Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

Caravaggio

 

 

   (1573 - 1610)

 

  

- Sigam em frente e lá em cima virem à direita – indicou o maltês lá do meio da escada em que estava empoleirado a reparar qualquer coisa na empena da casa apalaçada na esquina oposta à do restaurante em que eu estava a jantar. Não ouvi a pergunta que as quatro jovens nórdicas loiras fizeram ao empoleirado mas, pela resposta que li nos gestos, adivinho que queriam saber do melhor caminho para o centro de St. Gorg (entoe-se George, à maneira inglesa).

 

Cena banal que se poderia imaginar em qualquer outra esquina neste nosso Planeta Azul mas ali, nos arredores de Valetta, a capital de Malta, tudo fazia sentido. A começar pela maneira de escrever o nome do local em que nos encontrávamos e que não consigo reproduzir exactamente porque não temos no nosso alfabeto a pintinha sobre a letra «g» que os malteses inventaram para lhe atribuir o som forte que se espera de um George sendo que a mesma letra sem a tal pintinha assume a suavidade felina que lhe damos num gato. Sim, o alfabeto maltês tem 29 letras e diversos apêndices de acentuação que lhes possibilita escrever em caracteres latinos uma língua composta por quase 70% de expressões oriundas mais ou menos directamente do árabe clássico enquanto os restantes por cento se distribuem algo desequilibradamente entre italiano, francês, inglês e sabe Deus mais quê. Não fora uma evidente injustiça e quase me apetecia dizer que nem o Diabo os entende. E só porque me chamo Henrique é que não pergunto àquela gente por que razão é que o «gh» que consta do início de tantas palavras é mudo. Como bem compreendi a desorientação das jovens nórdicas que nem munidas do inglês internacional conseguiam interpretar a toponímia. A menos que o objectivo delas passasse também por meterem conversa com o alcantilado electricista …

 

Não tentei obviamente esclarecer a questão que assim fica por desvendar pois de imediato passei a notar que o fulano estava a trabalhar à hora a que eu estava a jantar. E a minha mulher e eu não jantamos assim tão cedo que dê para à mesa ouvirmos os pregões vespertinos – se é que os há. O que sucede é que o clima naquela metade sul do Mediterrâneo, praticamente à entrada do Golfo de Sirta, esse que banha directamente a Líbia ardente, não permite que se trabalhe na rua durante as horas a que nós, os setentrionais, estamos habituados a usar para conseguirmos pagar ao merceeiro. Em Malta, os trabalhos agrícolas decorrem entre as 5 e as 8 da manhã e a partir das 5 da tarde até que o serviço esteja concluído; o trabalho urbano na rua segue um padrão mais adamado pelos Sindicatos mas a verdade é que o fulano estava a trabalhar enquanto eu jantava. Apurei que nas pedreiras – Sector importante – o trabalho cessa às 12 porque a partir daí não há quem aguente e consta-me que nas fábricas tem havido uma certa preocupação de melhoria das condições de trabalho para que se consiga maior produtividade. Mas a deslocalização industrial fechou a última fábrica de “jeans” enquanto eu por lá andava e a empresa de semicondutores a cuja porta passei ficou a representar 35% das exportações maltesas. Sendo actualmente o ordenado mínimo nacional de cerca de € 600,00 (€ 403,00 em Portugal) e o ordenado médio de € 1000,00 (€ 670,00 em Portugal), dá para imaginar os estragos que a globalização se prepara para fazer naquelas paragens …

 

E já que refiro este tipo de questões, aproveito para informar que todo o canteiro agricultável (a dimensão geral da parcela agrícola é muito pequena) está trabalhado e por todo o lado se vê rega gota-a-gota. Na ilha de Malta a água é chupada do mar e dessalinizada enquanto na de Gozo ainda conseguem satisfazer cerca de 30% do consumo total por exploração de lençóis freáticos. Na ilha de Comino vivem 4 pessoas – não sei bem a fazer o quê – pelo que sobre o consumo de água não rezam as crónicas. A produção nacional de alimentos satisfaz cerca de 20% do consumo e se pelo cenário descrito se percebe que a produtividade da unidade de cultivo tem que ser relativamente baixa e o produto resultante caro, a maioria dos alimentos consumidos é importada e possui uma parcela significativa de custo de transporte. De tudo para concluir que uma refeição no restaurante-esplanada do Hotel Intercontinental sobre a praia de St. Gorg (não esquecer a pronúncia) que nos custou o equivalente a € 90,00, poderia em Portugal valer € 50,00. Já fartos do vinho corrente servido nos almoços organizados para os grupos de turistas em que nos metemos uma ou outra vez, mandámos vir o escanção para nos sugerir o melhor vinho da carta e pagámos por um branco “buvable” o equivalente a € 30,00. Daqui sugero aos enólogos portugueses que aproveitem uns dias de férias para viajarem até Malta pois que encontrarão boas oportunidades para venderem os serviços que por cá possam escassear. Melhor: sugiro aos exportadores portugueses de vinhos de mesa que aproveitem uns dias de férias para se lembrarem de que aquele mercado existe. É pequeno, o que facilita os nossos problemas de dimensão; paga bem e está em crescendo. Por lá só vimos várias marcas de vinho do Porto, não vimos nenhum da Madeira (a não ser num molho de bife que lemos num menu) e quanto a vinhos de mesa só vimos “o tal rosé” que leva bem longe o nome de Portugal. Está ali muito trabalho por fazer e não me parece que a concorrência e a estrutura de preços sejam impeditivas de lá chegarmos.

 

E se digo que o mercado de consumo de vinhos de mesa está em crescendo, isso deve-se a que o actual modelo de desenvolvimento do país assenta no turismo e este, como sabemos, é sequioso.

 

E para concluir este intróito, refiro que o expoente máximo que encontrei no turismo maltês é o quadro de Caravaggio, “A decapitação de S. João Baptista”, lindamente exposto na co-catedral de S. João, em Valetta.

Não há reprodução que iguale o original. Só lá indo para ver o esplendor.

 

Continuemos …

 

Lisboa, Junho de 2007

 

Henrique Salles da Fonseca

 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D