Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

CRÓNICAS DO BRASIL

A Propósito do PIB, onde está o crescimento?

 

Aproveitando o bem humorado texto de prezado amigo Francisco Amorim, O PIB, A DONA MINISTRA E A CEFALOPODOCRACIA, que tem na sátira a sua marca registrada, gostaria de levantar alguns pontos que, como leiga em economia política, fico por entender. Vejamos:

 

É facto, o FMI diz que as pessoas estão menos pobres porque podem comprar uma cesta básica. Mas não é o governo quem patrocina essa cesta? Portanto não é o indivíduo que tem esse poder aquisitivo. Então é falso dizer que se diminuiu a pobreza. O que se tem é uma transferência temporária de “riqueza”. No dia em que o povo parar de receber a cesta, se não houver outra fonte estável de ganho, ele volta à pobreza. O que se depreende é que um povo que precisa da ajuda do Estado para comer é porque o governo é insuficiente para lhe dar condições de autonomia.

 

 Dizem também que o desemprego diminuiu, só não dizem que a maioria desses empregos é forjada, através do enorme inchaço do governo, que absorve gente a rodo, distribui colocações a torto e a direito nos serviços públicos e reintegra funcionários demitidos desde a época do Collor. Todos esses empregos mantidos pelos impostos dos contribuintes, para o governo, dos” menos ricos”, para aqueles que produzem, dos “menos pobres,” que trabalham de modo assalariado e que vêem nos contracheques do mês descontos pesados e imediatos nos seus salários.

 

De facto a inflação está contida, isso desde FHC, e sem dúvida o mais carente, o que ganha salário ou bolsa família, teve uma melhora no poder aquisitivo. Mas os que geram emprego e riqueza, ainda não estão crescendo!

 

Gostaria de saber dos economistas, daqueles que entendem do riscado, a explicação como pode o PIB de repente crescer. Será que é porque agora os parâmetros para os cálculos foram alterados pelo governo? E é correto comparar o actual índice com os índices anteriores, que foram calculados diferentemente?  Isso não é manipulação de dados?

 

O governo diz que aumentaram os empregos entre os jovens, mas as estatísticas da FGV (Fundação Getúlio Vargas) dizem que as ofertas para os saídos da Universidade caíram. Supõe-se que o mercado de trabalho dê emprego de preferência aos qualificados, se não o faz é porque não cresceu ou então porque está usando mão de obra barata ou não qualificada.  

Estatísticas em 1995 davam taxas de desemprego entre os jovens de 10% com ganho médio de 521 reais. Em 2007 a taxa está na ordem de 18% e o ganho médio caiu para 465 reais. Isso é crescimento?

 

 Tudo faz matutar, se o país cresceu como dizem o governo e o FMI, porque os jovens não querem sair da faculdade, prolongando o curso com estágios e subespecializações, postergando o acesso ao mercado, cada vez mais concorrido? Será que é porque eles não se sentem bem preparados? Será que não há vagas suficientes para absorver os profissionais que saem todos os anos das faculdades e dos cursos profissionalizantes? Se for por isso, onde está o crescimento?

 

 Mas o governo continua a “distribuir cultura”, e a toque de caixa. Agora dá universidade para todos, o tal programa da PROUNI. Resta saber que fazer com tantas cotas distribuídas de forma preconceituosa, com tantos cursos dados sem estofo e qualidade, que despejam a espaços cada vez mais curtos jovens mal preparados no defasado mercado de trabalho. É assim que se resolve a desigualdade, vilipendiando a educação, oferecendo diplomas como brindes, fingindo que o país está evoluindo?

 

As pesquisas dizem que o Presidente continua com alto índice de popularidade. Talvez porque ele priorize no seu governo a distribuição de cestas básicas e cotas para as Universidades, planos sociais que atingem a grande maioria da população brasileira que é carente material e culturalmente. Mas será que é por aí que se vão resolver as chagas da pobreza e ignorância generalizadas? Com certeza o que se precisa é de muito, muito mais. E a segunda fase complementar do programa que o governo diz ter que não vemos chegar? Cadê os milhões de empregos prometidos?

 

Para tentar solucionar as dificuldades do Estado, o representante do Executivo deve ter seriedade e tino administrativos, visão clara do que é desenvolvimento, decisões e prioridades acertadas para trazer progresso ao país. Mas o Presidente continua há dois mandatos acima de tudo isso, vivendo como um espectador distante e diferenciado, dando opiniões óbvias e ululantes à mídia, em mini-discursos ocasionais e bem humorados, discutindo interminavelmente com os ministros e a sociedade, como um candidato, não como o dirigente da nação, de quem se espera uma atitude enérgica e imediata para enfrentar os nossos urgentes e graves problemas. Discurso ele sabe ler, improvisações sabe fazer, mas decidir e agir...

 

A população brasileira consciente continua a esperar, ansiosa, as respostas do governo. Mas pelo andar da carruagem, tomara que não estejam construindo para o país um ídolo com pés de barro.

 

Maria Eduarda Fagundes

12/04/07

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D