Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

Os OTÁ...rios

 

Voei a primeira vez em 1954, entre Luanda e Benguela. No melhor avião que já se construiu até hoje, o famoso "Dakota - DC3". Desde esse tempo, perdi a conta ao tipo de aviões em que andei, desde os "teco-tecos" monomotores aos "Jumbo" (horríveis, com tanta gente).

 

 

Milhas voadas? Nem sei. Gosto de andar de avião, gosto de viajar, mas aeroportos... detesto! Muita gente, muita burocracia, muita hora perdida em esperas inúteis - só uma vez, numa viagem de 5 dias e 3 vôos esperei sentado em duros bancos mais de 24 horas!  O que me tem lavado a por vezes trocar o avião pelo combóio ou trem, como se diz e não usa por terras brasileiras. Não se usa, porque trens de longo percurso não existem, ou não funcionam, ou...

 

Neste momento a bagunça nos aeroportos, sobretudo do Rio e de São Paulo é aviltante. Atraso médio dos vôos: 3 a 4 horas e o governo... não sabe, não vê, não ouve, não...

 

Entretanto vão chegando informações e polémicas sobre um novo aeroporto em Lisboa! Aumenta-se a capacidade do atual, vai-se para um novo ao sul do Tejo em Rio Frio ou em Ota?

 

Pelo que as minhas coordenadas geográficas me permitem entender da questão, e porque já li pareceres de gente que raciocina sem intere$$es em qualquer das alternativas, tenho por mim, cuja opinião nada vale, mas que assim mesmo a emito, que:

 

1.- Ou há grande negociata atrás de tudo isto ou os intervenientes são, em sua maioria... burros;

 

2.- Como seria muita falta de modéstia classificar tão ilustres técnicos que se debruçam sobre o assunto, de burros, cheira a que tudo está mesmo à volta de altí$$ima negociata.

 

3.- Aumentar a capacidade da Portela seria certamente a decisão do tão querido e agora votado Salazar: economia é a base da riqueza, ou produzir e poupar, manda Salazar.

 

4.- Se o volume de tráfego aéreo e de passageiros esperado nos próximos anos for de muito considerável aumento, talvez tenha que se prever outra alternativa:

 

4a.- Rio Frio (os donos das herdades não receberam já, talvez há uns 15 a 20 anos um primeiro pagamento feito pelo Estado?): lugar desafogado, até bonito, que vai ter que abater uns milhares de sobrêras e acabar ou diminuir a criação de gado bravo, tão querido aos resíduos marialvistas portugueses. Segundo os especialistas o impacto ambiental será mínimo.

 

4b.- Ota: hipótese mais recente, terrenos envolventes já adquiridos, dizem as más línguas, pelos espertos, para depois serem indenizados, movimentação de terras em volumes quase inimagináveis, o desmonte de um monte, um custo muitissimo superior a qualquer das hipóteses anteriores, sem possibilidade de mais tarde (quando?) poder crescer, e um complicado ataque ao ecosistema.

 

Vem agora a público um autorizado político afirmar que Rio Frio é um deserto! Beleza, né? Dubai é um deserto, Riyad é outro, mas Rio Frio, ó excelência! péraí! Vosmecê já lá foi? Conhece? Ou pensa, como já corre por terras lusitanas, que os dromedários são de lá oriundos?

 

Porque tanta ferocidade e tão cáustica opinião sobre Rio Frio? Será que vexa já comprou também terrenos à volta de Ota?

 

E pior ainda quando sexa ameaça os futuros utentes de Rio Frio com os terroristas!!! Diz o famigerado político que eles podem dinamitar a ponte Salazar (a mesma que ele e seus comparsas renomearam para "25 de Abril").

 

Vou-lhes contar um segredo, baixinho: eu não sabia que havia assim tantos terroristas em Portugal. Mas o tal sexa político do partido interessado na Ota... sabe. E não será esta afirmação uma espécie de "ameaça terrorista"?

 

Enfim, porque não se ficam na Portela, com umas obras que custam incomparavelmente menos, já que não se antevê que Lisboa venha a ser o destino turístico por excelência dos europeus!

 

Só as excelências políticas que estão agora no governo insistem em Ota! Porque? Aqui há gato!

 

E se os portugueses forem nesse papo furado, financeiramente furadíssimo, o habitual dos políticos... serão uns grande OTÁRIOS.

 

  31 de Maio de 2007

Rio de Janeiro,

Francisco Gomes de Amorim

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D