeiro) terá de ser imediatamente esterilizada - ou as Autoridades Monetárias perderão, a breve trecho, o controlo sobre a inflação. Ora, consegui-lo não vai ser tarefa fácil.

v      Enfim, a prazo, a liquidez excedentária terá de ser reabsorvida (ou seja, retirada do sistema financeiro), ou abrir-se-á um novo foco de turbulência, agora com efeitos mais duradouros, por se localizar na esfera real da economia (maior volatilidade dos preços relativos de bens e serviços, sem esquecer os salários). Como fazer, porém?

v      Goste-se ou não, o risco de mercado anda por aí, algures - na sombra de Seguradoras, Fundos de Pensões e Fundos de Investimento “não alavancados”. Tudo vai de saber como estão programados para reagir os actuais modelos de gestão automática de carteiras. Se replicarem, uniformemente, o mesmo padrão de resposta à queda das cotações, se reagirem de modo fortemente correlacionado (como reagiram em Outubro de 1987), o futuro não augura nada de bom, por mais liquidez que os Bancos Centrais injectem.

v      Tanto mais que basta um leve sinal de turbulência para que os primeiros títulos a ficarem sobre pressão vendedora, os que vêem as suas cotações cair primeiro, sejam justamente aqueles mais facilmente vendáveis – dito de outro modo, os que não se encontravam no epicentro da crise. É exactamente por isto que, no mercado de capitais, pequenos focos de instabilidade se transformam rapidamente em turbulência e que essa turbulência, de um momento para o outro, descamba em crise global.

v      A prova de fogo, contudo, será vivida pelos “derivados de crédito”. Consubstanciados, as mais das vezes, em textos contratuais avulsos, redigidos à medida dos interesses de ocasião, sem cláusulas padrão - será que podem ser sustentados em tribunal, e executados? Será que valem o papel em que foram escritos? [Não imagina, Leitor, a quantidade de gente que, por esse mundo fora, mal pode esperar pela resposta.]

v      De entre as muitas coisas que este episódio tem trazido a lume, uma é, sem dúvida, a fragilidade dos métodos de supervisão, quando dão igual valor prudencial (ou seja, quando tratam de maneira idêntica) a contratos bem tipificados, que passaram já com sucesso a prova judicial (por exemplo: aqueles que a ISDA/International Swaps and Derivatives Association certifica), e a contratos avulsos, cuja interpretação está longe de ser pacífica. Não surpreenderá, pois, que o risco jurídico entre em cena mais cedo do que daria jeito.

v      O que é dizer, a regulação e a supervisão, hoje em dia, não podem dispensar a auto-regulação e a disciplina do mercado, muito menos podem olhá-las como algo que não lhes diz minimamente respeito: verdades que as Autoridades Monetárias não aceitam facilmente.

v      Em resumo: no centro de todo este episódio (não sei se se poderá falar de crise, para já) está a liquidez...

v      A liquidez - que taxas de juro nominais excepcionalmente baixas, durante talvez demasiado tempo, lançaram na economia através dos empréstimos bancários (o financiamento dos “deficits gémeos” da economia norte-americana também terá dado uma boa ajuda).

v      A liquidez - que alimentou a bolha especulativa no mercado imobiliário.

v      A liquidez - que a teoria tem querido demonstrar, de há décadas a esta parte, ser totalmente irrelevante (uma variável espúria) na condução da política económica.

v      A realidade tem destas ironias. (cont.)

 

 

A. PALHINHA MACHADO

Setembro 2007

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2005
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2004
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D