Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

A casa açoriana através dos séculos.

 

Situado na rota marítima das Américas e Índias, o arquipélago dos Açores sofreu desde inicio da sua povoação (séc. XV) influências culturais e arquitetónicas de várias regiões do globo que, adaptadas à necessidade dos primeiros povoadores, à geografia e clima locais, determinaram ao longo dos anos os diferentes estilos de suas casas.

 

Sendo as ilhas vulcânicas e ricas em florestas, a principio, o material mais usado foi a madeira e a pedra basáltica. A construção era rústica, simples e defensiva visando a proteção dos habitantes contra os elementos da natureza e dos piratas. Em geral, as casas eram cobertas de colmo ou de telhas, possuíam um único piso, tinham paredes triangulares com pequenas janelas e portas com a abertura bem acima do nível da rua. Internamente havia uma divisão de madeira em três compartimentos. A entrada ficava no meio da construção, de um lado o quarto de cama e do outro a cozinha, com a lareira, o forno e a amassaria onde se preparava a comida. O piso era de terra batida, com excepção do quarto que tinha o chão e o teto forrados de madeira. Entre o teto e o telhado havia um espaço chamado “falsa”, que se atingia por uma escada manual colocada junto à parede.

 Casa primitiva

Anexo à casa havia um depósito coberto ( cisterna) que recolhia as águas da chuva. No pátio, um poço e uma pia facilitavam a limpeza. Mas, até o início do século XX, era comum as pessoas mais simples lavarem as roupas nas ribeiras.

 

Produzia-se o alimento que se comia. O que a terra não dava se importava, quando as naus chegavam. Para secar o milho construía-se uma armação de madeira em forma de pirâmide chamada “pião”.  No quintal, espaço para a eira, lagar, chiqueiro e horta. Sobre os muros escuros, que dividiam e fechavam a propriedade, a vinha se deitava e açucarava sob a acção do calor do Sol, retido na pedra negra. Galinhas e pintainhos vagavam soltos durante o dia. À noite eram recolhidos à cozinha ou a um pequeno galpão, para protegê-los do vento e do frio.

 

Os anos passaram, as casas ficaram mais confortáveis, mas o estilo predominante ainda era o importado do continente português.  Em dados momentos históricos, os contactos com outras culturas trouxeram mudanças e crescenças que modificaram e enriqueceram as propriedades mais abastadas dos Açores. Aportaram às Ilhas a cantaria, os azulejos de Portugal, o ouro e a prata das Américas, as peças decorativas das Índias, as novas cores e formas sul-americanas, que clarearam os tons tristes e escuros das construções açorianas.

 

Depois dos descobrimentos marítimos portugueses e do domínio filipino, chegou a vez do Barroco. A beleza e a graça da arquitetura vinham das curvas, das figuras e dos trabalhos em talha dourada e policromada. A pedra  basáltica passou a bordar janelas, pórticos e portas das habitações, fazendo contraste com as paredes brancas de cal e com o vermelho dos telhados. Formava-se a aparência mais comum da morada açoriana.

 Casa típica do séc. XVI

 

Nos séculos XVII e XVIII surgem as belas casas senhoriais de dois e três pisos com suas capelinhas ou ermidas, fruto da inspiração ou devoção religiosa dos seus moradores. No rés-do-chão guardavam os coches e os grãos.  No primeiro andar ficavam as câmaras, antecâmaras, as salas de comer, os quartos, copas e cozinhas. As janelas em guilhotina ganharam vidraças vindas da Inglaterra, Os portais dos solares e quintas ostentavam bandeiras, brasões, figuras decorativas em alvenaria, faiança, porcelana ou madeira que enfeitavam de dia e assustavam de noite. Algumas varandas trabalhadas com ripas de madeira lembravam a influência moura.

 

Mas as forças da natureza também actuavam como modificadoras do ambiente. Periodicamente tremores de terra e erupções vulcânicas lançavam as ilhas em convulsão e destruição. E, mais uma vez, novas construções apareciam com características da época substituindo as primeiras.

 

Quando o óleo de baleia representava para a economia mundial o que o petróleo representa hoje, à cidade da Horta aportavam baleeiros de New Bedford e navios mercantes ingleses buscando marinheiros açorianos e deixando mudanças e transformações nas pacatas ilhas. Surgiram as barracas, casas leves, simples, mas confortáveis, em madeira, com base em pedra ou cimento, e janelas grandes, envidraçadas, de inspiração norte-americana. Nas freguesias, as casas mais ricas ganhavam mais um piso, janelas decoradas e portões com enfeites e trancas.

 

Com os retornados das emigrações dos séculos XIX e XX, muitas construções foram feitas e outras passaram por transformações tão grandes, que chegaram a ameaçar o aspecto arquitetónico das ilhas.

 Ponta Delgada, 2007

Atualmente para se construir é necessário obedecer a regras e condições estéticas, na tentativa das autoridades locais de preservar a beleza e as características tradicionais das casas açorianas.

  

 

Maria Eduarda Fagundes Nunes

 

Ref. Bibliog. “ Ambientes Açorianos “ de Francisco  Ernesto de Oliveira Martins

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D