Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

CRÓNICAS DO BRASIL

Mercantilismo ou Nacionalismo
 
Foram estas duas as posições que, além de outras de ordem religiosa, opuseram os holandeses, invasores, aos brasileiros, luso-brasileiros e/ou portugueses, que, desde há um século, haviam adotado o Nordeste do Brasil em sua terra e aberto os caminhos da produção com um esforço que hoje é difícil de imaginar e reconhecer.
Os holandeses vieram para chupar a teta da produção existente, assaltar e roubar, sem qualquer intenção de se fixarem ao solo e aqui formarem uma nova pátria, do mesmo modo que abandonaram Nova Amsterdam (aliás vendida, que de tudo eles sacavam grana), por não sair dali o negócio que os «patrões» nas Flandres, esperavam.
Ficou, da sua estadia, a marca de um homem, só. Maurício de Nassau. Grande administrador. Os seus antecessores e posteriores, movidos pela ganância e intolerância ajudaram a fomentar o nacionalismo local, que acabou por correr com eles daqui para fora. A um elevado custo, já que o frágil rei de Portugal precisava do apoio da Holanda para consolidar a coroa recém retomada dos Filipes, e apesar da grande vitória no terreno, sofreu forte derrota nas finanças!
Maurício de Nassau em Kleve (Alemanha), onde faleceu aos 75 anos. Maurício de Nassau (1604-1679)
Parece que a história se repete. Três séculos e meio mais tarde, o panorama que hoje se enxerga no Brasil é de um «mercantilismo» das instituições públicas, em triste confronto com o que seria de esperar: um nacionalismo verdadeiro, a elevação do nível geral da população, a começar pela instrução e cultura.
O mercantilismo impera em todos os segmentos da governança, e tanta é a pouca vergonha que os tribunais, em alguns casos, vão levar dez ou vinte anos para resolver, se... ainda nesse tempo longínquo algo houver a ser resolvido.
O compadrio é uma doença extremamente contagiosa. E o poder, um mal que, entrado no corpo, os «doentes» não o largam mais. É pior que alucinógeno!
O Brasil, como quase todos os países da América do Sul, vive no paternalismo político. O povo, paciente, aguarda que os governos resolvam os seus problemas, como no caso do Bolsa Família que já alcança mais de 25% da população (que votarão novamente no PT enquanto continuar esta mamata!), e assim o crescimento harmônico jamais acontecerá.
Estimula-se a vagabundice com esmolas e não se criam empregos que dignifiquem quem trabalha. Assim se compram votos e se mantém a maioria do povo na ignorância.
O que é essa compra de votos se não um mercantilismo moderno?
E nacionalismo não seria algo como o interesse em dar vida digna a todos?
Será que se perdeu a força da raça que, à custa Deus sabe de que sacrifícios, correu daqui com os invasores holandeses?
 
Rio de Janeiro, 25 de Agosto de 2007
Francisco Gomes de Amorim
 

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D