Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

OS EXTREMOS QUE NÃO SE TOCAM

 Liev Nikoláievich TolstóiЛев Николаевич Толстой

Liev Nicolaievitch Tolstoi

(1828 - 1919)

 

 

Aproximar as pessoas, fazer com que se compreendam e se respeitem, que se entendam e vejam como irmãos, iguais, deveria ser o objetivo do homem desde que começou a falar, a pensar, a distinguir-se dos que continuaram a ser os irracionais.

 

Mas o que continuamos a constatar é que, apesar de desde tempos imemoriais sempre terem existido ricos e pobres e classe média, cada vez os ricos são mais ricos, os pobres mais pobres e a classe média sobrenada afogada em dívidas para imitar os ricos.

 

As artes crescem de valor no inverso da sua inutilidade! O que um futebolista chega a receber por ano é mais do que o conjunto de duas centenas de milhares de trabalhadores (200.000 a USD 50 por mês, quando ...) que se esgotam para tirar do chão alguma coisa com que enganem o estômago, uma pintura ou uma música por vezes outro tanto, uma entrada para um espetáculo de rock ou funck pode custar mais do que ganha uma família inteira durante um mês em muitos cantos de África e da América Latina, e assim se continua a tirar de onde há pouco, ou pouquíssimo, para onde há muito mais do que suficiente e... inútil.

 

Um miserável frasquinho com meia dúzia de gotas de perfume vale, não, não vale, mas custa mais do que uma centena de frangos ou uma carga de legumes. Talvez um milhar de molhos de couve ou agrião ou uma tonelada de batatas!

 

Correm as indústrias atrás de novidades e modernização, já sem falar nas de armamento e drogas, com sofisticação cada vez maior, para despertar no idiota civilizado a volúpia da compra, para ter, para mostrar ao rico que «também tem», e continuam aqueles que produzem o indispensável, a comida, a sofrer pela sobrevivência. O supérfluo valoriza-se num crescendo geométrico e usa a mulher, o sexo, como chamariz para a venda de automóveis, relógios, armas e outros bens que bem podiam ser desnecessários.

 

O sexo é hoje uma das maiores fontes de atracção de dinheiro dos incautos. Assim a tara sexual se desenvolve, as mulheres que tanto lutaram pela emancipação viraram objectos comerciais de desejo e prazer e depois clamam pela legalização do aborto!

 

O homem é o único animal em toda a natureza que passou a ter relações sexuais não para perpetuar a espécie, mas pelo simples prazer de o comentar. O homem e a mulher. Os restantes seres defendem as suas crias com a própria vida, e o homem mata-as antes mesmo delas abrirem os olhos para o mundo.

 

Da máxima de Amor, faz aos outros o que queres que te façam, evoluíram, os mais «sabidos», para faz para ti o melhor, com o mínimo de dano aos outros, para chegar ao descalabro do faz qualquer coisa em teu proveito e o  outro... que outro???... que se dane!

 

Perdeu-se a vergonha. Reina a sem vergonhice. Bradam alguns no deserto dos ouvidos entupidos de promessas e de dinheiro, e os extremos vão-se afastando, como dizem que o Universo se continua a expandir. Até onde? Ou, até quando, se a previsão é de um dia o Universo começar mais uma vez a se concentrar, até se transformar num buraco negro e voltar ao Big Bang?

Parece que não se lê e medita mais Buda, os Vedas, o próprio Cristo que nos tentou salvar, nem sequer Tolstoi, que numa carta a um amigo afirmava «... de todas as ciências que o homem pode ou deve saber, a principal é a ciência de viver fazendo o mínimo possível de mal e o máximo possível de bem.»

 

 

 

 

Rio de Janeiro, 26 de Junho de 2007

Francisco Gomes de Amorim

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

1 comentário

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D