Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

A riqueza do Pico

vinhadoPico2

As vinhas do Pico

Terra periférica, reserva humana e religiosa de Portugal, os Açores sempre foram tratados com algum descaso pelas autoridades da metrópole portuguesa, a ponto de muitos continentais não saberem exactamente onde ficam e quem os colonizou. Apesar de sua localização estratégica, de vital importância nas rotas marítimas dos séculos passados e nos serviços de comunicação internacional, via cabos submarinos, essas nove ilhas vulcânicas de beleza invulgar, desde o seu descobrimento, lutaram com enormes dificuldades para conseguirem subsistir.

 

A exiguidade do solo do Pico, basicamente pedregoso, fez com que os primeiros habitantes dessa ilha tivessem que picar a pedra vulcânica para terem terra para plantar e viver. A cultura do trigo, mais exigente, quase não tinha terreno, por isso era na fronteiriça ilha do Faial que os picoenses buscavam a farinha para fazerem o pão. Mas se esse solo era ingrato para o grão, para a vinha era uma dádiva.

 

Foi da Ilha da Madeira que chegaram os primeiros bacelos. A parreira agradeceu o suado chão com muita uva e da boa. Daí para o vinho foi questão de pouco tempo, da colheita de uma primeira safra, com certeza.

 

Em pleno século XVI a produção de vinho já era tão abundante que foram necessárias medidas extra para aprovisioná-lo em vasilhames. Do solo vulcânico, negro, pedregoso e ressequido, que guardava o calor do sol, brotava com fartura a videira, repleta de cachos sumarentos e doces, como uma oferenda de Baco aos cestos daquela gente.

 Os vinhedos da Ilha Montanha se expandiam e era tamanha fartura que em 1649 chegou-se a colher oito mil pipas de vinho. Houve época que era tanto que encheram tanques e embarcações por falta de recipientes para guardá-lo.

O Pico produzia o néctar dos deuses e o Faial, ilha irmã na formação e administração, comercializava-o e exportava-o através do porto da Horta. Era o progresso que chegava para aqueles ilhéus que encontravam na tanoaria, na vindima, na trasfega, na alcoolização, no estufamento, nos serviços de transporte e armazenamento do vinho, trabalho e riqueza para a Terra.  

 

Os brasis nos armazéns da ilha aqueciam o ambiente para o amadurecimento do vinho (cinco anos).   Envelhecido, limpo e graduado (14 graus), era avaliado por provas. A alcoolização para a protecção e fortificação era feita com aguardente da terra ou estrangeira, em geral francesa, a preferida pelos compradores ingleses (Casa Scott Idle De Sobradello & Cª) que no século XVIII tinham representação no Faial e revendiam-no para as Antilhas e Martinica. Os americanos e os habitantes da Nova Escócia vendiam-nos madeira e peixe salgado e levavam de volta o vinho do Pico como pagamento. São Petersburgo e Hamburgo muito apreciavam o malvasia exportado pelo Faial, que consideravam como vinho doce, um dos melhores.

Gustave Lebbe, viajante sueco que passou no Faial em 1800 escreveu “... A experiência de alguns meses me tem provado quanto é salutar o uso do vinho do Faial e posso afirmar com fundamento que o tempo o torna muito melhor, de modo que, com cinquenta anos, seria um verdadeiro tesouro numa adega. É inútil dizer que só me refiro ao vinho de boa qualidade” – (Arquivo dos Açores).

 

Para protecção da qualidade do vinho do Pico era interditada a importação de outros vinhos dos Açores, apesar das várias tentativas para introduzi-los com o objectivo de aumentar a produção, em detrimento da sua qualidade, coisa que seria um desastre para o Pico e Faial.  Felizmente por certo tempo a Câmara da Horta entendeu o problema e protegeu o comércio vinícola picoense. Porém no ano de 1810, os comerciantes conseguiram do Governo uma provisão derrubando essa protecção. O vinho importado das outras ilhas foi tratado, misturado e pelos comerciantes promovido e vendido mais barato com prejuízo para o famoso vinho do Pico, que para manter a qualidade perdeu financeiramente a colocação. Daí para a frente disputas e decretos governamentais favoreciam alternadamente produtores, comerciantes e taberneiros, enfraquecendo o comercio do excelente vinho, que era muitas vezes comprado e adulterado nas ilhas ou mesmo no estrangeiro, na busca desonesta do lucro.

 

Em 1852 uma praga (oidium) se abateu sobre as vinhas dos Açores. Foi um desastre ambiental e comercial para aquelas pobres ilhas que tinham no vinho a sua maior riqueza. Os produtores viram com horror secarem os vinhedos sem nada poderem fazer. Acabaram-se os empregos. Era o fantasma da fome que mais uma vez rondava os lares picoenses, acarretando outra leva de emigrantes para o estrangeiro.   A família americana dos Dabney, que vivia naquele tempo no Faial, importou dos Estados Unidos um microscópio para ajudar no combate à doença. Todos olhavam o parasita pelas lentes de aumento do moderno aparelho, mas... tudo foi inútil, as preciosas cepas se perderam, e como no caso da laranja, mais uma vez faialenses e picoenses amargaram o descaso das autoridades portuguesas e a pobreza.

 

Anos depois por iniciativa particular do produtor e plantador de vinhedos faialense Manuel da Terra Brum, um longínquo meu parente, para o alento dos produtores de vinho, introduziu a uva americana Isabel, mais resistente às pragas, mas de qualidade inferior. Salvou-se a produção doméstica da uva, mas nunca mais Pico e Faial produziram o vinho doce de qualidade, que tanta importância teve para o comércio dessas ilhas centrais.

 

Na actualidade estão tentando com a ajuda da ciência e tecnologia melhorar a qualidade do vinho dessas ilhas Atlânticas. Quem sabe um dia o vinho do Pico volte a ter a fama que o fez apontado de forma elogiosa por Tolstoi em um dos seus livros?

 

Maria Eduarda Fagundes

Uberaba, 22 de Março de 2007.

 

Ref. bibliográfica

Anais do Município da Horta

Subsídios para a História da Ilha do Faial

Autor Marcelino Lima

1943 Vila Nova de Famalicão

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D