Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

CRÓNICAS DO BRASIL

A Propósito do PIB, onde está o crescimento?

 

Aproveitando o bem humorado texto de prezado amigo Francisco Amorim, O PIB, A DONA MINISTRA E A CEFALOPODOCRACIA, que tem na sátira a sua marca registrada, gostaria de levantar alguns pontos que, como leiga em economia política, fico por entender. Vejamos:

 

É facto, o FMI diz que as pessoas estão menos pobres porque podem comprar uma cesta básica. Mas não é o governo quem patrocina essa cesta? Portanto não é o indivíduo que tem esse poder aquisitivo. Então é falso dizer que se diminuiu a pobreza. O que se tem é uma transferência temporária de “riqueza”. No dia em que o povo parar de receber a cesta, se não houver outra fonte estável de ganho, ele volta à pobreza. O que se depreende é que um povo que precisa da ajuda do Estado para comer é porque o governo é insuficiente para lhe dar condições de autonomia.

 

 Dizem também que o desemprego diminuiu, só não dizem que a maioria desses empregos é forjada, através do enorme inchaço do governo, que absorve gente a rodo, distribui colocações a torto e a direito nos serviços públicos e reintegra funcionários demitidos desde a época do Collor. Todos esses empregos mantidos pelos impostos dos contribuintes, para o governo, dos” menos ricos”, para aqueles que produzem, dos “menos pobres,” que trabalham de modo assalariado e que vêem nos contracheques do mês descontos pesados e imediatos nos seus salários.

 

De facto a inflação está contida, isso desde FHC, e sem dúvida o mais carente, o que ganha salário ou bolsa família, teve uma melhora no poder aquisitivo. Mas os que geram emprego e riqueza, ainda não estão crescendo!

 

Gostaria de saber dos economistas, daqueles que entendem do riscado, a explicação como pode o PIB de repente crescer. Será que é porque agora os parâmetros para os cálculos foram alterados pelo governo? E é correto comparar o actual índice com os índices anteriores, que foram calculados diferentemente?  Isso não é manipulação de dados?

 

O governo diz que aumentaram os empregos entre os jovens, mas as estatísticas da FGV (Fundação Getúlio Vargas) dizem que as ofertas para os saídos da Universidade caíram. Supõe-se que o mercado de trabalho dê emprego de preferência aos qualificados, se não o faz é porque não cresceu ou então porque está usando mão de obra barata ou não qualificada.  

Estatísticas em 1995 davam taxas de desemprego entre os jovens de 10% com ganho médio de 521 reais. Em 2007 a taxa está na ordem de 18% e o ganho médio caiu para 465 reais. Isso é crescimento?

 

 Tudo faz matutar, se o país cresceu como dizem o governo e o FMI, porque os jovens não querem sair da faculdade, prolongando o curso com estágios e subespecializações, postergando o acesso ao mercado, cada vez mais concorrido? Será que é porque eles não se sentem bem preparados? Será que não há vagas suficientes para absorver os profissionais que saem todos os anos das faculdades e dos cursos profissionalizantes? Se for por isso, onde está o crescimento?

 

 Mas o governo continua a “distribuir cultura”, e a toque de caixa. Agora dá universidade para todos, o tal programa da PROUNI. Resta saber que fazer com tantas cotas distribuídas de forma preconceituosa, com tantos cursos dados sem estofo e qualidade, que despejam a espaços cada vez mais curtos jovens mal preparados no defasado mercado de trabalho. É assim que se resolve a desigualdade, vilipendiando a educação, oferecendo diplomas como brindes, fingindo que o país está evoluindo?

 

As pesquisas dizem que o Presidente continua com alto índice de popularidade. Talvez porque ele priorize no seu governo a distribuição de cestas básicas e cotas para as Universidades, planos sociais que atingem a grande maioria da população brasileira que é carente material e culturalmente. Mas será que é por aí que se vão resolver as chagas da pobreza e ignorância generalizadas? Com certeza o que se precisa é de muito, muito mais. E a segunda fase complementar do programa que o governo diz ter que não vemos chegar? Cadê os milhões de empregos prometidos?

 

Para tentar solucionar as dificuldades do Estado, o representante do Executivo deve ter seriedade e tino administrativos, visão clara do que é desenvolvimento, decisões e prioridades acertadas para trazer progresso ao país. Mas o Presidente continua há dois mandatos acima de tudo isso, vivendo como um espectador distante e diferenciado, dando opiniões óbvias e ululantes à mídia, em mini-discursos ocasionais e bem humorados, discutindo interminavelmente com os ministros e a sociedade, como um candidato, não como o dirigente da nação, de quem se espera uma atitude enérgica e imediata para enfrentar os nossos urgentes e graves problemas. Discurso ele sabe ler, improvisações sabe fazer, mas decidir e agir...

 

A população brasileira consciente continua a esperar, ansiosa, as respostas do governo. Mas pelo andar da carruagem, tomara que não estejam construindo para o país um ídolo com pés de barro.

 

Maria Eduarda Fagundes

12/04/07

4 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D