Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

Curtinhas XLII

“portela+1”? “1+portela”?

(nem sempre a ordem dos factores é arbitrária)

v      Não há fome que não dê em fartura. Antes, um e um só aeroporto – e logo na Ota. Mais recentemente, vá que não vá, uma alternativa: Alcochete. Agora, mangas arregaçadas e estude-se também “Portela+1” em todas as combinações imagináveis. Traço comum a todos os interesses em liça, o mesmo enorme silêncio sobre o que é verdadeiramente primordial: para que fluxos de tráfego aéreo se está a projectar o aeroporto?

v      Para compreender a dura realidade dos factos, convém ter presente que um aeroporto é bem mais que um complexo de pistas, instalações terrestres e equipamentos técnicos. Integram-no, também: (1) um “cilindro de aproximação”, em altitude, com um diâmetro de algumas dezenas de quilómetros (em função dos “picos de tráfego” previstos e das características dos aviões que o demandem); (2) “corredores de aproximação” às pistas, para as aterragens e descolagens (as operações aeroportuárias). Quanto a isto, a Portela não é excepção.

v      A orografia a norte de Lisboa faz deslocar o “cilindro de aproximação” da Portela ligeiramente para sul, localizando-o sobre o rio e a península de Setúbal. Em princípio, um “cilindro de aproximação” pode não estar localizado exactamente à vertical do respectivo aeroporto, mas, por razões de segurança, operacional, deverá estar sempre a uns, poucos, minutos de voo.

v      Se olharmos com atenção para o mapa, salta à vista que, num cenário de exploração comercial, os “cilindros de aproximação” de Alverca e do Montijo se sobrepõem ao da Portela. Não é, porém, um problema insuperável. Dois ou mais aeroportos podem partilhar o mesmo “cilindro de aproximação” sempre que este tenha diâmetro suficiente para acolher, em total segurança, os “picos de tráfego” que estiverem previstos para o conjunto desses aeroportos. Mas gerir esse espaço aéreo comum, dentro dos padrões internacionais, é um problema tanto mais complexo quanto maior for o número de pistas a operarem simultaneamente.

v      Já quanto aos “corredores de aproximação”, as coisas complicam-se. Por uma razão bastante simples: os “corredores de aproximação” nunca podem cruzar-se. Se, por fatalidade geográfica, se cruzarem, só um deles poderá estar activo de cada vez. Para todos os efeitos, é como se existisse então um só aeroporto a operar – e, neste, uma só pista (aliás, é o que se passa hoje na Portela, onde não é possível ter dois aviões a operar simultaneamente).

v      Acontece que o “corredor de aproximação” de Alverca cruza a baixa altitude todos (sob condições meteorológicas ideais, todos menos um) os “corredores de aproximação” da Portela. Logo, com um avião a operar (a aterrar ou a deslocar) num destes aeroportos, o outro aeroporto terá de ficar temporariamente inoperativo.

v      Com o Montijo as coisas não se passam de modo muito diferente. Ali, o “corredor de aproximação” é praticamente perpendicular aos “corredores de aproximação” na Portela. E de uma maneira ainda mais absoluta do que em Alverca, não são possíveis operações simultâneas na Portela e no Montijo.

v      Em conclusão: (1) a abertura de Alverca, ou do Montijo, à aviação comercial, desafogava, certamente, os terminais da Portela, mas não permitiria aumentar o número de operações aeroportuárias em Lisboa; (2) o “+1” da alternativa que acaba de ser proposta nunca poderá ser nem Alverca, nem Montijo, mas um aeroporto com pistas paralelas à pista longa da Portela, ou suficientemente distante da Portela para que os respectivos “corredores de aproximação” não se cruzem.

v      Curiosamente, os “corredores de aproximação” de Alverca e do Montijo são praticamente paralelos e encontram-se suficientemente afastados para permitirem operações aeroportuárias simultâneas. Mais uma alternativa a estudar?

v      E a Portela? Como situar a Portela nesta bouquet de alternativas? (cont.)

 

a. palhinha machado

Junho 2007

 

Alverca e Portela a operarem simultaneamente, só num cenário: em Alverca, a descolagem ser para Leste e, na Portela, a aterragem/descolagem ser para sul (pista curta) ou para sudoeste (pista longa).

1 comentário

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D