Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

Curtinhas XXXVIII

o novo aeroporto de lisboa (nal) – III (cont.)

(Uma oportunidade única)

v      Quando se pensa em construir um hub intercontinental (e é este tipo de aeroporto que vem imediatamente à ideia a propósito do NAL), há que assegurar, antes, tráfegos aéreos e utilizadores competitivos em rotas de longo curso. Dito de outro modo, há que encontrar parceiros entre os ATA.

v      Presentemente, os hubs europeus que servem as rotas transatlânticas para a metade sul do Golfo das Caraíbas, para a América do Sul e para a África Ocidental (que designarei por rotas transatlânticas sul-oeste) não são tantos assim: Londres (com três aeroportos), Paris (com dois aeroportos), Madrid (Barajas) e Lisboa (quase a rebentar pelas costuras). Frankfurt e Milão estão já demasiado afastados da bacia atlântica para permitirem, nas referidas rotas, uma gestão rentável de aeronaves e tripulações.

v      One World - É importante notar que Londres e Madrid são, ambos, aeroportos-base de companhias aéreas (BA e Iberia) que integram um mesmo ATA, este, e que competem directamente nas rotas transatlânticas sul-oeste, sendo pouco provável que, numa óptica de optimização do agrupamento como um todo, alguma aceite ceder à outra determinados fluxos de tráfego. A instabilidade do One World nestas rotas é ainda mais patente se repararmos que dele faz parte uma terceira companhia aérea (LAN Chile) que tem também objectivos ambiciosos no tráfego aéreo entre a América do Sul e a Europa, e que, por enquanto, é livre de escolher o hub europeu que melhor lhe convier.

v      IBERIA - Em particular, as fragilidades da Iberia nas rotas para o Brasil e para a África Ocidental são notórias – talvez porque a BA, sua parceira no One World, lhe rouba espaço de manobra junto das feeders.

v      Sky Team - Paris é o aeroporto-base da companhia aérea líder do Sky Team (Air France/KLM), forte no tráfego aéreo com a África Ocidental e com a América Central e Caraíbas, mas mais fraca nas rotas para a América do Sul, sobretudo para o Brasil.

v      Star Alliance – É o ATA com melhor cobertura do espaço aéreo europeu (principalmente nas rotas norte/sul) e nas rotas para oriente, sendo igualmente muito competitivo nas rotas que cruzam o Atlântico Norte. Após o colapso da VARIG, o Star Alliance só conta com a TAP para as principais rotas transatlânticas sul-oeste (sobretudo para o principal hub sul americano, S. Paulo), onde a presença da Lufthansa (a companhia aérea líder neste ATA) conta pouco – situação que tem beneficiado muito a TAP.

v      Nem Star Alliance nem Sky Team dispõem, na Europa, neste momento, de um hub bem localizado para as rotas transatlânticas sul-oeste (dado que o aeroporto da Portela, pela sua exiguidade, está longe de oferecer as condições de operação/exploração adequadas aos volumes de tráfego aéreo que, pelo menos, o Star Alliance pode encaminhar através de Lisboa).

v      Tudo somado, fácil é concluir que estão reunidas, por uma vez, as condições que apontam para a localização, em Portugal, mais a sul que a norte, de um hub intercontinental de importância estratégica:

v      Os concorrentes directos, (Madrid/Barajas) e IBERIA, têm, nas rotas transatlânticas sul-oeste, as fragilidades que apontei mais acima.

v      Convém ter presente, também, que a tendência actual, em matéria de Aviação Comercial, vai no sentido dos acordos open sky – e não é de crer que as rotas transatlânticas sul-oeste escapem, por muitos anos mais, a esta evolução.

v      Na perspectiva de as principais rotas transatlânticas sul-oeste, pelo menos essas, ficarem abrangidas, mais dia, menos dia, por acordos open sky, é fundamental para a continuidade da TAP, tal como hoje a conhecemos: (a) estar baseada num hub que sirva a estratégia de longo prazo do Star Alliance; (b) ser vista pelos seus parceiros no Star Alliance como uma transportadora aérea de referência nas rotas transatlânticas sul-oeste. Só assim a TAP será poupada à pressão concorrencial vinda dos seus próprios parceiros (à imagem do que acontece com a IBERIA no seio do One World). Porque a concorrência que os outros dois ATA hoje lhe movem, essa, só poderá intensificar-se.

v      Não é líquido que o Sky Team venha a adoptar o hub de Lisboa para as rotas transatlânticas sul-oeste. E, se o fizer, poderá ser em articulação permanente com Paris, para onde continuarão a seguir os maiores volumes de tráfego aéreo de e para o Atlântico Sul.

v       Mas sabe-se já duas coisas: (a) Que está fora de questão a AIR FRANCE/KLM usar Madrid/Barajas para as rotas transatlânticas sul-oeste; (b) Que a AIR FRANCE/KLM tem em estudo a construção, em Casablanca, de um hub intercontinental orientado, precisamente, para estas rotas (com todas os receios que a insegurança da área suscita).

  Virá o novo aeroporto de Lisboa a situar-se em ... Casablanca?

v      Mas, se este projecto for por diante, será exemplar a, pelo menos, dois títulos: (a) é o primeiro hub intercontinental construído num país que não possui, nem intenta possuir, uma transportadora aérea de longo curso; (b) é o primeiro hub promovido e patrocinado por um ATA. Ou seja, será um projecto percursor do futuro a consolidação e reforço dos ATA está a traçar: à revolução nos céus seguir-se-á a revolução na rede mundial das infra-estruturas aeroportuárias.

v      A presença de um hub intercontinental concorrente um pouco mais a sul levará, quase de certeza, a que a rentabilidade do NAL diminua (por ter de praticar, então, tarifas a rasar os custos marginais dos hubs mais eficientes, ainda que localizados noutros quadrantes).

v      Daqui concluo que a decisão sobre o NAL não pode ignorar a possibilidade de Casablanca – e limitar o custo do investimento será, também por esta razão, uma questão de sucesso para uns, e de sobrevivência para outros.

v      Conhece-se o que pensa o Governo sobre as consequências de um possível hub em Casablanca nas contas que faz ao NAL? Ou sobre o papel dos ATA no redesenho das infra-estruturas aeroportuárias por esse mundo fora? Ou, enfim, sobre o posicionamento do NAL na rede de hubs que vai dar forma a todo o tráfego aéreo durante as próximas décadas?                                                                               (cont.)

a. palhinha machado

Abril 2007

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2005
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2004
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D