Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

BURRICADAS - 2

 

 

Chuva de molha-tolos ( II )

v      A crise financeira que, dizem, anda por aí é, por definição, dizem também, made in USA.

v      Estranho. E então as bolhas imobiliárias que a actividade bancária tem espalhado por essa Europa fora (Espanha, UK, Portugal, Alemanha, etc.)? Passam ao lado da crise? Com a agravante de que, por cá, a maior parte deste risco repousa ainda nos Balanços consolidados dos Bancos credores (o que parece não acontecer nos Estados Unidos, onde, mais dizem, a exposição dos Bancos é, em larga medida, indirecta).

v      Este é, talvez, o elemento novo no presente episódio: os Bancos americanos estariam expostos aos sobressaltos do mercado imobiliário, não directamente, mas por via dos financiamentos que concederam a quem (sobretudo, EIC/Entidades de Investimento Colectivo: Fundos de Investimento, Fundos de Pensões, Hedge Funds, etc.) quis investir fortemente no mercado dos créditos hipotecários (e não só).

v      De facto, com taxas de juro nominais excepcionalmente baixas, muitos investidores eram tentados a “alavancar” com dívida (dívida a Bancos, naturalmente) o capital próprio que tinham investido - para, desse modo, verem multiplicado o rendimento que as suas carteiras lhes poderiam proporcionar.

v      E, tentação maior, porque não “alavancar” ainda mais o capital próprio com “estratégias credoras” – isto é, subscrevendo risco (através dos tais “derivados de crédito”), agindo como seguradoras de riscos financeiros e cobrando prémios por isso. Na esperança de que o boom do mercado imobiliário (e não só) durasse, se não para sempre, pelo menos até que o risco subscrito se extinguisse paulatinamente?

v      Muitos investidores (com especial destaque para Fundos de Pensões e Hedge Funds) se bem o pensaram, melhor o fizeram. Com grande satisfação dos Bancos que, deste modo, emagreciam os seus Balanços, livravam-se do risco retido (ou seja, do risco de crédito residual a que continuavam expostos, apesar das operações de titularização que tinham originado) e assim libertavam capitais próprios, sem que vissem os seus proveitos minguar.

v      Não eram só os investidores a ser tentados, porém. Alguns Bancos, deslumbrados com o negócio, caíram na tentação de o expandir ainda mais com uma chuva de empréstimos destinados a financiar a mínima tentação dos investidores. Não se apercebiam eles, Bancos, de que lhes entrava pela janela o risco que tinham visto sair pela porta. E a Federal Reserve, aparentemente, tardava em aperceber-se disso, também.

v      Se as tais operações subprime andarem pelos USD 150 mil milhões que têm sido referidos, a dimensão das perdas potenciais só é motivo de preocupação se se concentrarem em, apenas, uns poucos Bancos de projecção internacional. Mas, a haver crise financeira, o primeiro embate será suportado por EICs – o que terá diferentes consequências para a estabilidade do sistema bancário.

v      As perdas dos Hedge Funds reflectir-se-ão nos Balanços dos Bancos por quatro vias: três traçadas pelo risco de crédito; a outra, pelo risco de mercado.

v      O risco de crédito manifestar-se-á: (1) pela dificuldade dos Hedge Funds, atingidos por perdas significativas, servirem pontualmente os empréstimos bancários que contraíram; (2) pela impossibilidade dos Hedge Funds pagarem as indemnizações previstas nos instrumentos de diversificação de risco que subscreveram; (3) pelo accionamento, por terceiros, das contragarantias que os Bancos tenham eventualmente prestado no âmbito dos riscos subscritos pelos Hedge Funds; (4) pelo desencadear do risco de reputação, dado o papel que os Bancos têm tido em tudo isto.

v      O risco de mercado, esse, agravar-se-á: num primeiro momento, quando os Hedge Funds mais previdentes começarem a vender títulos para reforçarem as suas posições de liquidez; mais tarde, quando a pressão dos resgates já não lhes deixar alternativa.

v      É provável que os Fundos de Investimento, sujeitos a regulamentos mais apertados, não tenham enveredado ostensivamente, nem por “estratégias credoras”, nem por empréstimos bancários, para “alavancar” proveitos. O tempo dirá. Deles, a ameaça maior para a estabilidade do sistema financeiro vem, sem dúvida, dos resgates que os forcem à venda massiva de títulos - e do efeito que isso não deixará de ter na volatilidade das cotações.

v      Acresce que muitos destes Fundos de Investimento giram na órbita dos Bancos, que os promovem activamente - se é que não partiu mesmo dos próprios Bancos a iniciativa de os criar. Por isso, o mercado envolve uns e outros na mesma capa de responsabilização – o que levará muitos Bancos, por razões de imagem e reputação, a fazer tudo para que os resgates não sejam suspensos e para que este ou aquele Fundo não seja declarado insolvente. Em tais circunstâncias, esse “tudo” (o esforço financeiro a desenvolver) estará longe de ser insignificante.

v      Enfim, é de temer que os Fundos de Pensões sejam, também eles, forçados a despejar títulos no mercado. Não por causa de resgates - que poucos admitem. Mas para repor a liquidez que as indemnizações previstas nos “derivados de crédito” forem sugando (e sabe-se como os Fundos de Pensões devem operar com níveis de liquidez relativamente elevados). Aliás, suspeita-se, há muito, que o grosso destes instrumentos de dispersão do risco passeie, sem se fazer notado, pelas contas extra balanço de Fundos de Pensões e Seguradoras.

v      Os efeitos das perdas patrimoniais que resultarem do default e, no limite, do write off de títulos (hipotecários ou não) poderão só ser sentidos a prazo, mas manifestar-se-ão, desde logo, no rácio de solvência dos Fundos de Pensões, face às responsabilidades que eles tenham assumido. Neste ponto, o que sairá abalado, mais do que a estabilidade, é a confiança no sistema financeiro. Os danos serão, por isso, bem mais difíceis de reparar.

v      Em suma: se o risco de crédito arrasta para o interior do sistema bancário a crise no mercado imobiliário, é o risco de mercado (primeiro, pela queda das cotações; depois, pela maior volatilidade das cotações) que dá a crises deste tipo uma projecção financeira verdadeiramente global. (cont.)

 

A. PALHINHA MACHADO

 

Setembro 2007

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2005
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2004
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D